O PAI NÃO JULGA A NINGUÉM

 

Criada em 10/05/09 Alterada em 23/04/14



ESTA AFIRMAÇÃO DE JESUS É REALMENTE VERDADE?? ACREDITO NISTO??
DEPOSITO FÉ NISTO?? COMO UMA OVELHA INDIVIDUAL, ACREDITO EM "
TUDO" O QUE JESUS FALOU?? VIVO SEGUNDO ESTA "VERDADE"?? REPITO ESTA VERDADE?? SERÁ QUE A SUBSTITUO PELA AFIRMAÇÃO DE OUTRO HUMANO??

Ou o Pai não julga a ninguém ou julga a todos com a mesmíssima imparcialidade. Não existe a terceira opção.


Quem não acreditar nesta afirmação de Jesus, que é simplesmente uma das frase que o Pai colocou em sua boca, terá de prestar contas ao Pai Celestial, que afirmou:

(Deuteronômio 18:19) 19 E tem de dar-se que o homem que não escutar as minhas palavras que ele falar em meu nome, deste EU mesmo exigirei uma prestação de contas.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Deuteronômio 18:19) 19 E de qualquer que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu nome, EU exigirei contas.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Deuteronômio 18:19) 19 Todo aquele que não ouvir as minhas palavras que ele falar em meu nome, EU o requererei dele.



JESUS DÁ A DEFINIÇÃO DO QUE É O JULGAMENTO. SERIA UMA "DEFINITIVA" ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE UMA PESSOA, ESTABELECENDO UMA "DEFINITIVA e IRREVERSÍVEL" DECISÃO MERITÓRIA FINAL EM FACE DOS PECADOS DESTA PESSOA?? PRIMEIRO JESUS AFIRMA: O Filho só faz aquilo que ele observa o Pai fazer. Isto é o mesmo que dizer: tal Pai, tal filho e tal filho, tal Pai. Ou ainda mais: O filho é a imagem e semelhança do Pai. DEPOIS, ASSIM DISSE JESUS: "O Pai não julga a ninguém". "O Pai tem confiado todo julgamento ao Filho". "O julgamento que faço é justo, pois procuro a vontade daquele que me enviou". Em relação a um filho” julgar e condenar outro filho”, qual é a VONTADE declarada do Pai??


Jesus disse: "Eu sou a Verdade". Jesus não mente. Por que o Pai não julga a ninguém?? Pessoas fizeram boas coisas e pessoas fizeram coisas más na corrente do tempo. Pessoas fizeram muitas coisas más e falaram coisas horríveis contra Jeová. O Pai não julgou tais pessoas?? Muitas pessoas, através de suas palavras e suas ações fizeram outros perder a vida. O Pai não julgou tais pessoas?? Segundo Jesus, não. Independente do que outras pessoas falem, aceito tais AFIRMAÇÕES de Jesus como uma verdade?? Acredito nelas?? Deposito fé nelas?? Acredito nele? Deposito fé nele?


Um exemplo que revela de forma bem clara que Jeová, o Pai, não julga ninguém é o Seu relacionamento com Davi.


Davi praticou muitas maldades contra outros humanos. Davi praticou crimes hediondos, e no entanto, O Pai continuou se relacionando amigavelmente com Davi. Jeová continuou dando coisas boas para Davi. O Pai continuou dando a sua proteção para Davi.

Apesar de todas as maldades que Davi fazia, O Pai permanecia fiel à Sua promessa feita a Davi:

(2 Samuel 7:8-9) 8 E agora dirás ao meu servo Davi o seguinte: ‘Assim disse Jeová dos exércitos: “Eu mesmo te tomei da pastagem, de trás do rebanho, para que te tornasses líder do meu povo Israel. 9 E mostrarei estar contigo aonde quer que fores e vou decepar todos os teus inimigos de diante de ti; e hei de fazer-te um grande nome, igual ao nome dos grandes que há na terra.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(2 Samuel 7:8-9) 8 Agora assim dirás ao meu servo Davi: Assim diz Jeová dos exércitos: Eu te tirei da malhada de detrás das ovelhas, para que fosses príncipe sobre o meu povo, sobre Israel; 9 por onde quer que andaste, tenho estado contigo para exterminar os teus inimigos de diante de ti; e te farei um grande nome como o dos grandes que há na terra.


Até o dia de sua morte, Davi continuou recebendo esta proteção da parte do Pai.


Exatamente por causa disto é que muitos têm afirmado que Davi era um homem de bom coração e que permanecia leal ao Pai.


O próprio Davi se via como alguém leal a Jeová.

Ele mesmo se expressou:

(Salmos 18:24-26) 24 E que Jeová me pague de volta segundo a minha justiça, Segundo a limpeza das minhas mãos diante dos seus olhos. 25 Com alguém leal agirás com lealdade; Com o varão vigoroso, sem defeito, procederás sem defeito; 26 Com aquele que se mantém limpo, tu te mostrarás limpo, E com o pervertido, tu te mostrarás tortuoso;


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Salmos 18:24-26) 24 Por isso Jeová me retribuiu segundo a minha retidão, Segundo a pureza das minhas mãos, aos seus olhos. 25 Com o benigno te mostrarás benigno; Com o homem perfeito te mostrarás perfeito; 26 Com o puro te mostrarás puro; Com o perverso te mostrarás contrário.


Exatamente por Jeová manter sua proteção em relação a ele é que Davi se sentia justo diante de Deus, sentia-se um homem leal a Jeová, o Pai.

O Pai estava revelando e mantendo Sua proteção para um criminoso como Davi??


A proteção dada é inegável. Jeová provou ser um Deus Leal a Davi. No entanto, e quanto a Davi??

