NÃO DESPREZEIS A NENHUM DESTES PEQUENOS

Introduzida em 29/09/08               Modificada em 26/09/13






NÃO DESPREZEIS A NENHUM DOS PEQUENOS



(Mateus 18:1-17) 18 Naquela hora, aproximaram-se de Jesus os discípulos e disseram: “Quem é realmente o maior no reino dos céus?” 2 Portanto, chamando a si uma criancinha, colocou-a no meio deles 3 e disse: “Deveras, eu vos digo: A menos que deis meia-volta e vos torneis como criancinhas, de modo algum entrareis no reino dos céus. 4 Por isso, todo aquele que se humilhar, semelhante a esta criancinha, é o que é o maior no reino dos céus; 5 e todo aquele que receber uma de tais criancinhas à base do meu nome, [também] a mim me recebe. 6 MAS, todo aquele que fizer tropeçar a um destes pequenos que têm fé em mim, para este seria mais proveitoso que se lhe pendurasse em volta do pescoço uma mó daquelas que o burro faz girar e que fosse afundado no alto-mar. 7 “Ai do mundo, devido às pedras de tropeço! Naturalmente, é necessário que venham pedras de tropeço, mas ai do homem por meio de quem vem a pedra de tropeço! 8 Se, pois, a tua mão ou o teu pé te faz tropeçar, corta-o e lança-o para longe de ti; é melhor para ti entrares na vida aleijado ou coxo, do que seres lançado com duas mãos ou dois pés no fogo eterno. 9 Também, se o teu olho te faz tropeçar, arranca-o e lança-o para longe de ti; é melhor para ti entrares com um só olho na vida, do que seres com os dois olhos lançado na Geena ardente. 10 CUIDAI DE QUE NÃO DESPREZEIS A UM DESTES PEQUENOS; pois eu vos digo que os seus anjos no céu sempre observam o rosto de meu Pai, que está no céu. 11 —— 12 “Que pensais? Se um certo homem vem a ter cem ovelhas e UMA DELAS SE PERDER , não deixará ele as noventa e nove sobre os montes e irá à procura daquela que se perdeu? 13 E, se por acaso a encontrar, certamente vos digo que SE ALEGRARÁ MAIS COM ELA DO QUE COM AS NOVENTA E NOVE que não se perderam. 14 Do mesmo modo, não é algo desejável para meu Pai, que está no céu, que pereça um destes pequenos. 15 “Outrossim, se o teu irmão cometer um pecado, vai expor a falta dele entre ti e ele só. Se te escutar, ganhaste o teu irmão. 16 Mas, se não te escutar, toma contigo mais um ou dois, para que, pela boca de duas ou três testemunhas, todo assunto seja estabelecido. 17 Se não os escutar, fala à congregação. Se não escutar nem mesmo a congregação, SEJA ELE PARA TI APENAS COMO HOMEM DAS NAÇÕES E COMO COBRADOR DE IMPOSTOS.

O que é “desprezar”?? Quem são os pequenos?? E por que não “desprezar” os pequenos?? É realmente uma questão do valor que você atribui ao pecador??


Não os desprezeis é o mesmo que:

  1. Não os trateis sem amor.

  2. Não os trateis sem estima.

  3. Não os trateis sem consideração.

  4. Não os tenha como pessoas sem valor ou como valendo menos do que você.


Onde existe "igualdade" não existe competição. Jesus estava repreendendo seus amados discípulos que competiam entre si na busca do lugar mais elevado no reino dos céus. No lugar da IGUALDADE, os apóstolos buscavam a SUPERIORIDADE. Os discípulos estavam disputando entre si para saber qual deles era MAIOR no reino dos céus. Em todos os modelos de reinos que eles conheciam, existiam os mais importantes e, obviamente, "os demais", "os outros". A regra considerada normal nos reinos existentes, era existir os superiores (comandantes) e os inferiores (comandados). Naquele momento, naquele "reino humano" existente, os discípulos faziam parte dos "demais" (inferiores). Certamente, não era bom fazer parte dos "demais" (rebaixados). No lugar onde existe o mais importante (superiores), logicamente, tem de existir o menos importante, além do que, os mais importantes têm prioridade em tudo. As coisas melhores sempre irão para os "mais importantes". Os mais importantes (elevados) "sempre" recebem coisas dos "menos importantes". Os "rebaixados" trabalham para o deleite dos "elevados". Jesus lhes chamou a atenção de que eles ainda precisavam dar meia-volta. Se não deres meia-volta, não entrareis no reino dos céus. Eles estavam na contramão. Isto significava que mesmo andando junto com Jesus, os discípulos ainda estavam andando na direção oposta ao reino dos céus. Os discípulos revelavam sua disposição interna (desejo) de serem os elevados e de receberem as honras dadas aos elevados. Naquele reino humano existente, os sacerdotes e os fariseus eram os elevados; estes recebiam honra. Neste caso, havia a necessidade de se lhes mostrar (aos discípulos) a real importância de cada membro individual. Assim, passou Jesus a lhes esclarecer este assunto tão vital. Primeiro pegou uma criancinha e a colocou no meio deles. Para as criancinhas não existe mais importante ou menos importante entre elas; entre elas não existe o "elevado" e o "rebaixado"; não existe o “superior” e o “inferior”. As criancinhas se vêm apenas como criancinhas, todas no mesmo nível. Depois, Jesus passou a fazer uma sábia explanação. Afinal, toda esta explanação tem a ver com o reino dos céus, tem a ver com a importância real de cada membro no reino dos céus, com o valor que o Pai atribui a cada membro, e, em consequência direta disso, com o valor que deve ser atribuído pelo indivíduo tanto para si mesmo, como para cada membro, no reino dos céus. No reino dos céus todos são iguais, todos têm o mesmíssimo peso, todos têm a mesmíssima importância. Todos valem uma vida, uma importantíssima vida.

NÃO DESVALORIZEIS A NENHUM DOS PEQUENINOS.


Qualquer um que fizer tropeçar a um destes “pequenos” que já têm fé em mim - "Qualquer um" inclui também outros pequeninos que têm fé em Jesus. Por exemplo, incluiria aqueles chamados por Jesus de "falsos profetas" que desencaminhariam a muitos.

Jesus passou a chamar a atenção dos seus apóstolos que disputavam notoriedade e valorização pessoal, que no lugar de buscarem tal valorização pessoal, tal enaltecimento pessoal, de buscarem estar acima de outros humanos (superioridade), eles tinham de valorizar o seu semelhante. Sem dúvida, estavam no caminho oposto. Tinham de se conscientizarem do valor que cada próximo tem. QUEM SE SENTE SUPERIOR, automaticamente AUMENTA SEU VALOR em relação aos demais, rebaixando o valor de outrem. Ele se considera no alto, sente estar no alto e olha os demais de cima para baixo, pois onde há o “superior”, obviamente, tem de existir o “inferior”. No entanto, isto é estar na contramão do reino dos céus.


- Isto significava "morte certa". Seria mais proveitoso que se lhe pendurasse em volta do pescoço uma enorme pedra (daquelas que o burro faz girar) e que fosse afundado no mar


É melhor a morte do que fazer tropeçar a um dos pequenos que têm fé em Jesus. Corte uma mão, um pé, arranque o olho, enfim, se mutile, mas não faça tropeçar a um destes pequenos que já têm fé em Jesus. Não seja uma pedra de tropeço nem para você mesmo.

Vocês ainda não sabem qual é a importância de um destes pequenos?? Continuando, Jesus passa a expor o motivo de agir desta forma. O motivo de preferir a morte do que fazer tropeçar a um dos pequenos é PORQUE o Pai tem aquele pequeno como alguém MUITO importante, como algo MUITO valioso, como um bem MUITO valioso pelo qual o Pai tem uma ALTA estima. Um bem altamente valioso que foi deixado ali e que Ele logo viria para saber como estava este bem. Você quer ser o responsável por causar dano a um bem altamente valioso e que, além do mais, é de propriedade de alguém muito importante e um bem que Ele tem em ALTA estima?? Então se mutile se necessário, mas, não cause dano ao bem altamente valioso que pertence ao meu Pai.


Escolha a morte, mas não cause dano a um destes pequenos. Jesus também forneceu o exemplo de como se fazer isto. Jesus deixou-se mutilar, deixou-se matar, no entanto, NÃO CAUSOU NENHUM DANO ao bem altamente precioso de seu Pai, ou seja, os pequeninos. No entanto, você SÓ prefere se mutilar ou morrer para não causar dano a alguém, SE E SOMENTE SE você o considerar como um bem MAIS VALIOSO do que o membro que você irá mutilar ou como um bem MAIS VALIOSO do que tua própria vida.


Não deixe de levar em conta o sentimento que o Pai tem pelo pequeno. Dada a importância de uma ovelha, o que fará o Pai pela ovelha que se perdeu, aquela considerada perdida?? Dada a importância de um dos pequenos, o que fará o Pai por qualquer um dos pequenos que, por qualquer motivo, não se encontre no rebanho, que seja considerado perdido?? Que pensais? Se um certo homem vem a ter cem ovelhas e UMA DELAS SE PERDER , não deixará ele as noventa e nove sobre os montes e irá à procura daquela que se perdeu? 13 E, se por acaso a encontrar, certamente vos digo que SE ALEGRARÁ MAIS COM ELA DO QUE COM AS NOVENTA E NOVE que não se perderam. 14 Do mesmo modo, não é algo desejável para meu Pai, que está no céu, que pereça um destes pequenos.


Jesus passou a usar uma ilustração, exaltando o fato de que, embora o pequenino possa ir para longe, independente do motivo, a ALTA estima que o Pai sente por este pequenino não se modifica. A expressão “se alegrará mais com ela do que com as noventa e nove que não se perderam” é muito forte. A expressão realmente revela o ALTO valor que o pequenino “perdido” possui para o Pai. Então não faça um pequenino perder-se.


Na mesma explanação, Jesus passa então a exemplificar com UMA SITUAÇÃO REAL em que este sentimento de superioridade seria muito perigoso, pois ter tal sentimento poderia levar a "desprezar" a um dos pequenos, a desvalorizar a um dos pequenos. Se um dos pequenos que têm fé em mim cometer um pecado.... Se ele tiver uma recaída....

Seja ele para ti – APENAS como homem das nações e como cobrador de impostos?? Ou será: Seja ele para - TI APENAS (apenas para você) - como homem das nações e como cobrador de impostos?? Falou Jesus: “Veja-o agora como alguém que faz parte do “grupo dos rebaixados”, do “grupo dos inferiores”????

Passe a vê-lo com superioridade? Passe a vê-lo como alguém INFERIOR a você?? Passe a vê-lo como alguém desprezível?? Sinta forte REPULSA por ele? Será que Jesus me daria ordens como estas?? Diria Jesus: Veja-o APENAS como um homem das nações e como cobrador de impostos? Veja-o como um caso perdido?? Ele é apenas alguém “que não vale nada”, assim como um homem das nações e como um cobrador de impostos??? Veja-o como um vaso próprio para a destruição?? Seria o “APENAS”, uma expressão para revelar a “real posição” deste pecador, uma “posição rebaixada”, alguém sem valor??? Seria um caso em que se poderia desvalorizar um pequenino??

Neste caso era para REPELIR o homem das nações e o cobrador de impostos?? Era o caso de excluir o pequenino??

Jesus ao olhar para um cobrador de impostos e para um homem das nações, para um pecador, o que ele via??

Será que Jesus via esta pessoa como INFERIOR aos demais judeus?? "Apenas " um cobrador de impostos??

Será que Jesus via as pessoas das nações como INDIGNAS de se conviver?? "Apenas " pessoas das nações??

Será que Jesus via os cobradores de impostos e as pessoas das nações como fazendo parte de um “grupo de inferiores”???


Assim verte a Tradução Brasileira de 1917: (Mateus 18:17) 17 Se ele recusar ouvi-los, dize-o à igreja; e se também recusar ouvir a igreja, considera-o como gentio e publicano.


Considera-o como gentio. Considera-o como um incircunciso, como um homem das nações. Do ponto de vista de Jesus, aquele que falava, seriam estes homens, pessoas de segunda classe, pertencentes a uma classe inferior??


Considera-o como um publicano. O que é um publicano??


Publicano: Assim é definido por certo dicionário (Houaiss): cobrador de impostos no império romano.


publicano

n substantivo masculino

1 Rubrica: história.

cobrador de impostos no Império Romano

2 Diacronismo: antigo.

contratador ou adjudicatário do Estado, encarregado principalmente da cobrança dos impostos



Um judeu sendo usado pelo império romano para cobrar impostos de outros judeus e ainda enriquecendo por conta de tal condição??

Sim. Exatamente isto o que significava ser um judeu cobrador de impostos.


Como será os judeus viam os judeus que se prestavam a esta condição (cobrador de impostos) contra os próprios judeus??


Considera-o como um cobrador de impostos?? Um cobrador de impostos. Considera-o como um cobrador de impostos?? Ao pedir que tal pessoa que se nega a ouvir o “bom conselho” seja vista como um publicano (cobrador de impostos) ou como um gentio, o que queria Jesus dizer com tal afirmação?? O que o coração de Jesus pedia?? Como reagiria o coração de Jesus ao encontrar-se nesta situação?? Que sentimento teria Jesus por este homem que se recusa a escutar o “bom conselho”?

O discípulo de Jesus devia copiar o seu mestre Jesus em tudo o que o seu mestre fizesse e falasse, não é verdade??