Ora, Davi mostrou ser um criminoso. Todos os seus crimes estão devidamente registrados. Se cometidos por um filisteu, todos chamariam tal filisteu de monstro.



Mas, e quanto a Davi??

Muitos preferem atribuir santidade a Davi.

Mas, por que o fazem??

Para serem coerentes em suas crenças e afirmações de que Jeová é um Deus de justiça, ou seja, que julga e dá a cada um segundo o que este merece, em face das coisas que este faz, como o próprio Davi acreditava.


As palavras de Jesus são contrárias às crenças de todos estes homens. As palavras de Jesus contrariam as palavras emitidas por Davi e outros, palavras devidamente registradas na Escritura.

Os que derem ouvidos a Jesus – ouvirem sua palavra (as coisas que Jesus falava; aquilo que saía de sua boca, suas afirmações sobre todos os assuntos) e acreditar nele, ter fé nele – não entra em julgamento, passando da morte para a vida e este terá vida eterna. O passar da morte para a vida já estava acontecendo naquele exato momento em que Jesus proferia tais palavras (e agora é). Naquele exato momento, já havia pessoas acreditando nas palavras de Jesus, depositando fé naquilo que saía da boca de Jesus. Ao acreditarem nas palavras faladas por Jesus, estas pessoas começariam a produzir obras de pessoas vivas do ponto de vista de Jeová.
A questão não é só acreditar que Jesus é Filho de Deus, que ele é Salvador, que ele é Resgatador, ou ainda, que ele é o Rei do reino de Deus. Não é uma questão de depositar fé no sangue de Jesus como base para perdão de pecados, como muitos acreditam. Trata-se de acreditar também naquilo que Jesus falou, ter fé nas palavras que saíram de sua boca, COMO as palavras que Jeová mandou o Filho falar para a humanidade e aceitá-las como as palavras que produzirão a cura. Será que isto é realmente verdade?? Em outra ocasião Jesus afirmou que “ouvir e entenderas palavras faladas por ele fariam o ouvinte produzir frutos a partir do coração, pois a palavra é semeada no coração; o coração é o solo:

(Mateus 13:23) 23 Quanto ao semeado em solo excelente, este é o que OUVE A PALAVRA E A ENTENDE, que realmente dá fruto e produz, este cem vezes mais, aquele sessenta vezes mais, outro trinta vezes mais.” (Mateus 13:18-19) 18 “Escutai, então, a ilustração do homem que semeou. 19 Quando alguém ouve a palavra do reino, mas não a entende, vem o iníquo e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o semeado à beira da estrada.


O CORAÇÃO É O LUGAR ONDE HABITAM OS SENTIMENTOS. OS SENTIMENTOS SÃO MANIPULADOS E SUBSTITUÍDOS ATRAVÉS DA “PALAVRA”. A palavra falada por Jesus produziria sentimentos compatíveis para um súdito do reino. Por exemplo, a vingança não é um sentimento compatível para um súdito do reino, da mesma forma como a altivez ou soberba, assim como o desprezo e o ressentimento também não são. Jesus revelou alguns outros frutos ou sentimentos que são produzidos pelo coração. Assim falou Jesus:

(Marcos 7:20-23) 20 Outrossim, ele disse: “O que sai do homem é o que avilta o homem; 21 pois, de dentro, DOS CORAÇÕES dos homens, saem raciocínios prejudiciais: fornicações, ladroagens, assassínios, 22 adultérios, cobiças, atos de iniqüidade, fraude, conduta desenfreada e um olho invejoso, blasfêmia, soberba, irracionalidade. 23 TODAS ESTAS COISAS INÍQUAS SAEM DE DENTRO e aviltam o homem.”


Assim verte a Tradução Almeida:

(Marcos 7:21-23) 21 Pois é do interior, do coração dos homens, que procedem os maus pensamentos, as prostituições, os furtos, os homicídios, os adultérios, 22 a cobiça, as maldades, o dolo, a libertinagem, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a insensatez; 23 todas estas más coisas procedem de dentro e contaminam o homem.


No coração doente é que se desenvolvem estes sentimentos iníquos. A palavra falada por Jesus produzirá a cura no coração daquele que ouve, gosta do que ouviu, entende, aceita como verdade e começa a praticar. As palavras de Jesus têm por objetivo que o coração do ouvinte comece a produzir sentimentos nobres. Que sentimentos?? Os mesmos sentimentos que Jesus demostrou ter em seu coração. Quais eram??

(Êxodo 34:6-7) . . .E Jeová ia passando diante da sua face e declarando: “Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade, 7 preservando a benevolência para com milhares, perdoando o erro, e a transgressão, e o pecado,. . .


Eram os mesmos sentimentos que existem no coração do Pai? Sim. Isto não é incrível?? Sim, incrível e totalmente lógico. Tal Pai, tal filho.


Depositar fé, acreditar ser VERDADE, em TODAS as "palavras" faladas por Jesus, EM TODAS AS PALAVRAS, em todas as frases, em TODAS as afirmações. A pessoa ouviria as frases de Jesus, mas, não aceitaria TODAS como sendo verdade. Iria questionar uma ou mais das afirmações de Jesus por estarem em oposição a outras afirmações registradas nas “Escrituras”, ou ainda por estarem contra os seus próprios sentimentos. Não posso escolher as palavras, as afirmações de Jesus nas quais eu quero acreditar, pois isto não é uma questão de escolha pessoal. Não é possível acreditar em Jesus e não acreditar em alguma de suas "palavras", suas afirmações; isto é impossível. Ter fé em Jesus significa acreditar e aceitar TODAS as afirmações de Jesus como “verdades” que realmente são. Não mentir é uma das características da personalidade de Jesus. Sou "eu" quem decido em quem acredito. Sou "eu" quem decido a quem devo imitar.

O que fazer ao me encontrar em uma situação como esta, ou seja, em que as palavras de Jesus estão em oposição a determinadas palavras registradas nas “Escrituras”??

Devo dar às palavras de Jesus um valor maior do que as palavras opostas registradas nas “Escrituras”?? Devo negar as palavras de Jesus em favor de uma suposta “unidade” da bíblia??


Muitos afirmam que não existe contradição nas “Escrituras”. Exatamente em face deste argumento eles desvalorizam as palavras de Jesus, passando até mesmo a negá-las. Desta forma, estes não estabelecem as palavras de Jesus como sendo a “verdade” em relação àquele assunto. A palavra de Jesus é a “verdade” em relação a qualquer assunto. Um dos objetivos da vinda de Jesus foi o de estabelecer a “verdade” na terra. Jeová não via “verdade” na terra.

(Oséias 4:1) 4 Ouvi a palavra de Jeová, ó filhos de Israel, porque Jeová tem uma causa jurídica contra os habitantes da terra, pois não há verdade, nem benevolência, nem conhecimento de Deus na terra.


O que esta atitude revela?? Revela que esta pessoa não tem fé em Jesus. Esta pessoa não acredita que Jesus é a referência para todo e qualquer assunto. Esta pessoa ainda não acredita que Jesus está estabelecendo a verdade em relação a todos os fatos. Esta pessoa não acredita que Jesus estabelece a diferença entre o certo e o errado; entre a luz e a escuridão e entre o que é pecado e o que não é pecado.


No entanto, a pessoa que acreditasse plenamente em Jesus passaria a enxergar a "verdadeira vida" e começaria a vivê-la. A pessoa passaria a enxergar o Reino. Começaria imediatamente a viver exatamente ASSIM COMO um súdito do reino dos céus terá de viver no reino. Para este, o reino dos céus já estava valendo; este já tinha "entrado" no reino. Jesus já vivia a "verdadeira vida"; o reino dos céus já estava valendo para Jesus; Jesus já havia "entrado" no reino dos céus. Jesus estava dentro do reino de Deus e todos os demais humanos estavam fora do reino. Embora estivesse no mundo, Jesus era um cidadão do reino de Deus. Por viver a "verdadeira vida", a vida vivida no reino dos céus, este que acredita em Jesus entraria na vida eterna. Quem não estiver vivendo a "verdadeira vida", está espiritualmente morto. Jesus não só viveu a "verdadeira vida" na forma prática, como também a descreveu na forma teórica. A "verdadeira vida" está descrita no Sermão do Monte. No Sermão do Monte está contida a Lei vigente para os súditos do reino dos céus. O Sermão do Monte revela como vive na prática um súdito do reino dos céus. Revela quais são os sentimentos que existem no coração de um súdito do reino de Deus e quais os sentimentos que não existem. O “Sermão do Monte” revela o tipo de personalidade que deve ter um súdito do reino de Deus. Jesus estabeleceu a verdade em relação a quais eram os verdadeiros mandamentos de Deus para o humano.

A “verdadeira vida” foi estabelecida por Jesus através de suas ações durante aqueles três anos e meio. A “verdadeira vida” é a forma de vida vivida por Jesus durante aqueles três anos e meio.


Estar dentro ou fora do reino de Deus é uma questão de “ter e praticarOU “não ter e não praticaros mesmíssimos sentimentos que existem em Jeová e Jesus.


Paulo afirmou ter a cidadania romana:

(Atos 22:25-28) 25 Mas, quando o tinham esticado para a chicotada, Paulo disse ao oficial do exército parado ali: “É lícito que açoiteis um homem que é romano e que não está condenado?” 26 Pois bem, ouvindo isso o oficial do exército, foi ter com o comandante militar e fez um relatório, dizendo: “Que pretendes fazer? Ora, este homem é romano.” 27 De modo que o comandante militar se chegou e lhe disse: “Diz-me: És tu romano?” Ele disse: “Sim.” 28 O comandante militar respondeu: “Eu comprei estes direitos de cidadão por grande soma [de dinheiro].” Paulo disse: “Mas eu até nasci [com eles].”

Todo aquele que abraça uma cidadania, ou seja, torna-se cidadão de um reino, admite para si mesmo estar debaixo da lei daquele reino. Alguns até mesmo compram uma cidadania. Neste caso, todo aquele que abraça a cidadania do “reino de Deus”, estando em qualquer lugar deste planeta, admite para si mesmo estar debaixo da lei do reino de Deus. Ele se obriga a obedecer a Lei do reino de Deus, estando ele em qualquer lugar deste planeta. Qual é a Lei do reino de Deus?? O Sermão do Monte. A lei do reino foi instituída por Jeová. Jesus mostrou a todos os humanos COMO obedecer a Lei do reino de Deus.


OS TÚMULOS FICARÃO VAZIOS – O QUE ISTO REVELA??


ESTA MOSTRARÁ SER A CONFIRMAÇÃO VISÍVEL DE QUE HOUVE PERDÃO PARA TODOS OS PECADOS DE TODOS OS PECADORES.