Será que Jesus via o cobrador de impostos como alguém indigno de se manter um relacionamento?? Será que Jesus via o cobrador de impostos como “alguém sem valor”??? Alguém para ser afastado, repelido, alguém que Jesus não estenderia as mãos para cumprimentar?? Seria alguém que Jesus não abraçaria e nem tomaria uma refeição?? Depois de três tentativas e ele não mudou de proceder, então se afaste dele (se afastem dele), pois ele é indigno para se manter um relacionamento, ele pode aviltar você, ele pode aviltar toda a congregação?? Será que é para jogá-lo para fora do rebanho?? Só a presença dele pode aviltar a congregação?? Ele agora é uma pessoa perigosa para se conviver, logo, indigna de se conviver?? Quem evita a companhia é porque despreza, sim, é porque foi alterado para baixo o valor daquela pessoa.


DESPREZAVA Jesus os cobradores de impostos e as pessoas das nações?? DESVALORIZAVA Jesus os cobradores de impostos e pessoas das nações?? Dava Jesus um VALOR DIFERENCIADO aos cobradores de impostos e as pessoas das nações??

Incentivaria Jesus a que um discípulo seu (aluno seu), se achasse e se comportasse como superior a quaisquer outros humanos que errassem?? Incentivaria um aluno a se achar melhor que outros humanos??

Disse Jesus: “Não o veja mais como um irmão; agora ele será APENAS alguém que faz parte de um “grupo inferior”?? Disse ainda: “Não fale e nem se misture com ele, pois ele é APENAS um cobrador de impostos, um inferior e sem valor”?? Disse Jesus que aquele pecador agora passou a ser “inferior” a você?? Afirmou Jesus que nestas circunstâncias você pode se sentir “superior” a este pecador??

Incentivaria Jesus a que seus discípulos (alunos), como grupo, deixassem de perdoar outro discípulo ou outro humano qualquer que, após cometer um pecado, ouvisse e não obedecesse??


Devia tal pessoa ser chamada de Raca ou de tolo desprezível?? Devia esta pessoa ser desprezada??

O que Jesus já havia falado no sermão do monte??

(Mateus 5:21-22) 21 “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar; mas quem cometer um assassínio terá de prestar contas ao tribunal de justiça.’ 22 No entanto, digo-vos que todo aquele que continuar furioso com seu irmão terá de prestar contas ao tribunal de justiça; mas, quem se dirigir a seu irmão com uma palavra imprópria de desprezo terá de prestar contas ao Supremo Tribunal; ao passo que quem disser: ‘Tolo desprezível!’, estará sujeito à Geena ardente.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 5:21-22) 21 Tendes ouvido que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar, estará sujeito a julgamento. 22 Mas eu vos digo que todo aquele que se ira contra seu irmão, estará sujeito a julgamento; e quem chamar a seu irmão: Raca, estará sujeito ao julgamento do sinédrio; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito à geena de fogo.


Raca – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: pessoa sem importância, insignificante.


raca

adj.2g.s.2g. (sXIV) pej. diz-se de ou pessoa sem importância, insignificante, idiota etim orig. semítica, prov. der. do heb. rek 'vazio, oco' sin/var ver sinonímia de tolo \ô\ ant ver antonímia de tolo \ô\


Até alguns momentos atrás, tal pessoa era considerada importante, pois estava havendo um empenho para salvar tal pessoa. Logo depois destas três tentativa esta pessoa passou a ter um valor diferente, um insignificante valor?? Passou a ser uma pessoa sem importância??


Que importância davam os judeus aos gentios?? Que importância davam os judeus aos samaritanos??


Será que eram vistos e tratados pelos judeus, como pessoas que tinham o mesmo valor que um judeu?? Eram vistos e tratados com igualdade?? Eram vistos e tratados com isonomia??


Isonomia – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: governados pelas mesmas leis; iguais perante a lei; não se fazendo distinção entre pessoas que se encontrem na mesma situação.


isonomia

s.f. (1858) 1 estado dos que são governados pelas mesmas leis 2 jur princípio geral do direito segundo o qual todos são iguais perante a lei; não devendo ser feita nenhuma distinção entre pessoas que se encontrem na mesma situação 3 miner estado dos cristais que são construídos segundo a mesma lei etim gr. isonomía,as 'repartição por igual; igualdade de direitos'


De forma natural, os judeus não se viam como iguais aos gentios, aliás, eles sentiam repugnância pelos gentios, em face da vida pecaminosa vivida pelos gentios. Eles se vangloriavam de serem descendentes de Abraão e de fazerem parte dos “circuncisos”. Eles tinham os incircuncisos como um grupo inferior, como um grupo amaldiçoado por Deus. Os descendentes de Jacó tinham todos os demais humanos como insignificantes, como pessoas sem importância.


Estava Jesus aprovando aquela forma milenar usada pelos descendentes de Jacó para com os demais descendentes de Noé?? Estava Jesus aprovando aquele tratamento diferenciado dado pelos descendentes de Jacó aos demais humanos?? Estava Jesus perpetuando esta forma de tratamento diferenciado, agora entre seus discípulos??


Estava Jesus criando uma exceção quanto ao perdoar?? Estava o perdão a outro humano sendo condicionado?? Estava o perdão sendo restrito ou condicionado a apenas três tentativas?? Jesus já havia falado no Sermão do Monte: “SE não perdoares aos homens as suas falhas, TAMPOUCO vosso Pai vos perdoará as vossas falhas”. Para esta regra não existe exceção. Para esta regra não existe limite; não existe quantidade máxima. Tenho de perdoar todas as falhas dos homens, todas as falhas, todo tempo, todo tempo. Não é um perdão condicionado a uma prévia atitude do ofensor.


A regra dada por Jesus é simples, contínua e totalmente abrangente: Se perdoardes sereis perdoados; se não perdoardes não sereis perdoados.


Será que Jesus estava nos ensinando uma maneira de disfarçadamente "transgredir" ou mesmo disfarçadamente "distorcer" ou ainda mais, de "burlar" esta regra simples?? Falava Jesus contra o mandamento dado por seu Pai, que ele mesmo retransmitira no Sermão do Monte??

Dentro do contexto do que Jesus estava falando, primeiramente ele chamou a atenção da IMPORTÂNCIA que seu Pai dá a cada uma das ovelhas, aqui também chamados de: "os pequeninos".


Uma das citações saídas da mente e boca de Jesus foi: Cuidai de que NÃO DESPREZEIS a um destes "pequenos". Tome cuidado para não fazer tropeçar a um dos pequenos. Pequenos que têm fé em mim.

Outra das citações foi: Mas, todo aquele que fizer tropeçar a um destes pequenos que têm fé em mim, para este seria mais proveitoso que ...


DADA A IMPORTÂNCIA DO PEQUENINO, prefira morrer à fazer tropeçar um destes pequenos que têm fé em mim, foi o que falou Jesus. O fato de este pequeno ter pecado contra outro pequeno e não reconhecer e não deplorar seu erro, não o exclui da condição de pequeno, pequeno que tem fé em Jesus. A grave condição pecaminosa do pequenino, não reduz o seu valor perante o Pai. O Alto valor do pequenino NÃO DIMINUI, apesar de suas ofensas e rebeldias.


Trata-se de um dos pequenos aprendizes que têm fé em Jesus. Trata-se de uma ovelha que já acredita em Jesus. Como o Pai os considera?? O Pai os considera como MUITO importantes, como extremamente PRECIOSOS. O desejo imutável do Pai é recuperar aquele pequeno aprendiz que se perdeu, aquele pequeno aprendiz que está doente, aquele pequeno aprendiz que está longe. Aquele pequeno aprendiz é uma ovelha. É uma ovelha doente, ela está doente. Não desprezeis a nenhuma das ovelhas. Todas valem uma vida. Mesmo quando a ovelha ainda não tinha fé em Jesus, ela já era MUITO preciosa para o Pai. A “ovelha rebelde” continua sendo preciosa para o Pai.


Você se esforça muito para que uma pessoa passe a ter fé em Jesus. Ele começou a acreditar em Jesus. Que bom!! Se você se esforçou, obviamente ele era importante.

No entanto, ela esbarrou em um ensino de Jesus e não quer aceitar tal ensino. O que fazer com ela?? Você se esforçou muito e ela ainda não aceitou aquele ensino que é novo para ele. Deixará ele de ser importante para você??


Que valor tem para o Pai, um dos pequenos que se perde?? Bem, de forma prática, no seu dia a dia, Jesus estava demonstrando o real valor que ele dava aos cobradores de impostos, quando foi questionado. Ao ser questionado por estar acolhendo e comendo com pecadores, inclusive cobradores de impostos, ovelhas consideradas perdidas, e obviamente desprezadas pelos fariseus, Jesus passou a raciocinar com os escribas e fariseus, através de ilustrações que revelavam e explicavam o real valor dos que estavam perdidos, que neste caso REVELAVAM SER os cobradores de impostos e os pecadores. Assim está registrado: (Lucas 15:1-10) 15 Todos os cobradores de impostos e pecadores chegavam-se então perto dele para o ouvirem. 2 Conseqüentemente, tanto os fariseus como os escribas murmuravam, dizendo: “Este homem acolhe pecadores e come com eles.3 Então lhes contou a seguinte ilustração, dizendo: 4 “Que homem dentre vós, com cem ovelhas, perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove atrás no ermo e VAI EM BUSCA da perdida, até a achar? 5 E quando a tiver achado, ele a põe sobre os seus ombros e se alegra. 6 E, ao chegar à casa, convoca seus amigos e seus vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque achei a minha ovelha que estava perdida.’ 7 Eu vos digo que assim haverá mais alegria no céu por causa de um pecador que se arrepende, do que por causa de noventa e nove justos que não precisam de arrependimento. 8 “Ou que mulher, com dez moedas de dracma, se perder uma moeda de dracma, não acende uma lâmpada e varre a sua casa, e PROCURA CUIDADOSAMENTE até achá-la? 9 E quando a tiver achado, convoca as mulheres que são suas amigas e vizinhas, dizendo: ‘ALEGRAI-VOS COMIGO, porque achei a moeda de dracma que perdi.’ 10 Assim, eu vos digo, surge alegria entre os anjos de Deus por causa de um pecador que se arrepende.”


Assim verte a Tradução Brasileira de 1917: (Lucas 15:1-2) 1 Aproximavam-se de Jesus todos os publicanos e pecadores para o ouvir. 2 Os fariseus e os escribas murmuravam: Este recebe pecadores e come com eles


Os escribas e os fariseus TINHAM CERTEZA de que Jeová odiava e desprezava os cobradores de impostos e os pecadores. Eles achavam que estavam copiando os sentimentos de Deus em relação àqueles outros humanos.


Aqueles homens atribuíam aos publicanos e pecadores, de baixo a nenhum valor, e que exatamente por isto, não se misturavam com estes homens, estavam questionando o fato de Jesus não ser como eles.


Jesus se você é um homem de Deus, como podes conviver desta forma com pessoas que Deus despreza??


Jesus estava expondo através destas ilustrações, exatamente o contrário do que pensavam, sentiam e ensinavam os fariseus.

Jesus, porque você não é igual a Davi, Moisés, os profetas, os sacerdotes e o povo geral??


O pequenino é tão valioso e permanece tão valioso, que, embora haja muitos outros pequeninos que não se perderam, o Pai vai atrás do pequenino perdido e o procura cuidadosamente até o achar e depois de achá-lo, Ele revela sua alegria, por convocar outros para participar na sua alegria. Depois destas duas ilustrações, parece que não poderia haver dúvida quanto ao ALTO valor que cada pecador tem para o Pai e a ALTA estima que o Pai sente por cada PECADOR. O Pai se empenha até obter o resultado esperado e se alegra pelo resultado obtido. O Pai não desiste do pecador. Jesus deixou bem claro: “O Pai atribui aos cobradores de impostos e aos pecadores um ALTO valor e tem pelos pecadores das nações e pelos cobradores de impostos uma ALTA estima”.


Bem, os fariseus devem ter ficado PERPLEXOS, enquanto os cobradores de impostos devem ter SE ALEGRADO muitíssimo.


Em lugar de se afastar do pecador, o Pai vai a procura do pecador. Realmente, o pecador é algo valioso para o Pai, ele continua a ter um ALTO valor para o Pai. SAIR À PROCURA DO PECADOR - Esta é a ação de quem tem o pecador em ALTA estima.


Zaqueu, um pecador, um cobrador de impostos, era uma das ovelhas que estavam “perdidas”, que por ter um ALTO valor, estava sendo “procurada” pelo Pai, para ser salva: (Lucas 19:1-10) 19 E ele entrou em Jericó e [a] estava atravessando. 2 Ora, havia ali um homem de nome Zaqueu, e ele era chefe de cobradores de impostos e era rico. 3 Bem, ele procurava ver quem era este Jesus, mas não podia, por causa da multidão, porque era de estatura pequena. 4 De modo que correu na frente a um lugar mais adiante e subiu num sicômoro-figueira, a fim de vê-lo, porque estava para passar por ali. 5 Chegando então Jesus ao lugar, olhou para cima e disse-lhe: “Zaqueu, apressa-te e desce, pois hoje tenho de ficar em tua casa.” 6 Com isso ele se apressou e desceu, e o recebeu com alegria como hóspede. 7 Mas, quando viram [isso], todos começaram a murmurar, dizendo: Entrou para pousar com um homem que é pecador.8 Mas Zaqueu levantou-se e disse ao Senhor: “Eis que a metade dos meus bens, Senhor, dou aos pobres, e o que for que eu extorqui de qualquer um por meio de acusação falsa, eu restituo quatro vezes mais.” 9 A isto Jesus disse-lhe: “Neste dia entrou a salvação nesta casa, porque ele também é filho de Abraão. 10 Pois o Filho do homem veio BUSCAR E SALVAR o que estava perdido.”