O Pai
confiou todo julgamento ao Filho. E agora, o que fará o Filho? Agora que recebeu "autoridade" para julgar, o que fará o Filho?? O Filho, assim como o Pai, copiando o Pai, fazendo exatamente assim como o Pai, também não julga a ninguém, satisfazendo a vontade do Pai. Jesus RESPEITOU os sentimentos do Pai. Jesus não exerceu o papel de juiz, logo, não condenou a ninguém. Se fosse da vontade do Pai julgar alguém, Ele próprio já o teria feito na corrente do tempo. É da vontade do Pai que o Filho também não julgue àquele que Ele não julgou. Jesus não condenou a nenhum infrator. Em razão disso, ele, Jesus, vai chamar TODOS os que estão nos túmulos (fisicamente mortos), tanto os que praticaram boas coisas como os que praticaram coisas ruins. Jesus fará com que os túmulos fiquem vazios. Tanto Jesus quanto O Pai, não guardam ressentimentos por qualquer dos pecados praticados pelos humanos. Em face disto e sendo imparcial, TODOS os humanos serão ressuscitados. Assim, ao serem ressuscitados, aqueles que ouviram, se deixaram convencer e passaram a obedecer, passaram a dar frutos, passaram a ter os mesmos sentimentos que Jesus revelou ter, vivendo na prática a "verdadeira vida", continuarão a praticar a "verdadeira vida", isto é, a vida eterna. Os que ouviram e não acreditaram, quando também trazidos de volta à vida, entrarão em julgamento. Esta é a hora da "VERDADE". Esta é a hora em que todas as minhas palavras e todas as minhas ações serão questionadas. Esta é a hora do QUESTIONAMENTO. Estes se lembrarão das palavras faladas por Jesus e também se lembrarão das coisas detestáveis que falaram e fizeram, e terão aversão das suas próprias faces, pois compararão suas palavras e suas ações com as palavras e ações de Jesus. As palavras e as ações de Jesus servirão de parâmetro para todo e qualquer humano analisar suas próprias ações. Somente nesta hora é que finalmente se darão conta de que as coisas que falaram e fizeram não agradaram nem a Jeová nem a Jesus. Certamente ficarão surpresos. Assim falou Jesus

(João 16:1-3) 16 “Tenho falado estas coisas para que não tropeceis. 2 [Os] homens vos expulsarão da sinagoga. De fato, vem a hora em que todo aquele que vos matar IMAGINARÁ que tem prestado um serviço sagrado a Deus. 3 Mas, farão estas coisas porque não vieram a conhecer nem o Pai nem a mim.. . .


São as palavras já faladas por Jesus (não as palavras faladas por qualquer humano antes ou depois de Jesus ter falado) que irão determinar se as coisas faladas e as obras feitas pelo discípulo, inclusive o apóstolo, foram detestáveis ou não. O discípulo será questionado em relação às palavras faladas por Jesus e em relação as ações praticadas por Jesus. Jesus falou ainda mais: “Se meu Pai não julgou àquele que O ouviu e não O obedeceu, então, àquele que me ouve e não me acredita, eu também não o julgo, pois estarei fazendo exatamente assim como já fez meu Pai; A palavra que eu tenho falado (minhas afirmações) é que o julgará no último dia”. De forma individual, cada discípulo SERÁ QUESTIONADO em relação a ter OU não OBEDECIDO à palavra falada por Jesus e ter OU não COPIADO as ações de Jesus. Quem aceita como VERDADE a palavra falada por Jesus, também aceita como VERDADE a palavra falada por Jeová e este não entra em julgamento. Este já concorda com as palavras faladas por Jesus e já as pratica. Jesus não ameaçou de "morte eterna" a nenhum dos seus ouvintes. De forma oposta, Jesus afirmou: Se me amardes, vós obedecereis as MINHAS palavras. Estes ouviram, mas, no que (em que frases) eles não acreditaram?? Deixaram de acreditar em qualquer uma das várias frases faladas por Jesus, já que TODAS as frases faladas por Jesus são verdadeiras. Não concordaram com que afirmação de Jesus?? Que diferença existe entre não acreditar que Jesus é o Filho de Deus, o Cristo prometido, e não aceitar a ordem dada por Jesus: "Parai de julgar (não julgueis), parai de condenar (não condeneis)"?? Não existe nenhuma diferença. Na mesma condição se encontrará aquele que não concorda com a afirmação: " O Pai não julga a ninguém".



(João 5:19-30) 19 Portanto, em resposta, Jesus prosseguiu a dizer-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também da mesma maneira. 20 Pois o Pai tem afeição pelo Filho e mostra-lhe todas as coisas que ele mesmo faz, e mostrar-lhe-á obras maiores do que estas, a fim de que vos maravilheis. 21 Porque, assim como o Pai levanta os mortos e os faz viver, assim também o Filho faz viver os que ele quer. 22 Porque O PAI NÃO JULGA A NINGUÉM, mas tem confiado todo o julgamento ao Filho, 23 a fim de que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não honrar o Filho, não honra o Pai que o enviou. 24 Digo-vos em toda a verdade: Quem ouve a minha palavra e acredita naquele que me enviou tem vida eterna, e ele não entra em julgamento, mas tem passado da morte para a vida. 25 Digo-vos em toda a verdade: Vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que tiverem dado ouvidos viverão. 26 Pois, assim como o Pai tem vida em si mesmo, assim também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. 27 E deu-lhe autoridade para julgar, porque é Filho do homem. 28 Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que TODOS os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz 29 e sairão, os que fizeram boas coisas, para uma ressurreição de vida, os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento. 30 Não posso fazer nem uma única coisa de minha própria iniciativa; assim como ouço, eu julgo; e o julgamento que faço é justo, porque não procuro a minha própria vontade, mas a vontade daquele que me enviou.
(João 12:44-50) 44 No entanto, Jesus clamou e disse: “Quem depositar EM MIM, deposita fé, não [somente] em mim, mas [também] naquele que me enviou; 45 e quem me observar, observa [também] aquele que me enviou. 46 Eu vim como luz ao mundo, a fim de que todo aquele que depositar EM MIM não permaneça na escuridão. 47 Mas, se alguém ouvir as minhas declarações e NÃO as guardar, EU NÃO O JULGO; pois não vim julgar o mundo, mas salvar o mundo. 48 Quem me desconsiderar e não receber as minhas declarações, tem quem o julgue. A PALAVRA que eu tenho falado é que O JULGARÁ no último dia; 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar. 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, assim como o Pai mas disse, assim [as] falo.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 5:22-23) 22 O Pai a ninguém julga, mas tem dado todo o julgamento ao Filho, 23 a fim de que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.


Assim verte a Tradução Almeida:

(João 5:22-23) 22 Porque o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o julgamento, 23 para que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.



INÉDITA AFIRMAÇÃO - O PAI NÃO JULGA A NINGUÉM. O que esta "verdade" realmente significa??
Significa que em nenhuma das punições diretas de Jeová a qualquer humano ou grupo de humanos, houve julgamento destes por parte de Jeová.
Jeová não julgou a nenhum humano a uma morte eterna; nenhum humano recebeu “sentença” de condenação; nenhum humano foi condenado. Jeová puniu humanos com a morte, no entanto não julgou definitivamente a nenhum humano. Não estava ocorrendo um julgamento, segundo o conceito humano de julgamento. Não foram sentenciados a uma morte eterna, em face de uma punição qualquer, pois a sentença é o resultado final de um julgamento. Sentença é o definitivo cumprimento da lei.


Vamos ver a descrição da palavra sentença conforme fornecida por um dicionário:

SENTENÇA s.f. Frase lapidar que encerra um pensamento de ordem geral e de valor moral; máxima, provérbio, anexim. / Decisão final de um juiz ou de um tribunal: sentença de morte; p. ext., despacho, decisão. / Fig. Resolução inabalável: minha sentença é irreversível. / Gramática Proposição, oração.


Geralmente, uma sentença é uma decisão IRREVERSÍVEL. O dito popular é: palavra de rei não volta atrás.

Como PROVA de que perdoou todos os pecados de todos os pecadores, TODOS os que praticaram coisas ruins serão ressuscitados, isto é, serão trazidos de volta à vida. Ora, todos os que praticaram coisas ruins serão ressuscitados?? Sim, serão. O que isto provará?? Isto provará que aqueles que fizeram coisas ruins não foram julgados. Isto provará que eles foram perdoados de todas as coisas ruins praticadas, revelando que Jeová não guardou ressentimento de nenhum pecador. Bem, as informações de Jesus se mostram totalmente coerentes.


O Pai não julgou a nenhum de seus filhos que agiram mal contra Ele. Depois, o Pai entregou o julgamento ao filho mais velho. O filho mais velho também não julgou a nenhum dos seus irmãos que agiram mal contra o Pai ou mesmo contra ele. O Filho revelou que aprendeu a sua lição. O Filho revelou que, ele mesmo, estava cumprindo a “nova” lei que foi incumbido de transmitir. O Filho também tem de cumprir esta mesma Lei.


Por que o Pai julgaria um filho?? Quando ocorre um julgamento fica aberta a possibilidade do homem ser considerado culpado ou inocente. Será que um homem que cometeu um pecado poderia ser considerado inocente?? Poderia ser declarado inocente??

No caso do julgamento humano, a legítima defesa tem sido usada para declarar um humano isento de qualquer penalidade. Em uma circunstância como a guerra, matar um “inimigo” não é considerado um crime.

Será que algum humano que tenha cometido qualquer tipo de pecado poderia ser declarado inocente em face da análise das circunstâncias?? Tendo Jeová como Juiz para algum humano, poderia este humano ser declarado inocente de pecado?? Será que Jeová faria uma análise das circunstâncias??


Quando Jeová declarou o seu nome completo para Moisés, o que ficou determinado??

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 34:6-7) 6 Passando Jeová por diante dele, proclamou: Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7 que guarda beneficência em milhares, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado; e que de maneira alguma terá por inocente o culpado, visitando a iniqüidade dos pais nos filhos, e nos filhos dos filhos, na terceira e na quarta geração.


Assim verte a Tradução Almeida:

(Êxodo 34:6-7) 6 Tendo o Senhor passado perante Moisés, proclamou: Jeová, Jeová, Deus misericordioso e compassivo, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7 que usa de beneficência com milhares; que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado; que de maneira alguma terá por inocente o culpado; que visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta geração.


Assim verte a Bíblia católica Boa Nova

(Êxodo 34:6-7) 6. O Senhor passou diante dele, exclamando: “Javé, Javé, Deus compassivo e misericordioso, lento para a cólera, rico em bondade e em fidelidade, 7. que conserva sua graça até mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a rebeldia e o pecado, mas não tem por inocente o culpado, porque castiga o pecado dos pais nos filhos e nos filhos de seus filhos, até a terceira e a quarta geração”.


Se o Pai afirma de forma clara que a alma que pecar, esta é que morrerá, não há necessidade de qualquer julgamento, pois nenhum humano conseguirá ser declarado inocente de pecado.

Se a penalidade pelo pecado é a morte, e se ninguém será declarado inocente, não há necessidade de qualquer julgamento.

Não existem circunstâncias que atenuem o pecado ou que inocentem aquele que cometeu o pecado. Ele é culpado de pecado.


E se ele não souber que é pecado, não é ele inocente??

O que o Pai vê??


(Levítico 5:17) 17 E se uma alma pecar por fazer uma de todas as coisas que Jeová manda que não se façam, embora não o soubesse, ainda assim ele ficou culpado e terá de responder pelo seu erro.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 5:17) 17 Se alguém pecar, e fizer qualquer uma de todas as coisas que Jeová ordenou que se não fizessem; embora não o soubesse, contudo é culpado, e levará a sua iniqüidade.


Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 5:17) 17 Se alguém pecar, fazendo qualquer de todas as coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, ainda que não o soubesse, contudo será ele culpado, e levará a sua iniqüidade;


O Pai não declara inocente aquele que comete um pecado.

Para o Pai, aquele que comete um pecado é culpado de pecado e tem de responder pelo seu erro.

Não existe qualquer atenuante que inocente aquele que cometeu o pecado, logo, não há necessidade de qualquer julgamento.

Logo, o Pai não julga a ninguém.


Se o Pai não julga a ninguém, se o Filho não julga a ninguém, quem é este que se atreve a julgar?? Para que julgar?? Ele já é culpado de pecado e não pode ser declarado inocente em hipótese alguma, além do que, a penalidade por qualquer pecado é a mesmíssima morte. Jesus afirmou quanto àquele que o desconsiderasse e que, embora o ouvisse, não recebesse suas declarações, suas afirmações (não depositasse fé nele, não concordasse): "Tem quem o julgue", mas, não sou eu. Jesus afirmou que a palavra julgaria a pessoa lá no último dia.

A palavra falada por Jesus provaria ser verdade no último dia, logo, aquele que falou contra a palavra de Jesus mostraria estar falando contra a verdade. Provaria ser culpado de pecado. Provaria pra quem?? Provaria para si mesmo e para aqueles que acreditavam nele.


NÃO IMPORTA O TIPO E A QUANTIDADE DE PECADOS PRATICADOS POR ALGUÉM; TODOS OS SEUS PECADOS SERÃO PERDOADOS.

Aceito esta OUTRA "verdade" saída da boca de Jesus?? Concordo com ela?? Esta INÉDITA afirmação é verdade?

Todos os pecados e todas as blasfêmias contra Jeová e Jesus serão perdoados aos homens; serão dívidas canceladas. Esta afirmação é válida para TODOS os humanos, VIVOS E MORTOS?? Trata-se de uma afirmação IMPARCIAL?? Serão perdoados apenas alguns "tipos" de homens ou serão perdoados TODOS os homens?? Será que o Pai tem filhos dos quais Ele guarda ressentimento e outros dos quais Ele não guarda ressentimento?? GUARDAR RESSENTIMENTO é o sinônimo de NÃO PERDOAR. NÃO GUARDAR RESSENTIMENTO é o sinônimo de PERDOAR.


RESSENTIMENTO > definição dada por certo dicionário (Houaiss):


ressentimento

s.m. (a1720) 1 ato ou efeito de ressentir(-se) 2 mágoa que se guarda de uma ofensa ou de um mal que se recebeu; rancor etim ressentir + -mento sin/var ver sinonímia de amofinação ant ver antonímia de desgosto


(Marcos 3:28-30) 28 Deveras, eu vos digo que TODAS AS COISAS SERÃO PERDOADAS AOS FILHOS DOS HOMENS, NÃO IMPORTA QUE PECADOS E BLASFÊMIAS COMETAM BLASFEMAMENTE. 29 No entanto, quem blasfemar contra o espírito santo, nunca terá perdão, mas é culpado de pecado eterno.” 30 Isto, porque diziam: “Ele tem um espírito impuro.” 

(Mateus 12:31-32) 31 “Por esta razão, eu vos digo: TODA SORTE DE PECADO E BLASFÊMIA SERÁ PERDOADA AOS HOMENS, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. 32 Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Marcos 3:28-29) 28 Em verdade vos digo: Que aos homens serão perdoados TODOS os pecados, e as blasfêmias que proferirem; 29 mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca mais terá perdão, pelo contrário é réu de um pecado eterno.


Assim verte a Tradução Almeida: (Marcos 3:28-29) 28 Em verdade vos digo: TODOS os pecados serão perdoados aos filhos dos homens, bem como todas as blasfêmias que proferirem; 29 mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca mais terá perdão, mas será réu de pecado eterno.


Que significa esta "verdade", na prática?? Sendo verdade esta afirmação, o que representará??
Significa que os humanos não foram julgados por seus terríveis pecados contra Jeová, quer tenham vivido antes ou depois de Jesus. Isto significa que embora haja punições aos humanos, até hoje, não houve nenhum julgamento aos humanos. Julgamento é uma coisa definitiva, segundo o conceito humano e que ocorre quando não há um perdão. Significa também que nenhum humano foi julgado (condenado à morte eterna) por seus terríveis pecados e blasfêmias contra Jesus.

Uma coisa é bastante clara, somente passa a existir julgamento quando não há perdão. Assim, havendo perdão não há necessidade de haver julgamento. Uma coisa anula a outra. No julgamento, o réu é declarado culpado ou inocente em relação àquilo que ele está sendo acusado. Poderia algum humano ser declarado inocente de ter cometido pecados??

Ficou bem claro que, se há perdão é porque houve o cometimento do pecado. Havendo o cometimento do pecado, o humano SEMPRE seria declarado culpado de pecado e NUNCA seria declarado inocente em um julgamento, logo, para o benefício do humano pecador não há julgamento. O que há no lugar do julgamento?? Há o perdão.


Já havia Jeová afirmado esta verdade a respeito de si mesmo, não é mesmo?? Sim, já havia falado. Estas foram as palavras saídas da boca de Jeová e faladas a Moisés, descrevendo sua personalidade, seus SENTIMENTOS e Sua maneira de fazer as coisas:

(Êxodo 34:4-7) . . .. 5 E Jeová passou a descer na nuvem e a pôr-se ali junto dele, e passou a declarar o nome de Jeová. 6 E Jeová ia passando diante da sua face e declarando: “Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade, 7 preservando a benevolência para com milhares, PERDOANDO O ERRO, e a transgressão, e o pecado, MAS DE MODO ALGUM ISENTARÁ DA PUNIÇÃO, trazendo punição pelo erro dos pais sobre os filhos e sobre os netos, sobre a terceira geração e sobre a quarta geração.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 34:4-7) 6 Passando Jeová por diante dele, proclamou: Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7 que guarda beneficência em milhares, QUE PERDOA A INIQÜIDADE, A TRANSGRESSÃO E O PECADO; e que de maneira alguma terá por inocente o culpado, visitando a iniqüidade dos pais nos filhos, e nos filhos dos filhos, na terceira e na quarta geração.