BUSCAR, PROCURAR O PECADOR, COM O OBJETIVO DE SALVAR. O pecador estava sendo procurado. Que valor tem este pecador ainda não achado, ou seja, na condição de perdido?? Possui um Alto valor e o Pai tem por ele uma Alta estima. Enquanto os sacerdotes, os fariseus e os seus ensinados atribuíam ao cobrador de impostos um Baixo valor e tinham por ele uma Baixa estima, Jesus demonstrou ter uma avaliação 100% oposta a deles. A avaliação de Jesus era a mesma avaliação do Pai.


Assim já havia falado o Pai quanto a importância de cada ovelha, especialmente da ovelha perdida, da ovelha doente: Não vou mandar ninguém. Elas são tão importantes que EU mesmo vou cuidar deste caso; EU vou cuidar deste caso PESSOALMENTE”. (Ezequiel 34:15-16) 15 "‘"EU MESMO apascentarei as minhas ovelhas e EU MESMO as farei deitar-se", é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová. 16 "PROCURAREI a perdida (aquela que perece) e TRAREI de volta a dispersa, e PENSAREI a quebrada e FORTALECEREI a doentia, mas ANIQUILAREI a gorda e a forte. A esta apascentarei com julgamento." (Ezequiel 34:22) 22 E EU VOU SALVAR as minhas ovelhas e elas não mais se tornarão algo a ser saqueado; e vou julgar entre ovídeo e ovídeo.


Notou a importância que cada ovelha tem para o Pai Celestial??


A ovelha magra era vítima; vítima de quem? A ovelha gorda e forte era aquela que fazia vítimas.

A quem falava Jesus tais palavras:CUIDAI de que não desprezeis a um destes pequenos”?? Não estava falando exclusivamente com os seus discípulos (alunos)?? Não estava Jesus falando com seus discípulos que estavam andando na direção oposta ao reino dos céus, disputando entre si quem era o maior (superior) no reino dos céus??

COMO OS QUE SE ACHAM MAIORES PASSAM A TRATAR AQUELES QUE ELES VÊM COMO MENORES??

ELES, os discípulos (aprendizes), tinham de cuidar em não desprezar um dos pequenos. Para Jesus, cada um dos discípulos era “um pequeno que tem fé em mim”. Os alunos eram "pequenos" que não podiam desprezar outros "pequenos"; eram "Aprendizes" que não podiam desprezar outros "aprendizes"; eram "Ovelhas" que não podiam desprezar outras "ovelhas". ELES, os discípulos estavam sendo treinados por um PASTOR para também serem pastores. Era o caso de uma “ovelha” pastoreando outras “ovelhas”. Eles, os discípulos, tinham de fazer aos outros SOMENTE aquilo que viram Jesus fazer com eles.


JESUS ESTAVA LHES MOSTRANDO O PERIGO EXISTENTE DE UM PEQUENO SE SENTIR SUPERIOR A QUALQUER DOS OUTROS PEQUENOS.


DESPREZO é um sentimento que se sente por aquele que aos seus olhos não é digno de estima e de atenção, sendo alguém que para você, não possui qualquer valor, alguém descartável, alguém INFERIOR.

DESPREZAR é atribuir um BAIXO valor ao pequenino e ter por ele uma BAIXA estima. É DESVALORIZAR o pequenino.


Naquela geração de Jesus, quem eram os que desprezavam os pequeninos?? Não eram os sacerdotes, os fariseus e os demais que se achavam (sentiam-se) superiores e justos?? Naquela geração de Jesus, quem eram os pequeninos desprezados (inferiores)?? Não eram os pecadores imundos, como prostitutas, cobradores de impostos, adúlteros, os discípulos de Jesus, os samaritanos, as pessoas das nações, e outros declarados como “inferiores”?? Para os sacerdotes e fariseus, estes pecadores imundos eram pessoas sem qualquer valor, eram pessoas desprezíveis. Os sacerdotes e fariseus sentiam desprezo por tais pessoas. Os judeus quando desejavam humilhar alguém, afirmando que tal pessoa não valia nada, chamavam tal pessoa de “samaritano”.

Se eu não me sentir “superior” a um dos pequeninos, certamente não vou desprezar a nenhum dos pequeninos. O oposto também é verdade.

DE ACORDO COM CERTO DICIONÁRIO vejamos a descrição de desprezar, desprezo e desprezível.

(des.pre.zar)

n verbo

transitivo direto e pronominal

1 tratar com desprezo (aos outros ou a si próprio); desconsiderar(-se), desrespeitar(-se)

Ex.: <não se deve d. amigo nem inimigo> <despreza-se por ser tão fraco>

transitivo direto

2 não dar importância a; desatender

Ex.: desprezou os conselhos da mãe e passou maus momentos

transitivo direto

3 não levar em conta

Ex.: disse para d. os decimais na soma

pronominal

4 ficar envergonhado


(des.pre.zo) [ê]

n substantivo masculino

ato ou efeito de desprezar

1 falta de estima, apreço ou consideração; desdém

Ex.: tratou-a com d.

2 sentimento pelo qual o espírito se transporta acima da cobiça, do medo etc.; desprendimento

Ex.: <d. da riqueza> <d. do perigo>

3 sentimento de repulsa


(des.pre.zí.vel)

n adjetivo de dois gêneros

1 m.q. desprezável

2 merecedor de desprezo; abjeto, vil, vergonhoso


Tratar sem amor, sem estima e sem consideração??


Seria ilógico da parte de Jesus chamar a atenção de seus alunos, para eles não desprezarem (tratar sem amor, sem estima e sem consideração) a um dos pequenos que têm fé (acreditam) nele, e segundos após mandar os mesmos alunos desprezarem (tratar sem amor, sem estima e sem consideração) um dos pequenos que têm fé (acreditam) nele. No mesmo diálogo, falando sobre o mesmo assunto, apenas apresentando argumentos diferentes, como poderia o sábio Jesus mostrar o perigo de se desprezar um dos pequenos que têm fé nele e logo depois mandar seu discípulo desprezar a um dos pequenos que têm fé nele (Jesus)??
Analisando todo o diálogo de Jesus, podemos ver que ele se preocupava em mostrar para seus discípulos, que o perigo de se desprezar (tratar sem amor, sem estima e sem consideração) um dos pequenos que têm fé nele (Jesus) está no fato de que o Criador, o Pai, considera todos os pequenos que têm fé em Jesus como muito importantes, estejam estes pequenos em qualquer condição espiritual; para o Pai, continuam a valer uma vida, continuam a ser um bem altamente valioso. O fato de "o pequeno que tem fé" ter errado, estar espiritualmente doente e não admitir seu erro, não ouvir o conselho dado, NÃO É MOTIVO para que ele seja desprezado por você, pois ele CONTINUA sendo MUITO valioso para o Pai Celestial. Jesus deixou bem claro que o Pai não despreza a este que está doente. Ao contrário, o Pai vai PESSOALMENTE atrás deste que está doente com o objetivo de curá-lo.


Pequeninos não deveriam DESVALORIZAR pequeninos. Exatamente por este motivo é que os discípulos não deveriam desprezar os pequeninos que têm fé em Jesus. Como desvalorizar a alguém que o Pai ama e que irá PESSOALMENTE a procura deste para o curar?? Certamente estarei desprezando (desvalorizando) alguém a quem o Pai ama. Certamente, não estarei levando em consideração o SENTIMENTO do Pai por este pequenino.


Se o valor, a importância deste pequeno é tão grande que é preferível uma morte do que lhe causar dano, como eu poderia desprezá-lo?? Como poderia eu reduzir o seu valor?? Como poderia tê-lo em BAIXA estima??

Como você se sente ao ver uma pessoa que está demonstrando um sentimento de forte repulsa (desprezando) por seu filho(a), seu esposo(a), seu pai (mãe), ou por qualquer um que você muito ame?? Bem, Jeová fica muito triste. Certamente, Jesus disse apenas: mesmo que ele faça todas estas coisas, que ele seja para ti COMO um homem das nações, COMO um cobrador de impostos, isto é, ALGUÉM MUITO IMPORTANTE.


Uma ovelha autêntica jamais toma qualquer atitude contra outra ovelha. Pode uma ovelha autêntica sentir desprezo por qualquer outra ovelha?? Sendo autêntica, sentiria forte repulsa por alguém?? Certamente, não.


Quanto ao PERIGO de olhar, ver e sentir os cobradores de impostos como pessoas desprezíveis, sem valor, assim falou Jesus no Sermão do Monte, a nova lei dada por Jeová: (Mateus 5:21-22) 21 “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar; mas quem cometer um assassínio terá de prestar contas ao tribunal de justiça.’ 22 No entanto, digo-vos que todo aquele que continuar furioso com seu irmão terá de prestar contas ao tribunal de justiça; mas, QUEM SE DIRIGIR A SEU IRMÃO COM UMA PALAVRA IMPRÓPRIA DE DESPREZO terá de prestar contas ao Supremo Tribunal; ao passo que quem disser: ‘Tolo DESPREZÍVEL!’, estará sujeito à Geena ardente .

É só para uma pessoa que eu vejo como "desprezível", que eu falo: "Tolo desprezível". SENTIR desprezo por alguém é considerado como algo muito, muito grave pelo Criador. Desprezo é um sentimento. Ele antecede às palavras e as ações.

Chamá-lo de tolo desprezível é vê-lo como alguém inferior a você. É SENTIR-SE SUPERIOR. Realmente, tudo começa por você sentir-se superior a qualquer um dos pequenos. Não era exatamente isto o que os apóstolos disputavam?? Não estavam disputando a “superioridade”??


No entanto, não se pode negar que Jesus disse: Trate-o como você trataria um homem das nações e como você trataria um cobrador de impostos.

Então, que tratamento deveria ser dado àquele que ouviu e não obedeceu?? Aquele tratamento ancestral, aquele que os fariseus JÁ costumavam dar aos cobradores de impostos ou aquele novo e inédito tratamento que Jesus COMEÇOU a dar aos cobradores de impostos e às pessoas das nações?? Era para tratar sem amor, sem sem estima e sem consideração??


Não era exatamente por este inédito tratamento dado aos pecadores, que Jesus estava sendo costumeiramente questionado pelos homens que se achavam melhores do que aqueles pecadores??


Qual das duas formas de tratar o publicano e o homem das nações agradava a Jeová, o Pai de Jesus??

Os sacerdotes, os fariseus e demais judeus tinham uma forma de tratar as pessoas das nações e os cobradores de impostos.

Do lado oposto, Jesus trazia uma outra forma de tratar pessoas das nações e cobradores de impostos.

Eram formas opostas. Somente uma delas agradava ao Pai de Jesus.


No mesmo Sermão do Monte, Jesus já havia dito àqueles que se candidatavam a serem seus discípulos (alunos): (Mateus 5:20) 20 Pois eu vos digo que, se a vossa justiça NÃO ABUNDAR MAIS DO QUE a dos escribas e fariseus, de modo algum entrareis no reino dos céus.


Que tratamento davam os fariseus aos cobradores de impostos??

Um tratamento que era fruto de um sentimento. Os fariseus os viam como homens desprezíveis, indignos de se sentar para comer com tais homens, homens inferiores, desprovidos de qualquer valor, indignos de amor, indignos de estima e indignos de consideração. Os fariseus tinham forte repulsa pelos cobradores de impostos e pelos crassos pecadores. Os fariseus sentiam-se limpos e viam os cobradores de impostos como pessoas imundas, impuras, desprezíveis, inferiores e descartáveis. Os fariseus viam tais pessoas como vasos próprios para a destruição.


Que tratamento dava Jesus aos cobradores de impostos e aos pecadores?? Também era um tratamento que era fruto de um sentimento. Será que Jesus via tais pessoas como inferiores? O que as INÉDITAS ações de Jesus revelavam?? (Mateus 9:9-13) 9 A seguir, passando dali para diante, Jesus avistou um homem chamado Mateus, sentado na coletoria, e disse-lhe: “Sê meu seguidor.” Em conseqüência disso, este se levantou e o seguiu. 10 Mais tarde, enquanto estava recostado à mesa, na casa, eis que vieram muitos cobradores de impostos e pecadores, e começaram a recostar-se com Jesus e seus discípulos. 11 Vendo isso, porém, os fariseus começaram a dizer aos discípulos dele:POR QUE É QUE O VOSSO INSTRUTOR COME COM OS COBRADORES DE IMPOSTOS E OS PECADORES?” 12 Ouvindo-os, ele disse: “As pessoas com saúde não precisam de médico, mas sim os ENFERMOS. 13 Ide, pois, e aprendei o que significa: MISERICÓRDIA quero, e não sacrifício.’ Pois eu não vim chamar os que são justos, mas pecadores. (Lucas 5:27-32) 27 Então, depois destas coisas, ele saiu e observou um cobrador de impostos, de nome Levi, sentado na coletoria, e disse-lhe: “Sê meu seguidor.” 28 E este, deixando tudo, levantou-se e seguiu-o. 29 Levi ofereceu-lhe também uma grande festa de recepção na sua casa; e havia ali uma grande multidão de cobradores de impostos e de outros, recostados com eles, na refeição. 30 Em vista disso, os fariseus e seus escribas começaram a murmurar aos discípulos dele, dizendo: “Por que é que comeis e bebeis com os cobradores de impostos e os pecadores?” 31 Em resposta, Jesus disse-lhes: “Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os que estão ADOENTADOS. 32 Eu não vim chamar os que são justos, mas sim PECADORES ao arrependimento.”


Podemos ver que Jesus não afirmou que veio chamar “pecadores já arrependidos”.


Os fariseus ACHAVAM que estavam agradando a Jeová por afastarem de si os pecadores, e certamente apresentavam palavras das “Escrituras” para legitimar seus sentimentos, palavras e ações contra tais pecadores. Pecadores são amaldiçoados, são inferiores, são desprezíveis - assim os fariseus viam os cobradores de impostos, os samaritanos e outros. Para os fariseus, Jesus é que era o errado, pois não estava colocando os pecadores no seu “devido lugar”. Crasso pecador ou pecador imundo não é para ser tratado assim, falavam os fariseus. No entanto, Jesus estava instituindo um novo costume que era 100% oposto ao costume praticado por todo o povo.


Para o fariseu, o Criador via o cobrador de impostos como alguém desprezível. Pensavam estar imitando a Jeová.


No entanto, tais cobradores de impostos e pecadores desencadeavam em Jesus os sentimentos de compaixão e de pena. Esta é a reação de alguém Misericordioso. Aprendam o que é ser Misericordiosos, falou Jesus. Já os fariseus sentiam nojo e repulsa por tais "pecadores"; não se misturavam com alguém que fazia parte do grupo dos “inferiores”, do grupo dos “sem valor”, dos vasos próprios para a destruição. Tais pessoas eram vistas como indignas de estima e atenção. Sentar-se e comer com tais pessoas - nem pensar, pois poderiam estragar seus hábitos úteis. Eles indicavam como exemplo, os profetas anteriores e os sentimentos de tais profetas em relação aos pecadores. Os cobradores de impostos e os pecadores eram repugnantes aos seus olhos. Eram pessoas a ser mantidas separadas do grupo dos justos (superiores); isto serviria como proteção para os que se consideravam justos. Manter os pecadores afastados serviria de proteção para a congregação de Jeová. A congregação de Jeová tinha de ser mantida limpa desses crassos pecadores, destes pecadores imundos. No entanto, na visão de Jesus, os cobradores de impostos e os pecadores eram ENFERMOS que precisavam de médico, eram pessoas ADOENTADAS que precisavam de cuidados especiais. Só pecadores precisam de arrependimento; “justos” não se arrependem de terem cometido pecado. Estes, os fariseus, achavam não precisar do batismo de João Batista. Se arrepender do que?? Esta multidão de amaldiçoados e pecadores imundos é que precisa do batismo de João. Estes sim têm muito do que se arrepender.


Tudo era uma questão de como o olho via o pecador. O fariseu via no pecador, um ser humano desprezível a ser evitado, via um ser humano amaldiçoado, via um ser imundo e muito perigoso, enquanto que Jesus via no mesmo pecador, um ser humano muito doente a ser ajudado, a ser curado, um ser humano muito valioso. Via uma ovelha doente e perdida. Era o mesmo olhar do Pai. Era o olhar de um AJUDADOR.


Ao deparar-se com um mongoloide (síndrome de Down), o que teu olho vê?? O que sentes por ele???


Jesus sentava-se e comia com cobradores de impostos e outros que os fariseus consideravam desprezíveis (inferiores). Jesus escolheu até mesmo um cobrador de impostos para ser seu discípulo. Jesus NÃO disse: Olha Levi, quando você deixar de ser cobrador de impostos, me procure.
Jesus, respondendo ao questionamento dos fariseus, assim falou: Eu vim chamar aqueles que são pecadores, os que são doentes, pois estes são enfermos e necessitam de médico. Estes têm prioridade em receber Misericórdia.
Os desprezados por vocês têm prioridade em receber a Misericórdia do Pai.

Para Jesus, o cobrador de impostos era alguém muito doente e que necessitava de muita ajuda, não alguém desprezível por estar doente. Na visão de Jesus, quanto mais pecado pratica uma ovelha, mais DOENTE ela se encontra e de mais cuidados ela necessita, de mais AJUDA ela necessita. Na visão de Jesus o cobrador de impostos não era desprezível, muito pelo contrário, era alguém que NECESSITAVA de urgente atenção, era alguém muito valioso e por quem Jesus mantinha uma ALTA estima.


Quando via a multidão de pecadores, que sentimento tinha Jesus por eles?? (Mateus 9:36) 36 Vendo as multidões, SENTIA COMPAIXÃO delas, porque andavam esfoladas e empurradas dum lado para outro como ovelhas sem pastor.

(Marcos 6:34) 34 Ora, ao desembarcar, ele viu uma grande multidão, mas TEVE PENA deles, porque eram como ovelhas sem pastor. E principiou a ensinar-lhes muitas coisas.

Certamente era o olhar de alguém Misericordioso. Jesus não via os cobradores de impostos e demais pecadores como desprezíveis, ou como amaldiçoados, no entanto, os fariseus os viam assim. Jesus as via como ovelhas deixadas para trás, ovelhas perdidas, dispersas, quebradas e doentias, necessitadas.



JEOVÁ NÃO SENTE DESPREZO PELOS CRASSOS PECADORES.

Sentir desprezo é igual a não sentir amor, não sentir estima e não sentir consideração.


Jesus estava imitando o Pai. Assim falou o Pai sobre como Ele lidava com um povo obstinado, que O OFENDIA continua e diretamente na face: (Isaías 65:2-5) 2 “O DIA INTEIRO ESTENDI AS MINHAS MÃOS para um povo obstinado, os que andam no caminho que não é bom, atrás dos seus pensamentos; 3 o povo [que se compõe] dos que DE CONTÍNUO ME OFENDEM diretamente à minha face, sacrificando nos jardins e fazendo fumaça sacrificial sobre os tijolos, 4 sentando-se entre as sepulturas, que também passam a noite nas guaritas das sentinelas, comendo carne de porco, havendo nos seus vasos até mesmo caldo de coisas imundas; 5 os que dizem: ‘Fica onde estás. Não te aproximes de mim, pois eu certamente te transmitirei santidade.’ Estes são fumaça nas minhas narinas, um fogo ardendo o dia inteiro.

No lugar de sentir desprezo por aquele que o ofendia o dia inteiro diretamente na face, Jeová, O Pai, lhes ESTENDIA as suas mãos O DIA INTEIRO. Não se tratava de uma parte do povo, pois Jeová falou que estendia sua mão para UM “POVO OBSTINADO”, oferecia continuamente suas mãos para um “povo ofensor”. De forma oposta, os muitos indivíduos deste mesmíssimo povo, todo o povo, achando-se superiores, desprezavam seus semelhantes, mandando-os ficarem longe, exatamente por causa de pecados. Como o Pai via a estes que desprezavam outros iguais, que desvalorizavam seus próprios irmãos?? Eram como fumaça nas narinas, incomodavam muito, O DIA INTEIRO.


ESTENDER AS MÃOS revela um sentimento enquanto que RECOLHER AS MÃOS revela outro sentimento.


QUAL O TAMANHO DO AMOR DE JEOVÁ POR ESTE POVO OBSTINADO?? Mesmo no momento de punição deste povo obstinado, assim falou Jeová: (Jeremias 31:2-4) 2 Assim disse Jeová: “O povo composto dos sobreviventes da espada achou favor no ermo, quando Israel andava para obter seu repouso.” 3 De longe apareceu-me o próprio Jeová, [dizendo:] “E EU TE AMEI COM UM AMOR POR TEMPO INDEFINIDO. Por isso é que te atraí com benevolência. 4 Ainda te reedificarei e serás realmente reedificada, ó virgem de Israel. Ainda te ataviarás com os teus pandeiros e realmente sairás na dança dos que estão rindo.


Assim verte a Tradução Almeida: (Jeremias 31:2-4) 2 Assim diz o Senhor: O povo que escapou da espada achou graça no deserto. Eu irei e darei descanso a Israel. 3 De longe o Senhor me apareceu, dizendo: Pois que com amor eterno te amei, também com benignidade te atraí. 4 De novo te edificarei, e serás edificada ó virgem de Israel! ainda serás adornada com os teus adufes, e sairás nas danças dos que se alegram.


Ora, um amor por tempo indefinido?? Consegue medir O TAMANHO deste amor de Jeová pelos sobreviventes da espada, aqueles que estavam sofrendo punição fora da terra prometida?? Calma, calma. Não se tratava de um amor que dependia das palavras e das ações da pessoa amada?? E se a pessoa não merecesse receber tal amor, o que aconteceria?? Será que acabaria este amor?? Não eram os fariseus, os descendentes destes rebeldes que foram atraídos com benevolência?? Agiu Jeová com repugnância para com tais rebeldes pecadores??


Ordenaria Jesus que seus discípulos tivessem a mesma visão dos fariseus em relação aos cobradores de impostos??

Para que alguém chame uma pessoa de desprezível é porque ele se sente “superior” a esta pessoa e seu coração a vê como alguém desprezível, sem valor, indigna de estima e de atenção. É daquilo que o coração está cheio, que a boca fala. Não querer se misturar com ele é SENTIR-SE SUPERIOR, muito melhor do que ele. Não querer tocá-lo e não querer ser tocado por ele, é sentir repulsa por ele.

Jesus não ensinaria seu discípulo a se ver e se sentir superior a outro humano qualquer. Sentir-se superior é estar na contramão do reino dos céus, foi o que falou Jesus. SENTIR-SE SUPERIOR era uma prática comum entre os fariseus. Assim falou Jesus em relação a esta prática: (Lucas 16:15) 15 Conseqüentemente, ele lhes disse: "Vós sois os que vos declarais justos perante os homens, mas Deus conhece os vossos corações; PORQUE AQUILO QUE É ALTIVO ENTRE OS HOMENS É UMA COISA REPUGNANTE À VISTA DE DEUS.


Tratava-se de uma auto aprovação?? Sim, tratava-se de uma auto declaração de justiça.


Altivo é aquele que se considera “superior”, que se considera “melhorque outros humanos. Altivo é aquele que se enaltece, que se vê e se considera “acimados demais. Altivo é aquele que se declara justo e declara os outros como iníquos. Esta INÉDITA INFORMAÇÃO de Jesus deixa bem claro o perigo que seus apóstolos estavam correndo, ao buscarem insistentemente posições elevadas no reino dos céus. Aquele que se considera justo é um ALTIVO. O altivo diz no seu íntimo: Obrigado meu Deus, por eu não ser como o resto dos homens. No entanto, porque o Criador considera o ALTIVO com uma coisa repugnante?? O Criador está simplesmente retribuindo ao altivo o mesmo sentimento que este altivo tem pelos demais pecadores. É o que pedimos ao Pai na oração do Pai Nosso, ao dizermos: Pai, me perdoe ASSIM COMO eu tenho perdoado àquele que é meu devedor. Faça para comigo ASSIM COMO eu tenho feito para com meu próximo. Jesus afirmou: “o mesmo julgamento que deres a teu irmão será o que tu receberás”. No entanto, se meu próximo não cometeu nenhum pecado contra mim, que direito poderia ter eu de condená-lo??


Se ESTE IRMÃO PECADOR fosse meu inimigo, que sentimento eu tinha de ter por ele?? Assim responde Jesus no Sermão do Monte, a nova lei dada por Jeová: (Mateus 5:43-48) 43 “Ouvistes que se disse: ‘Tens de amar o teu próximo e odiar o teu inimigo.’ 44 No entanto, eu vos digo: CONTINUAI A AMAR OS VOSSOS INIMIGOS e a orar pelos que vos perseguem; 45 para que mostreis ser filhos de vosso Pai, que está nos céus, visto que ele faz o seu sol levantar-se sobre iníquos e sobre bons, e faz chover sobre justos e sobre injustos. 46 Pois, SE AMARDES AOS QUE VOS AMAM, QUE RECOMPENSA TENDES? Não fazem também a mesma coisa os cobradores de impostos? 47 E, se cumprimentardes somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem também a mesma coisa as pessoas das nações? 48 Concordemente, tendes de ser perfeitos, ASSIM COMO O VOSSO PAI celestial é perfeito. . .


Se ele fosse meu inimigo e quisesse meu mal, eu teria de amá-lo continuamente e me preocupar com o bem-estar dele, assim como já faz o Pai celestial. O amor de Jeová por aquele que o odeia, seu inimigo, não é um amor hipócrita. O próprio Jeová afirmou que era um amor por tempo indefinido. Se eu sentir desprezo por alguém, não estou sentindo amor por ele, pois amor e desprezo são sentimentos antagônicos. No entanto, se eu vê-lo como alguém muito doente, certamente vou sentir compaixão dele, vou continuar amando-o, e vou orar por sua recuperação, no caso de eu não poder ajudá-lo neste momento. Vê-lo assim, certamente é vê-lo através de um olho Misericordioso. Jesus trouxe a atenção o fato de que o discípulo tem de copiar os sentimentos e as atitudes do Pai celestial. MOSTRAR SER filho do Pai Celestial - Quem copiar os sentimentos do Pai celestial se mostrará ser um filho do Pai celestial.


O “cumprimentar” envolve estender as mãos, envolve tocar e ser tocado.


No mesmo diálogo em que Jesus "ordena" que eu trate o meu irmão que se nega a reconhecer seu erro, como eu trataria um cobrador de impostos e como eu trataria um homem das nações, Pedro pergunta ao Único Instrutor: Quantas vezes devo perdoar a um irmão que pecar contra mim??