O JULGAMENTO SÓ OCORRE QUANDO NÃO OCORRE O PERDÃO.


VOU PERDOAR O ERRO, a transgressão e o pecado, NO ENTANTO, quando for necessário vou fazer uso da punição, isto é, um tipo de punição que Eu achar necessária para o caso. Como poderia haver punição e perdão ao mesmo tempo? Não podemos esquecer este fato: Na corrente do tempo, O Pai tem isentado todos os pecadores da “merecida” punição. Como poderia alguém ser punido com morte definitiva pelo erro de um antepassado já morto? Onde ficaria a imparcialidade de Jeová no caso de definitiva punição do neto pelo erro do avó?? Do mesmo modo como haveria definitiva punição no descendente pelo erro do antepassado, também haveria bênção para o descendente pela obediência do antepassado. Onde entraria aqui um imparcial julgamento definitivo?



O PUNIDO JÁ ESTÁ PERDOADO, COMO ISTO OCORRE??

Vejamos um exemplo real em que aquele que foi punido com a morte estava perdoado.

Depois do retorno dos doze espias da terra de Canaã e do relato que fez o povo revelar o que realmente tinha no coração, aconteceu algo. Assim está descrita a reação do povo:

(Números 14:1-4) 14 Então toda a assembléia levantou a sua voz, e o povo continuou a vozear e a chorar toda aquela noite. 2 E todos os filhos de Israel começaram a murmurar contra Moisés e Arão, e toda a assembléia começou a dizer contra eles: “Se tão-somente tivéssemos morrido na terra do Egito ou se tão-somente tivéssemos morrido neste ermo! 3 E por que nos leva Jeová a esta terra para cairmos pela espada? Nossas esposas e nossos pequeninos ficarão por saque. Não é melhor voltarmos ao Egito?” 4 Foram até dizer uns aos outros: “Designemos um cabeça e voltemos ao Egito!”

QUANDO JEOVÁ PASSA A SER VÍTIMA.


Ao ver a reação do povo amado (falta de fé), assim falou Jeová a Moisés:

(Números 14:11-12) 11 Por fim, Jeová disse a Moisés: “Até quando me tratará este povo sem respeito e até quando não depositarão fé em mim, em vista de todos os sinais que realizei entre eles? 12 Deixa-me golpeá-los com pestilência e desalojá-los, e deixa-me fazer de ti uma nação maior e mais forte do que eles.”

Moisés intercede e pede: Por favor, perdoa o erro deste povo.

(Números 14:19) 19 POR FAVOR, PERDOA o erro deste povo segundo a grandeza da tua benevolência e assim como perdoaste a este povo desde o Egito até agora.”

Jeová diz: Perdôo, mas vou puni-los. Veja, já me puseram a prova por dez vezes.

(Números 14:20-23) 20 Jeová disse então: “DEVERAS PERDÔO segundo a tua palavra. 21 E, por outro lado, assim como vivo, toda a terra se encherá da glória de Jeová. 22 MAS todos os homens que têm visto a minha glória e os meus sinais que realizei no Egito e no ermo, e que ainda assim persistiram em pôr-me à prova estas dez vezes e não escutaram a minha voz, 23 nunca verão a terra que jurei aos seus pais, sim, todos os que me tratam sem respeito não a verão.

Segundo Jeová, o povo havia persistido por DEZ vezes em colocá-lo à prova. E isto somente até aquele instante. Em todas estas ocasiões, o Pai poderia tê-los exterminado. No entanto, o Pai os havia perdoado todas estas DEZ vezes. Em nenhuma destas dez vezes o Pai dado ao povo aquilo que o povo merecia em face dos seus pecados. Não havia guardado ressentimento. Até aquele momento, O Pai havia deixado de dar uma punição que abrangesse a todos daquela geração; até aquele momento não haviam recebido o que mereciam.

Vou puni-los com uma morte no ermo; embora perdoados, toda uma geração foi punida com a morte:

(Números 14:29-32) 29 NESTE ERMO CAIRÃO OS VOSSOS CADÁVERES, sim, todos os vossos registrados de todo o vosso número, da idade de vinte anos para cima, vós os que resmungastes contra mim. 30 Quanto a vós, não entrareis na terra a respeito da qual ergui minha mão [em juramento] para residir convosco, com exceção de Calebe, filho de Jefuné, e Josué, filho de Num. 31 “‘“E vossos pequeninos, que dissestes ficariam por saque — a estes também hei de fazer entrar e hão de conhecer a terra que rejeitastes. 32 MAS OS VOSSOS PRÓPRIOS CADÁVERES CAIRÃO NESTE ERMO.... (Números 14:35) 35 “‘“Eu, Jeová, falei, se não é isto o que farei a toda esta assembléia má, estes que se combinaram contra mim: NESTE ERMO CHEGARÃO AO SEU FIM E ALI MORRERÃO.