Pedro perguntou: Até sete vezes??. Jesus respondeu-lhe: até setenta vezes sete. Depois, Jesus lhe contou uma ilustração, FAZENDO-O VER que nossa dívida com Jeová por causa dos nossos pecados é impagável, e que Ele nos perdoa liberalmente. Você não paga a dívida; Jeová simplesmente cancela uma dívida que eu não tenho como pagar. É isto o que Jeová faz comigo a cada dia. Logo, todos os humanos têm a obrigação de perdoar TODOS os pecados de seus irmãos, todo o tempo e de forma incondicional. Ficou estabelecido que "Não há um limite para perdoar". Não importa o tamanho da dívida; simplesmente cancele-a. Neste aspecto, é para copiar o Pai celestial.


Assim nos relata uma testemunha deste diálogo: (Mateus 18:21-35) 21 Pedro aproximou-se então e disse-lhe: “Senhor, quantas vezes há de pecar contra mim o meu irmão e eu lhe hei de perdoar? Até sete vezes?” 22 Jesus disse-lhe: “Eu não te digo: Até sete vezes, mas: Até setenta e sete vezes. 23 “É por isso que o reino dos céus se tem tornado semelhante a um homem, um rei, que queria ajustar contas com os seus escravos. 24 Quando começou a ajustá-las, trouxeram-lhe um homem que lhe devia dez mil talentos [= 60.000.000 de denários]. 25 Mas, porque não tinha os meios de pagar [isso] de volta, seu amo mandou que ele, e a esposa dele, e os filhos dele, e todas as coisas que tivesse, fossem vendidos e fosse feito o pagamento. 26 Por isso, o escravo prostrou-se e começou a prestar-lhe homenagem, dizendo: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei tudo de volta.’ 27 PENALIZADO, por causa disso, O AMO DAQUELE ESCRAVO DEIXOU-O IR E CANCELOU A SUA DÍVIDA. 28 Mas aquele escravo saiu e achou um dos seus co-escravos, que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, começou a estrangulá-lo, dizendo: ‘Paga de volta o que deves.’ 29 Por isso, seu co-escravo prostrou-se e começou a suplicar-lhe, dizendo: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei de volta.’ 30 No entanto, ele não estava disposto, mas foi e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse de volta o que devia. 31 Portanto, quando seus co-escravos viram o que tinha acontecido, ficaram muito contristados, e foram e esclareceram ao seu amo tudo o que tinha acontecido. 32 O amo dele convocou-o então e disse-lhe: ‘ESCRAVO INÍQUO, EU TE CANCELEI TODA AQUELA DÍVIDA, quando me suplicaste. 33 NÃO DEVIAS TU, POR TUA VEZ, TER TIDO MISERICÓRDIA DO TEU CO-ESCRAVO, ASSIM COMO EU TAMBÉM TIVE MISERICÓRDIA DE TI?34 Com isso, seu amo, furioso, entregou-o aos carcereiros, até que pagasse de volta tudo o que devia. 35 DO MESMO MODO LIDARÁ TAMBÉM CONVOSCO O MEU PAI CELESTIAL, SE NÃO PERDOARDES DE CORAÇÃO CADA UM AO SEU IRMÃO.”


Penalizado??

Sim, penalizado.


Pena – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: compaixão, piedade, comiseração


1pena

s.f. (935) 1 sanção aplicada como punição ou como reparação por uma ação julgada repreensível; castigo, condenação, penitência 2 sofrimento; aflição 3 compaixão, piedade, comiseração 4 tristeza, amargura, pesar ² p. de talião jur ver taliãoa duras p. com muita dificuldade; com muito esforço • valer a p. merecer o esforço, a preocupação; ser vantajoso, útil; compensar ¤ etim gr. poinê,ês 'id.' ¤ sin/var ver sinonímia de comiseração, desgosto e martírio ¤ ant ver antonímia de desgosto ¤ hom pena(fl.penar)


Percebemos que o perdão está diretamente relacionado com o sentimento de compaixão, de piedade.


Compaixão – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: participação espiritual da infelicidade alheia que suscita um impulso altruísta de ternura para com o sofredor.


compaixão

s.f. (sXIV) sentimento piedoso de simpatia para com a tragédia pessoal de outrem, acompanhado do desejo de minorá-la; participação espiritual na infelicidade alheia que suscita um impulso altruísta de ternura para com o sofredor ¤ etim lat. compassìo,ónis 'sofrimento comum, comunidade de sentimentos' ¤ sin/var ver sinonímia de beneficência e comiseração ¤ ant ver sinonímia de malevolência


Piedade – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: compaixão pelo sofrimento alheio; comiseração, dó, misericórdia.


piedade

s.f. (sXIII) 1 devoção, amor pelas coisas religiosas; religiosidade 1.1 rel virtude que permite render a Deus o culto que lhe é devido 2 compaixão pelo sofrimento alheio; comiseração, dó, misericórdia ² p. filial amor aos pais ¤ etim lat. piètas,átis 'cumprimento do dever, virtude, justiça, fidelidade' ¤ sin/var ver sinonímia de beneficência e comiseração ¤ ant impiedade; ver tb. sinonímia de malevolência


O que percebemos??


Percebemos que no lugar da vítima estar pensando no prejuízo que foi causado pelo devedor, a pessoa deve ter compaixão do devedor, isto é, aquele que lhe causa um prejuízo.

No lugar de pensar em si mesmo, ou seja, no seu real prejuízo, a vítima está pensando no bem-estar espiritual do ofensor


O pensamento humano no qual o credor é a vítima, de quem as pessoas devem ter pena por causa de sua real perda financeira, mostra estar em plena oposição ao pensamento de Deus, que nos informa que o credor deve ver o devedor como uma vítima de certo infortúnio espiritual, passando a sentir por esta pessoa o sentimento de compaixão.


O que mais percebemos??

Percebemos tratar-se de se ter um coração cheio de misericórdia, pois só podemos dar daquilo que enche o nosso coração.


Quantas vezes devo sentir misericórdia por um devedor, ou seja, aquele que de uma forma ou de outra me ofende??


Assim verte a Tradução Brasileira: (Mateus 18:21-22) 21 Então Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, quantas vezes pecará meu irmão contra mim, que lhe hei de perdoar? será até sete vezes? 22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.



Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 18:21-22) 21 Então Pedro, aproximando-se dele, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu hei de perdoar? Até sete? 22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete.


Percebo que dependerá da quantidade de misericórdia que existir no meu coração.

Percebo que eu preciso ser uma fonte de misericórdia.


CANCELAR a dívida é um ato de misericórdia, isto ficou bem claro.


Será que Jesus estava criando um ritual de julgamento destes “pequenos que têm fé em mim”, que viessem a cometer pecados?? Neste caso, estava Jesus autorizando os discípulos a desobedecerem a um dos artigos da lei que ele mesmo retransmitiu la no monte?? Estavam os discípulos sendo autorizados a “julgar” e a “condenar” pecadores, afastando-se deles?? Parai de julgar pecadores, parai de condenar pecadores; isto é o determina a lei: (Mateus 7:1-2) 7 “Parai de julgar, para que não sejais julgados; 2 pois, com o julgamento com que julgais, vós sereis julgados; e com a medida com que medis, medirão a vós.


A lei é clara: “Se você desprezar um pecador, você será desprezado; qualquer sentença condenatória que deres ao pecador, estás dando a ti mesmo a mesmíssima sentença”.


Ratificando o que havia ordenado no Sermão do Monte, ou seja, se não perdoardes "aos homens" os seus pecados, tampouco vosso Pai celestial vos perdoará as vossas falhas, Jesus passou a mostrar o "porque" da ilustração, a moral da história: Pedro, se não perdoares de coração o erro do teu irmão, um escravo, um igual, o Pai celestial não perdoará os teus pecados. Parece que a pergunta de Pedro, recebeu uma resposta que não podia ser mais questionada. Bem, e agora Pedro, o que fazer?? Pedro, perdoe sempre e sempre. Não interessa o tipo de pecado e a quantidade de vezes que teu irmão pecar contra você, simplesmente perdoe, perdoe e perdoe, sempre. Jesus deixou bem claro que perdoar é uma questão de misericórdia. Só uma ovelha autêntica pode fazer isso.


Não podemos minimizar a nossa ofensa ao Criador e ao mesmo tempo engrandecer a ofensa de outros, pois isto revelaria que nos sentimos superiores a estes outros. O Criador é a pessoa ofendida, logo, o sentimento é Dele. Precisamos perceber o real “SENTIMENTO” do Criador para com o crasso pecador. Depois de perceber, passar a imitar este sentimento.


CUIDADO, NÃO DESPREZEIS A NENHUM DESTES PEQUENOS, POIS ESTES SÃO DE GRANDE IMPORTÂNCIA PARA O MEU PAI. NÃO SE ESQUEÇAM DO “SENTIMENTO” QUE O PAI TEM POR ESTE PEQUENINO. E SE VOCÊS PEQUENOS, COMETEREM PECADOS UNS CONTRA OS OUTROS, PERDOEM-SE MUTUAMENTE, SEMPRE. QUEM DESPREZAR A UM DOS PEQUENOS QUER EM PALAVRAS, QUER EM AÇÕES, ESTARÁ OFENDENDO AO PAI E ESTARÁ SUJEITO À GEENA ARDENTE.


Se você se esforçou para ele admitir o erro e arrepender-se e isto não aconteceu é porque ele está muito doente, assim como um cobrador de impostos ou como um homem das nações. Que sentimento se deve ter para como um homem que está muito doente e que não admite que está muito doente?? Se fosse você o homem muito doente, como gostaria de ser tratado?? Neste caso é para tratá-lo com mais misericórdia do que a habitual. Ele precisa de uma dose maior de misericórdia da sua parte.

Você é tão importante para o Pai quanto o é qualquer um dos pequenos; cada um vale uma importante vida.


Que comportamento NÃO devia existir entre ovelhas?? O próprio Jeová responde: (Ezequiel 34:17-22) 17 "‘E quanto a vós, minhas ovelhas, assim disse o Soberano Senhor Jeová: "Eis que julgo entre ovídeo e ovídeo, entre os carneiros e os cabritos. 18 É algo de somenos importância para vós apascentardes a vós mesmos no melhor dos pastos, MAS PISARDES O RESTO dos vossos pastos com os vossos pés, e beberdes água pura, MAS SUJARDES a que sobra, batendo com os vossos próprios pés? 19 E QUANTO ÀS MINHAS OVELHAS, DEVEM ELAS PASTAR NO PASTO PISADO PELOS VOSSOS PÉS E DEVEM ELAS BEBER A ÁGUA TORNADA SUJA PELO BATER DE VOSSOS PÉS?" 20 "‘Portanto, assim lhes disse o Soberano Senhor Jeová: "Eis aqui estou, eu mesmo, e hei de julgar entre o ovídeo gordo e o ovídeo magro, 21 visto que CONTINUASTES A EMPURRAR COM O LADO E COM O OMBRO, E VISTO QUE CONTINUASTES A MARRAR COM OS VOSSOS CHIFRES A TODAS AS ADOENTADAS ATÉ QUE AS TÍNHEIS ESPALHADO PARA FORA. 22 E eu vou salvar as minhas ovelhas e elas não mais se tornarão algo a ser saqueado; e vou julgar entre ovídeo e ovídeo.. . .

Um comportamento egoísta e nada misericordioso que havia entre as ovelhas. Ovelha que expulsava outra ovelha, uma igual, para fora do pasto? Uma ovelha que não tratava outra ovelha com misericórdia? Isto acontece quando uma ovelha DESVALORIZA outra ovelha, quando retira da ovelha o real valor que ela tem, atribuindo-lhe um Baixo valor.

Espalhar a adoentada para fora? Espalhar a adoentada para fora? Esta atitude estava sendo tomada pelos fariseus e seus ensinados.


Quem é este que chama de "ovelhas", pessoas que apresentam estas características que não fazem parte da personalidade de uma ovelha?? Não é o próprio Jeová?? Assim falou o próprio Jeová, logo após descrever as características que Ele não gostava de ver nestas "ovelhas": (Ezequiel 34:31) 31 “‘E no que se refere a vós, minhas ovelhas, ovelhas do meu pasto, VÓS SOIS HOMENS TERRENOS. Eu sou vosso Deus’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.”


Mesmo após terem causado dano a outras ovelhas é o próprio Jeová quem continua chamando-as de "minhas ovelhas". Jeová disse: "‘E quanto a vós, MINHAS OVELHAS, assim disse o Soberano Senhor Jeová:

Não é este um amor por tempo indefinido?? Sim, é isto o que revela ser.

Jeová condenava esta atitude, pois Ele ama cada uma das ovelhas. Certamente, os fariseus não viam tais crassos pecadores como ovelhas de Jeová. As ovelhas gordas não viam as ovelhas magras e adoentadas como ovelhas de Jeová. As ovelhas gordas se sentiam superiores. Quanto maior for o valor que você dá a si mesmo, maior perigo correm os demais à sua volta.


Entretanto, aquele que não conhecesse a Jesus, certamente diria que Jesus estava ordenando a seus discípulos seguir àquele modo de vida já praticado pelos fariseus.

Alguém ainda poderia dizer: Acontece que este homem cometeu um pecado contra mim e foi repreendido três vezes ou em três oportunidades e não admitiu seu erro?? Ainda tenho de perdoar-lhe??


Recorrendo ainda às palavras saídas da mente e boca de Jesus no mesmo Sermão do Monte, temos: (Mateus 5:38-42) 38 "Ouvistes que se disse: ‘Olho por olho e dente por dente.’ 39 No entanto, eu vos digo: Não resistais àquele que é iníquo; mas, A QUEM TE ESBOFETEAR A FACE DIREITA, OFERECE-LHE TAMBÉM A OUTRA. 40 E, se alguém quiser levar-te perante o tribunal para obter posse de tua roupa interior, deixa-o ter também a tua roupa exterior; 41 e, se alguém sob autoridade te obrigar a prestar serviço por mil passos, vai com ele dois mil. 42 Dá ao que te pede e não te desvies daquele que deseja tomar emprestado de ti [sem juros].


No procedimento normal até aquele momento, antes de Jesus pronunciar estas inéditas palavras para eles, o homem de Deus, o adorador de Jeová, tinha garantido por lei, uma vingança controlada, uma vingança de igual intensidade à ofensa cometida. Ficar com um prejuízo, nem pensar. O PERDÃO era algo fora de cogitação, podendo ser uma exceção à regra. O adorador de Jeová buscava sua vingança junto aos juízes. SENDO UMA VÍTIMA, Ele fazia questão dela e sentia-se feliz depois de tê-la, enquanto que Jeová quando vítima, oferecia PERMANENTEMENTE a outra face.


No entanto, Jesus colocou por terra esta vingança de igual intensidade por dizer: A quem te esbofetear a face direita, oferece-lhe também a outra. Não podemos esquecer que Jesus era apenas um excelente REPETIDOR das palavras faladas por seu Pai, Jeová. E não era exatamente isto o que o Pai fazia com o povo que Ele escolheu?? Não é esta uma ação que revela um “amor por tempo indefinido”?? Certamente.


Para o discípulo de Jesus (o aprendiz de ovelha) não havia mais o direito de uma vingança de igual intensidade (olho por olho), logo o que restava era perdão, perdão e perdão. Perdão incondicional. Talvez alguém perguntasse: quantas vezes tenho de oferecer a outra face?? Certamente a resposta seria a mesma: ofereça a outra face, sempre, sempre e sempre; deixar de perdoar é um pecado.


Sabendo da importância que aquela ovelha tem para o Pai, como poderia fazer-lhe um mal ou causar-lhe um dano?? Jesus disse: prefira a morte a causar dano a um dos pequenos. Isto é 100% oposto. São afirmações 100% opostas. “Veja e trate-a como alguém sem valor” ou “continue a vê-la e tratá-la como um tesouro muito precioso”???


Para aquele que ouviu ao próprio Jesus e não obedeceu, que tratamento recebeu este de Jesus??

Estas foram as palavras que saíram da mente e boca de Jesus: (João 12:47-50) 47 Mas, SE ALGUÉM OUVIR AS MINHAS DECLARAÇÕES E NÃO AS GUARDAR, EU NÃO O JULGO ; POIS NÃO VIM JULGAR O MUNDO, MAS SALVAR O MUNDO. 48 Quem me desconsiderar e não receber as minhas declarações, tem quem o julgue. A palavra que eu tenho falado é que o julgará no último dia; 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar. 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, assim como o Pai mas disse, assim [as] falo."


Na verdade, Jesus estava simplesmente obedecendo à nova lei dada por Jeová e retransmitida por ele mesmo no Sermão do Monte. Jesus simplesmente usou sua autoridade de grande perdoador.


Dando o devido exemplo, Jesus afirmou que ele não julgava àquele que o ouvisse e não obedecesse. Disse ainda mais Jesus, que ele não veio para julgar. Afirmou também que fazia "apenas" aquilo que seu Pai lhe determinara falar e fazer. Resumindo, Jesus disse: “Meu Pai me mandou "apenas" salvar, não me mandou condenar, embora tenha me dado autoridade para julgar. Eu só faço aquilo que o Pai me manda fazer e só falo aquilo que Ele me manda falar. Também só faço aquilo que o Pai FAZ”. Jesus foi o profeta autêntico, o verdadeiro profeta, o verdadeiro porta-voz. “Do mesmo modo, aquele pequeno que tem fé em Jesus, que comete um pecado contra mim, ouve e não obedece ao que eu falo, a este eu também não julgo, não condeno, não me afasto dele e não o desprezo”. Copiando o modelo do Pai, Jesus passou assim a estabelecer um modelo humano para ser copiado por todos os humanos (ovelhas). O “Cordeiro” estabeleceu o modelo para as ovelhas copiarem.


Exatamente pelo mesmo motivo, assim afirmou Jesus, estabelecendo uma regra, um mandamento, uma lei para os candidatos a alunos (discípulos): (Mateus 7:1-2) 7 "PARAI DE JULGAR, para que não sejais julgados; 2 pois, com o julgamento com que julgais, vós sereis julgados; e com a medida com que medis, medirão a vós.


Todas as ofensas e todos os pecados contra mim serão perdoados; todas as ofensas contra o Pai serão perdoadas – Assim falou Jesus: (Marcos 3:28) 28 Deveras, eu vos digo que todas as coisas SERÃO PERDOADAS aos filhos dos homens, não importa que pecados e blasfêmias cometam blasfemamente.

(Mateus 12:31-32) 31 “Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia SERÁ PERDOADA aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. 32 Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, SER-LHE-Á PERDOADO; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir.

(Lucas 12:10) 10 E a todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem, SER-LHE-Á ISSO PERDOADO; mas a quem blasfemar contra o espírito santo, não lhe será isso perdoado.


Assim verte a Tradução Almeida: (Marcos 3:28) 28 Em verdade vos digo: Todos os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, bem como todas as blasfêmias que proferirem;


Assim verte a Tradução Brasileira: (Marcos 3:28) 28 Em verdade vos digo: Que aos homens serão perdoados todos os pecados, e as blasfêmias que proferirem;



Se não houver perdão não poderá haver arrependimento.


Este é um caso de acreditar ou não nestas afirmações de Jesus, de ter fé. Estas inéditas informações de Jesus deixam bem claro sobre qual deve ser a minha reação quando alguém pecar contra o Pai e contra Jesus. Ora, Jeová e Jesus vão perdoar todos os pecados contra eles. Neste aspecto, eles estão fornecendo o exemplo para mim, logo, devo fazer assim como eles fazem, obedecendo ao que eles pedem.


Na lei anterior, a lei dada por Moisés, a congregação recebeu a autoridade para julgar, condenar e matar pessoas que cometessem crimes contra aquela lei, entretanto, na nova lei dada por Jeová através de Jesus, a congregação e os membros individuais da congregação NÃO RECEBERAM NENHUMA AUTORIDADE para julgar, condenar ou matar aquele que cometesse crimes contra esta nova lei ou quaisquer outros crimes. De forma oposta, ESTAVAM PROIBIDOS por lei de julgarem outros humanos. A ação de julgar é um pecado.


A autoridade que cada membro individual e a congregação receberam, foi a de perdoar. Se abstenham de condenar, foi a ordem. Foi retirada a "autoridade de julgar" e substituída pela "autoridade de perdoar".


Qual foi o poder mais fantástico usado por Jesus? Foi o poder de perdoar.


Jesus foi assim descrito na revelação dada por Jeová: (Revelação 19:11-13) 11 E eu vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. E o sentado nele chama-se Fiel e Verdadeiro, e ele julga e guerreia em justiça. 12 Seus olhos são chama ardente e na sua cabeça há muitos diademas. Ele tem um nome escrito que ninguém conhece, exceto ele mesmo, 13 e está vestido duma roupa exterior manchada de sangue, e o nome pelo qual é chamado é A Palavra de Deus.
Ser chamado de "A palavra de Deus" significa que Jesus repetiu sem um único erro, tudo aquilo que foi falado por Jeová para ele retransmitir aos humanos. Assim havia falado Jeová a respeito de Jesus: (Deuteronômio 18:17-19) 17 A isso Jeová me disse: ‘Fizeram bem em falar assim. 18 Suscitar-lhes-ei do meio dos seus irmãos um profeta semelhante a ti; e deveras porei as minhas palavras na sua boca e ele certamente lhes falará TUDO o que eu lhe mandar. 19 E tem de dar-se que o homem que não escutar as minhas palavras que ele falar em meu nome, deste eu mesmo exigirei uma prestação de contas.


Reconheço que a "nova lei" transmitida por Jesus no Sermão do Monte foi dada por Jeová? Aceito esta "nova lei" como válida para todos os alunos (discípulos, ovelhas) de Jesus??


A proibição dada por Jeová através de Jesus no Sermão do Monte é clara: Parai de julgar. Até então, era exatamente isto o que faziam. Tinham de PARAR de fazer o que eles faziam até aquele momento. Para uma pessoa fumante se diz: Pare de fumar. E isto significa não voltar a fumar. A partir daquele momento, ele está proibido de fumar.

Esta é uma proibição clara. O discípulo de Jesus está proibido de julgar; está proibido de condenar.

TODOS os apóstolos e TODOS os discípulos de Jesus têm de obedecer a esta ordem. Não foi um pedido de Jesus; foi uma ordem, uma sábia ordem àqueles que sempre erram, sempre erram. "Parai de julgar" é um mandamento. "Alunos de Jesus" não estão autorizados a julgar, nem a punir seus iguais. Ao contrário, estão proibidos de fazê-lo. A "nova lei" dada por Jeová através de Jesus é que proíbe os alunos (discípulos, ovelhas) de julgar.


Além de proibir, Jesus mostrou o porquê da proibição. Em se tratando de pecadores julgando outros pecadores continuou Jesus a falar: (Mateus 7:3-5) 3 Então, por que olhas para o argueiro no olho do teu irmão, mas não tomas em consideração a trave no teu próprio olho? 4 Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Permite-me tirar o argueiro do teu olho’, quando, eis que há uma trave no teu próprio olho? 5 HIPÓCRITA! Tira primeiro a trave do teu próprio olho, e depois verás claramente como tirar o argueiro do olho do teu irmão.

No lugar de você se preocupar com o pecado de outro humano, preocupe-se com o seu pecado. Com estas palavras, Jesus deixa claro que pecador não tem o direito, a capacidade, não tem a visão apropriada para julgar outro pecador. Se ele o fizer se tornará um hipócrita. Todos os humanos são pecadores. Logo, a penalidade que dermos para qualquer pecador será a mesma que estamos dando para nós mesmos.

Todos os pecados têm o mesmo peso e para todos eles a penalidade é a mesmíssima morte, seja lá quem for o pecador.


HIPOCRISIA É ASSIM DEFINIDO EM CERTO DICIONÁRIO.


(hi. pó.cri.ta)

n adjetivo e substantivo de dois gêneros

1 que ou aquele que demonstra uma coisa, quando sente ou pensa outra, que dissimula sua verdadeira personalidade e afeta, quase sempre por motivos interesseiros ou por medo de assumir sua verdadeira natureza, qualidades ou sentimentos que não possui; fingido, falso, simulado

Ex.: <não creia em ninguém dessa família, são muito h.> <o h. finge que te preza, mas por trás está armando o bote>

n adjetivo de dois gêneros

2 que contém hipocrisia

Ex.: <elogio h.> <demonstrações h. de afeto>



Se você perdoar os homens serás perdoado com o mesmo perdão, assim como também se condenares os homens sereis condenado com a mesma condenação.

Receberás do Pai o mesmo tratamento que deres aos homens, o mesmo tratamento que deres aos teus irmãos.


Como pode o pecador que julga (condena) e deixa de perdoar (cancelar as dívidas) outros humanos, ainda fazer a Oração ensinada por Jesus?? (Mateus 6:9-13) 9 "Portanto, tendes de orar do seguinte modo: "‘Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome. 10 Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra. 11 Dá-nos hoje o nosso pão para este dia; 12 e PERDOA-NOS as nossas dívidas, ASSIM COMO nós também temos perdoado aos nossos devedores. 13 E não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.’
Em outra ocasião assim falou Jesus:  (Lucas 11:1-4) 11 Então, na ocasião em que estava em certo lugar orando, quando parou, disse-lhe certo dos seus discípulos: “Senhor, ensina-nos a orar, assim como também João ensinou aos seus discípulos.” 2Ele lhes disse então: “Sempre que orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. 3Dá-nos o nosso pão para o dia, segundo as exigências do dia. 4E perdoa-nos os nossos pecados, POIS NÓS MESMOS TAMBÉM PERDOAMOS A TODO AQUELE que está em dívida conosco; e não nos leves à tentação.’”

Seria uma grande HIPOCRISIA deste discípulo, se aproximar do Pai em oração e dizer: Pai me perdoe ASSIM COMO eu tenho perdoado, enquanto na verdade ele condena seu irmão, exige que seu irmão lhe pague uma dívida que tem para com ele e até mesmo condena a morte aquele irmão que lhe fez algo de ruim. Ele pode até não matar, no entanto, ele separa este pecador e diz: Pai, eu separei este pecador para a “morte eterna” e o Senhor é o carrasco.

Quanto maior erro é condenar alguém que não fez absolutamente nada contra aquele que o condena!!

Seria erro maior condenar à morte aquele que pecou contra outro humano qualquer ou condenar à morte aquele que pecou contra Jeová ou contra Jesus. Quem te designou juiz de teu irmão?? Avançar presunçosamente (desautorizado) é tão pecado quanto ser um adúltero. Se você não foi o ofendido, porque estás te metendo em um assunto para o qual não fostes chamado??? Se você fosse o ofendido, você teria de perdoá-lo, não teria??


Quanto a este conceito estabelecido por Jesus, será que Jeová já havia estabelecido o mesmo conceito no seu relacionamento com a nação de Israel??


TRATE TEU IRMÃO QUE FICOU POBRE, COMO VOCÊ TRATARIA UM RESIDENTE FORASTEIRO.


Nos dias de Moisés, Jeová havia ordenado aos seus escravos: Quando um dos vossos irmãos, vossos naturais, ficar "materialmente pobre", trate-o como se ele fosse um residente forasteiro.

Alguém que não conhecesse a mente e a personalidade de Jeová podia achar estranha tal ordem, não poderia??

Poderia achar que Jeová havia mandado discriminar tanto o residente forasteiro como aquele que ficasse pobre, não é verdade??

Saíram da mente e boca de Jeová as seguintes palavras: (Levítico 25:35-38) 35 "‘E CASO TEU IRMÃO FIQUE POBRE e assim esteja financeiramente fraco ao teu lado, ENTÃO TENS DE AMPARÁ-LO. COMO RESIDENTE FORASTEIRO E COLONO TEM DE FICAR VIVO CONTIGO. 36 Não cobres dele juros e usura, mas tens de ter temor de teu Deus; e teu irmão tem de ficar vivo contigo. 37 Não deves dar-lhe teu dinheiro [cobrando] juros e não deves dar teu alimento por usura. 38 Eu sou Jeová, vosso Deus, que vos fiz sair da terra do Egito para dar-vos a terra de Canaã, para mostrar-me vosso Deus.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 25:35-37) 35 Se teu irmão se tornar pobre e as suas mãos se enfraquecerem junto a ti, sustentá-lo-ás. Ele viverá contigo como estrangeiro e peregrino. 36 Não receberás dele usura nem ganho; mas temerás o teu Deus, para que teu irmão viva contigo. 37 Não lhe darás o teu dinheiro a usura, nem lhe darás os teus víveres por amor de lucro.



O que representava tratar "teu irmão pobre" assim como se deve tratar um "residente forasteiro"?? Significava isto que o irmão que ficou pobre passava a ter para seus irmãos um valor menor do que ele tinha antes??

O próprio Jeová respondeu dizendo: Não deves dar-lhe teu dinheiro [cobrando] juros e não deves dar teu alimento por usura. Tens de ampará-lo, disse Jeová, resumindo.

Era para sustentar o pobre.

Assim como é do pai a responsabilidade de sustentar o filho, passava a ser daquele que se encontrava na condição de ter alimento, roupa e abrigo, a responsabilidade de sustentar àquele irmão israelita que ficasse pobre, assim como também era sua responsabilidade sustentar o estrangeiro que se encontrasse dentro do reino, tanto o residente temporário quanto o residente definitivo.

Da mesma forma como deviam sustentar o estrangeiro que fosse encontrado no território, eles também deviam sustentar o natural israelita que ficasse pobre.


Um mandamento sábio e redigido de forma sábia.


Neste caso, Jeová ordenava que o irmão pobre fosse tratado com Misericórdia, pois era exatamente isto o que necessitava o irmão na condição de pobre, na condição de atribulado. O irmão na CONDIÇÃO de pobre se assemelhava a uma pessoa na CONDIÇÃO de residente forasteiro. Ambos deveriam receber o mesmíssimo tratamento.

Do que precisava o residente forasteiro?? O irmão QUE FICOU pobre precisava ser "AMPARADO". São sinônimos de amparar: acudir, ajudar, auxiliar, defender, proteger, salvar ou socorrer. Assim devia ser tratado o irmão que ficou pobre. O mesmo tratamento que deveria ser dado ao residente forasteiro.


Assim certo dicionário define amparar e amparo:

AMPARAR n verbo

transitivo direto e pronominal

1 suster(-se) para impedir de cair; escorar(-se)

Ex.: <amparou o amigo no momento da queda> <sentindo que desfalecia, amparou-se contra o muro>

transitivo direto, bitransitivo e pronominal

2 dar proteção a ou proteger(-se) [de, contra]; defender(-se), resguardar(-se)

Ex.: <um grosso capote amparava-o (contra o frio)> <amparou-se do sol à sombra de uma árvore>

transitivo direto

3 servir de arrimo, fornecer meios de subsistência a; arrimar, patrocinar, sustentar

Ex.: queria a. os pais quando envelhecessem

transitivo direto

4 dar sustenção moral, dar apoio a; estimular, avivar, encorajar

Ex.: <amparava os amigos quando estes fraquejavam> <esforçava-se para a. aquela causa>

transitivo indireto

5 Diacronismo: antigo.

emparelhar (navegando, andando)



AMPARO

n substantivo masculino

1 ato ou efeito de amparar(-se), de escorar(-se); amparamento, sustentação, apoio

1.1 pessoa ou algo que ampara, que ajuda ou socorre, que presta auxílio; apoio, arrimo, escora, socorro

Ex.: <a caverna servia de a. contra a chuva> <estacas serviam de a. ao telhado> <seu argumento encontrou a. em textos de Platão>




Vou fazer meus escravos passar pela condição de "residentes forasteiros". Assim falou Jeová a Abrão: (Gênesis 15:12-16) 12 Depois de algum tempo, o sol estava para pôr-se, e caiu um sono profundo sobre Abrão, e eis que caía sobre ele uma grande e aterradora escuridão. 13 E ele começou a dizer a Abrão: "Sabe com certeza que o TEU DESCENDENTE SE TORNARÁ RESIDENTE FORASTEIRO NUMA TERRA QUE NÃO É SUA; e eles terão de servir-lhes, e estes certamente os atribularão por quatrocentos anos. 14 Mas eu estou julgando a nação à qual servirão, e depois sairão com muitos bens. 15 Quanto a ti, irás em paz para os teus antepassados; serás enterrado numa boa velhice. 16 Na quarta geração, porém, voltarão para cá, porque ainda não se completou o erro dos amorreus."


Vocês passarão pela condição de atribulados, de residentes forasteiros atribulados por quatrocentos anos. E assim, cumpriu-se a determinação de Jeová.

Depois Jeová falou: Eu ouvi o vosso clamor; Eu ouvi o vosso gemido. (Êxodo 2:23-25) 23 E durante esses muitos dias sucedeu que finalmente morreu o rei do Egito, mas os filhos de Israel continuaram a suspirar por causa da escravidão e a clamar em queixa, e seu clamor por ajuda, por causa da escravidão, ascendia ao [verdadeiro] Deus. 24 Então, Deus ouviu seu gemido e Deus lembrou-se do seu pacto com Abraão, Isaque e Jacó. 25 Assim, Deus olhou para os filhos de Israel e Deus reparou [neles].


Para que Jeová obrigou o seu servo (escravo) a passar pela condição de residente forasteiro ?? Por que beber deste copo amargo??

Jeová dá a resposta: (Êxodo 22:21) 21 "E não deves maltratar nem oprimir o residente forasteiro, PORQUE VÓS VOS TORNASTES RESIDENTES FORASTEIROS na terra do Egito.

Jeová dá a resposta: (Êxodo 23:9) 9 "E não deves oprimir o residente forasteiro, VISTO QUE VÓS MESMOS CONHECESTES A ALMA DO RESIDENTE FORASTEIRO, PORQUE VOS TORNASTES RESIDENTES FORASTEIROS na terra do Egito.

Jeová dá a resposta: (Levítico 19:33-34) 33 "‘E caso um residente forasteiro resida contigo no vosso país, não deveis maltratá-lo. 34 O residente forasteiro que reside convosco deve tornar-se para vós como o vosso natural; E TENS DE AMÁ-LO COMO A TI MESMO, POIS VOS TORNASTES RESIDENTES FORASTEIROS na terra do Egito. Eu sou Jeová, vosso Deus.


Agora que vocês já passaram pela condição de residentes forasteiros atribulados, não se esqueçam do que vocês passaram. Não os maltratem, não os oprima, PORQUE ... Eu ouço o clamor dos oprimidos; Eu ouço o gemido dos maltratados.


Vocês têm coragem de fazer aos outros, aquilo de ruim que outros fizeram a você?? Trate os outros como você gostaria de ser tratado por ele. Não se esqueça de onde você veio. Agora, que a situação está invertida, que sentimentos tu tens de ter por eles?? Não te tornes um insensível.

Tens de amá-los como a ti mesmo. Coloque-se no lugar dele e faça a ele o que gostarias que ele fizesse a você; sinta compaixão pelo residente forasteiro.


SINTA COMPAIXÃO PELO RESIDENTE FORASTEIRO.


Não faça aos seus residentes forasteiros, aquilo que os Egípcios fizeram a vocês. Não copiem a atitude dos Egípcios para com os escravos. Façam o que Eu mando.


Moisés entendeu este ponto em questão: (Deuteronômio 5:12-15) 12 "‘Guardando o dia de sábado para o manteres sagrado, assim como Jeová, teu Deus, te mandou, 13 deves prestar serviço e tens de fazer toda a tua obra por seis dias. 14 Mas o sétimo dia é um sábado para Jeová, teu Deus. NÃO DEVES FAZER NENHUMA OBRA, NEM TU, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu touro, nem teu jumento, nem qualquer animal doméstico teu, NEM TEU RESIDENTE FORASTEIRO que está dentro dos teus portões, a fim de que teu escravo e tua escrava descansem como tu . 15  E TENS DE LEMBRAR-TE DE QUE TE TORNASTE ESCRAVO NA TERRA DO EGITO e que Jeová, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É por isso que Jeová, teu Deus, te mandou observar o dia de sábado.

Moisés entendeu este ponto em questão:  (Deuteronômio 10:17-19) 17 POIS, JEOVÁ, vosso Deus, é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e atemorizante, que NÃO TRATA A NINGUÉM COM PARCIALIDADE, nem aceita suborno, 18 executando julgamento pelo menino órfão de pai e pela viúva, e AMANDO O RESIDENTE FORASTEIRO, de modo a dar-lhe pão e uma capa. 19 TAMBÉM VÓS TENDES DE AMAR O RESIDENTE FORASTEIRO, POIS VOS TORNASTES RESIDENTES FORASTEIROS NA TERRA DO EGITO.


Jeová ama o "residente forasteiro" tanto quanto Ele ama a você. Ele é imparcial. Se você é especial para Jeová, para Ele, o residente forasteiro é tão especial quanto você. Notamos que Jeová ama o "residente forasteiro", seja ele israelita, ou de qualquer outra nacionalidade. O "residente forasteiro" é muito valioso para Mim; veja lá como você vai tratá-lo; Eu amo o residente forasteiro. Estas foram palavras de Jeová. Todo e qualquer atribulado clama; todo e qualquer atribulado geme ao ser maltratado. O residente forasteiro israelita vale uma importante vida e o residente forasteiro de outra nação também vale uma importante vida.


Foi assim que Moisés revelou ter entendido este ponto em questão, esta lição que estava sendo ensinada por Jeová. Será que Moisés havia entendido quão grande era este amor de Jeová pelo humano (qualquer humano) na condição de residente forasteiro?? Foi Jesus quem trouxe a atenção “o quanto”. Jeová ficaria muito triste se o “residente forasteiro” fosse maltratado, assim como também ficaria triste se eu fosse maltratado. Jeová ama "o atribulado", não importa de que nação ele seja. Jeová ama o pobre.


Comprovando o fato de que Jeová não havia mudado o seu sentimento para com o residente forasteiro, assim falou Jeová nos dias de Malaquias, depois do exílio do povo em Babilônia: (Malaquias 3:5) 5 "E vou chegar-me a vós para julgamento e vou tornar-me testemunha veloz contra os feiticeiros, e contra os adúlteros, e contra os que juram falsamente, e contra os que agem fraudulentamente com o salário do assalariado, com [a] viúva e com [o] menino órfão de pai, e OS QUE REPELEM O RESIDENTE FORASTEIRO, AO PASSO QUE NÃO ME TEMERAM", disse Jeová dos exércitos.


Como tiveram coragem de repelir o residente forasteiro?? Será que desconhecem o Meu SENTIMENTO pelo “atribulado”?? "Residente forasteiro" não tem nacionalidade, não tem religião, ele á apenas alguém “atribulado”, alguém materialmente pobre, simplesmente alguém carente. Residente forasteiro é alguém a ser AMPARADO; nunca poderia ser repelido.

Sendo o "residente forasteiro" especial para Jeová, aquele que repelir o "residente forasteiro", aquele que maltratar de qualquer forma a qualquer "residente forasteiro", estará desagradando a Jeová. O residente forasteiro é aquele que se encontra numa situação atribulada, é aquele que depende da Misericórdia alheia para poder comer e se vestir; depende da Misericórdia alheia para sair da condição de atribulado. É alguém que PRECISA SER AMPARADO, nunca repelido, independente de que nação ele faça parte.

Do ponto de vista de Jeová, repelir o "residente forasteiro" é tão pecado quanto ser feiticeiro, ser adúltero ou ser mentiroso.


O povo escolhido e ensinado revelou não conhecer a Jeová, pois durante todo o tempo, defraudaram o residente forasteiro . Assim falou Jeová através do porta-voz Ezequiel: (Ezequiel 22:27-29) 27 Os príncipes dela no seu meio são como lobos dilacerando a presa em derramamento de sangue, destruindo almas para obter lucro injusto. 28 E seus profetas deram uma caiadura para eles, visionando uma irrealidade e adivinhando para eles uma mentira, dizendo: "Assim disse o Soberano Senhor Jeová", quando o próprio Jeová não tinha falado. 29 Os do próprio povo da terra executaram um plano de defraudação e arrebataram em roubo, e maltrataram o atribulado e o pobre, E DEFRAUDARAM O RESIDENTE FORASTEIRO SEM QUALQUER JUSTIÇA.’


Assim podemos ver que a ordem de tratar o irmão que ficou "materialmente pobre", como se ele fosse um "residente forasteiro", dada por Jeová, referia-se a tratar este irmão com a mesma Misericórdia que tinha de ser concedida ao residente forasteiro, a quem Jeová considerava como alguém especial, alguém carente, alguém que depende. Deveria ser tratado com mais amor. Alguém a ser AMPARADO, ajudado, acudido, auxiliado, defendido, salvo e socorrido.

Mas ele não é umservo de Deus”, poderia alguém questionar, achando que os “servos de Deus” são merecedores de tratamento diferenciado, especial e que os demais que não são “servos de Deus” são inferiores, não merecendo receber o mesmíssimo tratamento.

Como o Israelita, o servo de Deus, o escravo de Deus, o povo escolhido de Deus tinha de ver o residente forasteiro, aquele que não era “servo de Deus”?? Jeová já havia ordenado: (Levítico 19:34) 34 O residente forasteiro que reside convosco DEVE TORNAR-SE PARA VÓS COMO O VOSSO NATURAL, E TENS DE AMÁ-LO COMO A TI MESMO, pois vos tornastes residentes forasteiros na terra do Egito. Eu sou Jeová, vosso Deus.

E TENS DE. Não era um pedido, não era uma sugestão, antes, era uma ordem. Era uma ordem saída da mente e boca de Jeová. JEOVÁ DETERMINOU A IGUALDADE.


Tenha pelo "residente forasteiro e pelo irmão que ficou pobre" o mesmo SENTIMENTO que Eu tenho por ele, ordenou Jeová. Não se esqueçam que vocês foram residentes forasteiros na terra do Egito e que não foram tratados com misericórdia por eles. Não façam o que os egípcios fizeram, antes, façam o que Eu estou mandando.

Quem ousaria desobedecer??? O povo escolhido e ensinado, o “servo de Deus” ousou e desobedeceu.


Do mesmo modo, Jesus deixou claro que: "o pequenino que tem fé em mim, é importante para o Pai". O pequenino que tem fé é um pecador, um escravo do pecado. Como deve tratar outros escravos do pecado?? Assim falou Jesus: (João 8:34-36) 34 Jesus respondeu-lhes: "Digo-vos em toda a verdade: TODO PRATICANTE DO PECADO É ESCRAVO DO PECADO. 35 Ainda mais, o escravo não permanece para sempre na família; o filho permanece para sempre. 36 Portanto, SE OS FILHO VOS LIBERTAR, SEREIS REALMENTE LIVRES.. . .

Ainda sendo escravo do pecado, como tratariam àqueles que continuavam "escravos do pecado"?? Deviam desprezar tais "escravos do pecado"?? Não. Deveriam vê-los como inferiores?? Não. Deviam tratá-los com Misericórdia, com muita Misericórdia. Deviam tratá-los com a mesma Misericórdia com que foram tratados por Jesus exatamente por se encontrarem na condição de "escravos do pecado". Através de palavras e atos, o Pai já tinha revelado o Seu SENTIMENTO para com os escravos do pecado, aqueles que o ofendiam diretamente na face o dia inteiro.

O Pai deu tais escravos do pecado para Jesus. Jesus também revela o grau de importância que tais escravos do pecado tinham para ele: (João 10:25-30) 25 Jesus respondeu-lhes: “Eu vos disse, e ainda assim não acreditais. As obras que eu faço em nome de meu Pai, essas dão testemunho de mim. 26 Mas, vós não acreditais, porque não sois das minhas ovelhas. 27 MINHAS ovelhas escutam a minha voz e eu as conheço, E ELAS ME SEGUEM. 28 E eu lhes dou vida eterna e elas não serão jamais destruídas, e ninguém as arrebatará da minha mão. 29 Aquilo que meu Pai me deu É ALGO MAIOR DO QUE TODAS AS OUTRAS COISAS, e ninguém as pode arrebatar da mão do Pai. 30 Eu e o Pai somos um.”

As palavras de Jesus foram: Aquilo (as ovelhas) que o Pai me deu É ALGO MAIOR DO QUE TODAS AS OUTRAS COISAS. Aquele pequeno que acredita em mim, que tem fé em mim, é uma ovelha. Sabendo do sentimento do Pai pelas ovelhas, o sentimento de Jesus por elas não podia ser diferente. "Eu e o Pai somos um", reafirmou Jesus.

Caso teu irmão, um dos teus iguais (um pequenino que tem fé em mim), fique espiritualmente pobre, a ponto de não aceitar o bom conselho, trate-o como se ele fosse um cobrador de impostos e homem das nações. A pobreza espiritual deste irmão se tornou igual ou pior que a pobreza espiritual de um cobrador de impostos ou de um homem das nações.

A ordem de Jesus de tratar aquele irmão que ouve e não obedece como se ele fosse um cobrador de impostos e homem das nações, certamente tem o mesmo objetivo. A condição deste homem é de grande "pobreza espiritual". Não o deixe morrer de fome. Aja com Misericórdia, com muita Misericórdia, pois ele é um carente que depende de sua riqueza espiritual. Ele continua sendo muito importante para o Pai. Ele é alguém a ser urgentemente AMPARADO, acudido, ajudado, auxiliado, defendido, protegido, salvo e socorrido.

Trate o cobrador de impostos exatamente assim como Jesus tratou a estes, ou seja, com muita Misericórdia.

Jesus estava amorosamente ensinando que espécie de relacionamento devia existir entre as ovelhas, entre os "pequeninos". Não desprezeis, não maltrateis a nenhum dos pequeninos. Ovelhas não podem maltratar outras ovelhas.


Eu escolhi os meus discípulos de entre os pecadores, pois eu vim chamar os pecadores, isto foi o que falou Jesus: (Mateus 9:10-13) 10 Mais tarde, enquanto estava recostado à mesa, na casa, eis que vieram muitos cobradores de impostos e pecadores, e começaram a recostar-se com Jesus e seus discípulos. 11 Vendo isso, porém, os fariseus começaram a dizer aos discípulos dele: "Por que é que o vosso instrutor come com os cobradores de impostos e os pecadores?" 12 Ouvindo-os, ele disse: "As pessoas com saúde não precisam de médico, mas sim os enfermos. 13 Ide, pois, e aprendei o que significa: ‘Misericórdia quero, e não sacrifício.’ Pois eu não vim chamar os que são justos, mas pecadores."


Não se esqueçam de onde vocês vieram, não se esqueçam do que vocês ainda são.
COMO INSTRUTOR, EU LHES MOSTREI O QUE É AMAR. O amor que vocês aprendizes têm de ter uns pelos outros é exatamente igual ao amor que eu demonstrei ter por vocês. Estas foram as palavras saídas da boca de Jesus: (João 13:34-35) 34 Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros; ASSIM COMO EU VOS AMEI, que também vos ameis uns aos outros. 35 Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.”


QUANDO TEU IRMÃO COMETER UM PECADO CONTRA TI; Como foi que Jesus amou seus discípulos? Quando um apóstolo cometia pecado, de que forma agia Jesus para com o pecador?? Que modelo estabeleceu Jesus, modelo único para todos os aprendizes?? Afastou-se Jesus de apóstolos pecadores ou de quaisquer outros discípulos pecadores?? Afastamento, não sentar-se para comer e não cumprimentar são parte do modelo estabelecido por Jesus para seus aprendizes??


Ser um discípulo de Jesus é ser um aprendiz "de Jesus" e não de outro humano, seja lá quem for o humano. O discípulo sempre quer ser igual ao mestre. Agir como o mestre, ouvir como o mestre, falar como o mestre, ver como o mestre, pensar como o mestre, sentir como o mestre. Assim como Jesus via o cobrador de impostos, um escravo do pecado, o mesmo sentimento que Jesus tinha pelo cobrador de impostos, um escravo do pecado, assim também temos de ver, sentir e agir exatamente assim como Jesus agia para com os cobradores de impostos. Não podemos sentir desprezo pelos pecadores, pois somos pecadores. Não podemos desvalorizar o pecador, independente do pecado cometido.


O escravo do pecado é aquele que depende da Misericórdia alheia para continuar a viver. Não é este o meu caso?? Não foi este o caso dos doze apóstolos de Jesus?? Quando todos os apóstolos repudiaram a Jesus (pecaram contra Jesus) passaram a depender exclusivamente da Misericórdia de Jesus, pois o próprio Jesus já havia dito: Quem me repudiar perante os homens, também vou repudiar a este perante meu Pai. Jesus teve Misericórdia dos doze apóstolos e não cumpriu aquilo que havia prometido fazer. (Mateus 10:32-33) 32 “Todo aquele, pois, que confessar perante os homens estar em união comigo, eu também confessarei perante meu Pai, que está nos céus, estar em união com ele; 33 mas aquele que me repudiar perante os homens, eu também o repudiarei perante meu Pai, que está nos céus.


Jesus não cumpriu aquilo que havia prometido fazer contra aquele discípulo que o repudiasse; não levou em conta; ofereceu a outra face; não os expulsou do rebanho.


A ovelha gorda não deve tratar mal, isto é, dar marradas, não permitir que comam ou bebam, expulsar do rebanho ou praticar qualquer outra atitude agressiva contra as ovelhas magras e doentes. Não querer a companhia delas é uma atitude de desprezo.
Não desprezeis a nenhuma ovelha; não desprezeis a nenhum pequenino. Aquela que está muito doente, precisa de muito cuidado. O que fará Jeová pela ovelha muito doente?? Jeová disse:
16 "PROCURAREI a perdida e TRAREI de volta a dispersa, e PENSAREI a quebrada e FORTALECEREI a doentia".


EU VOU PESSOALMENTE PROCURAR A PERDIDA”. - será que ainda resta alguma dúvida quanto ao valor que o pai celestial atribui ao “pecador”??


Esta é a atitude de quem ama as ovelhas que estão tanto física quanto espiritualmente doentes. Jesus também tinha este mesmo SENTIMENTO para as ovelhas físicas, material ou espiritualmente doentes. O aprendiz de Jesus tem de ter o mesmo SENTIMENTO de Jesus, que copiava o SENTIMENTO de Jeová.


Jesus estava REPREENDENDO seus discípulos: A menos que deis meia-volta, não entrareis no reino dos céus. Seus discípulos disputavam uma suposta posição de destaque no reino dos céus. Os discípulos achavam que no reino dos céus seria igual ao que até então eles conheciam como natural e àquilo que seus olhos viam. Os modelos conhecidos pelos discípulos eram 100% opostos ao modelo do reino dos céus. Eles precisavam visualizar o novo modelo. Embora estivessem na companhia de Jesus, eles ainda estavam indo em direção oposta ao reino dos céus. Após as sábias palavras de Jesus, ficou claro que no reino dos céus, TODOS SÃO RIGOROSAMENTE IGUAIS.

Onde há maiores, haverá menores; onde há mais importantes, haverá menos importantes. Quem se sente mais importante irá menosprezar àquele que ele vê como menos importante. A ovelha sadia irá menosprezar a ovelha doente. Buscando ajudar seus discípulos a darem meia-volta, a irem na direção oposta, Jesus deixou bem claro que Jeová considera a ovelha doente como Sua PRIORIDADE em demonstrar Misericórdia. Não menospreze o crasso pecador, não menospreze o pecador rebelde, pois ele continua sendo muito importante para o Pai, tão importante quanto você que não está rebelde. O Pai deixará as ovelhas não rebeldes no aprisco e irá PESSOALMENTE atrás da ovelha rebelde. Se uma ovelha ficar doente, trate-a com mais misericórdia do que você a tratava antes dela ter ficado doente. Ela está necessitada só da cura, não do desprezo. Isto é o reino dos céus. No reino dos céus você NUNCA se sente superior a seu próximo; no reino dos céus você NUNCA desvaloriza a vida do seu próximo. No reino dos céus o crasso pecador é visto como uma vida extremamente doente.


Os apóstolos estavam sendo treinados para se tornarem o que exatamente??? (Isaías 32:1-2) 32 Eis que um rei reinará para a própria justiça; e quanto a príncipes, governarão como príncipes para o próprio juízo. 2 E CADA UM [DELES] TERÁ DE MOSTRAR SER como abrigo contra o vento e como esconderijo contra o temporal, como correntes de água numa terra árida, como a sombra dum pesado rochedo numa terra esgotada.

Bem, isto era bem diferente do que eles estavam acostumados a ver reis e príncipes mostrarem ser. Os reis e príncipes mostravam ser egoístas e um constante perigo tanto para os súditos como para o resto da humanidade. As demais ovelhas também mostravam ser egoístas e um perigo para outras ovelhas, ou seja, para outros seres humanos.

Como tudo o que fazemos é observado agora por Jeová, por milhões de anjos e por milhões de humanos, e como estamos escrevendo a história das nossas atitudes, fica no ar a seguinte pergunta: Se expulsamos do rebanho aqueles que são nossos irmãos que afirmamos amar com o mesmíssimo amor que Jesus amou seus discípulos, que atitude teremos para com aqueles que não consideramos como nossos irmãos??

Dizem a respeito de nossos atos praticados hoje: Se eles agem assim com os que eles amam como irmãos, imaginemos o que farão com os demais que eles não vêm e não sentem como seus irmãos!!

Realmente, se os fariseus agiam daquele modo com os cobradores de impostos e pecadores judeus, seus irmãos judeus, como viam e tratavam as pessoas das nações???


Só desprezará o “pequeno”, aquele discípulo que não levar em conta o sentimento de Jeová pelo “pequeno”.


Topo desta página