Não houve uma morte instantânea destes humanos que revelaram ser rebeldes, que se combinaram contra Jeová. Estavam condenados a uma morte eterna?? O que Jeová falou?? DEVERAS, OS PERDOO. Neste caso, estes homens estavam perdoados?? Sim, estavam perdoados. Eles não entrariam na terra da promessa. Em lugar de morrerem na terra da promessa, eles morreriam ali mesmo no deserto, o que estava fora do desejo deles. Embora houvesse uma punição dada por Jeová, aquele que tinha a exclusiva prerrogativa de punir, não houve ressentimento da parte Dele pelas dez ofensas diretamente à face, pois, como prova disso, Jeová CONTINUOU seu relacionamento com os rebeldes, continuou o seu relacionamento com os iníquos, dando-lhes o maná diariamente, providenciando que suas roupas não se gastassem, dando-lhes outras regras para o dia a dia e outras punições, ou seja, manteve o mesmo relacionamento educativo com os iníquos, aqueles mesmos que ele determinou uma punição de morte no deserto. Assim, Jeová continuou morando com os iníquos.


Neste caso, a punição revelou não estar relacionado com o perdão. Mesmo perdoando o povo, o Deus Todo Poderoso resolveu punir toda aquela geração com a morte no deserto. Na verdade, qual era a punição para aquele que morria no deserto?? No entanto, a verdadeira punição daquela geração foi não ver a terra prometida e não se instalar na terra prometida.


Algum tempo mais tarde, já nos dias de Jeremias, quando já havia punido Israel, assim falou Jeová para o reino PUNIDO de Samaria, parte do povo escolhido e amado, que aqui Ele chamou de "Israel", revelando o objetivo da punição dada:

(Jeremias 3:11-13) 11 E Jeová prosseguiu, dizendo-me: "A infiel Israel mostrou que a sua própria alma era mais justa do que a traiçoeira Judá. 12 Vai, e tens de proclamar estas palavras ao norte e dizer: "‘"Volta deveras, ó renegada Israel", é a pronunciação de Jeová.’ ‘"Não deixarei a minha face decair [em ira] para convosco, porque sou leal", é a pronunciação de Jeová.’ ‘"Não ficarei ressentido por tempo indefinido. 13 TÃO-SOMENTE NOTA O TEU ERRO, pois é contra Jeová, teu Deus, que transgrediste. E continuaste a dispersar os teus caminhos para os estranhos, debaixo de cada árvore frondosa, mas a minha voz é que não escutastes", é a pronunciação de Jeová.’"


Anos depois da punição dada a Israel, assim falou Jeová: A traiçoeira Judá mostra ser mais iníqua do que a infiel Israel.


Bem, o que fazer agora com a traiçoeira Judá?? O que fazer com a punida infiel Israel??


Jeová fala para a punida infiel Israel: TÃO-SOMENTE NOTA O TEU ERRO. O HUMANO PRECISA PERCEBER E DEPOIS ADMITIR O SEU ERRO, ADMITIR QUE ESTÁ PECANDO, QUE NÃO ESTÁ FAZENDO AS COISAS DO JEITO COMO JEOVÁ PEDIU. AQUELA PUNIÇÃO DADA A ISRAEL TINHA ESTE AMOROSO OBJETIVO.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 3:13-14) 13 Tão somente RECONHECE a tua iniqüidade, RECONHECE que transgrediste contra Jeová teu Deus, e perverteste os teus caminhos aos estranhos debaixo de toda a árvore frondosa, e não obedeceste à minha voz, diz Jeová. 14 Voltai, filhos apóstatas, diz Jeová; porque eu sou vosso esposo. Eu vos tomarei um de cada cidade, e dois de cada família e vos levarei a Sião.


Alguma dúvida?? “Apenas reconheça que você pecou contra Mim”.

O que o humano devia falar para o Pai Celestial?? Após estar plenamente convencido, ele devia dizer: Pai, eu sou um iníquo; por favor, tenha piedade de mim.


PROMESSA de Jeová, um Deus Perdoador, para um povo rebelde, para um povo que abominou os Seus mandamentos: EU entrego a morte e EU vivifico.


EU ENTREGO A MORTE E EU VIVIFICO; FERI SERIAMENTE E EU VOU CURAR.


A quem Jeová entregaria a morte?? Pessoas justas ou pessoas iníquas?? Somente pessoas iníquas, obviamente. A quem Jeová vivificaria?? Vou vivificar àqueles a quem eu entreguei à morte. (Deuteronômio 32:39) 39 Vede agora que eu — eu é que o sou, E não há [outros] deuses comigo. EU entrego à morte e EU vivifico. Feri seriamente, e EU — EU vou curar, E não há quem arrebata da minha mão.

Vou vivificar os rebeldes que Eu entreguei à morte.


A PUNIÇÃO NÃO ERA O RESULTADO DE UM JULGAMENTO, não era uma sentença. O punido já está perdoado. Que importante papel desempenha a punição, para que o Criador não abra mão dela quando necessário, muito embora Ele perdoe àquele que Ele está punindo? Que tipo de punição é esta?? Perdoar é CANCELAR a dívida e não guardar ressentimento. Como cancelar a dívida e mesmo assim punir?? Como cancelar a dívida e ao mesmo tempo punir?? Como poderia o Criador ser imparcial ao estar punindo definitivamente um humano pelo erro de outro humano?? Se está perdoado, então POR QUE punir??

Ser imparcial é considerar e tratar a todos os humanos como iguais, tendo todos os humanos individualmente o mesmo valor, não importando seus antepassados, sua cor, sexo, nacionalidade, grau de informação, religião, grau de iniquidade, etc.


Se há perdão, embora haja punição, neste caso, a punição revela ter um importante papel. Neste caso, a punição mostra ser algo necessário.

Por que a punição mostra ser algo necessário??

O perdão é algo invisível, logo, ele passa despercebido por aquele que recebe o perdão. A punição é algo físico, visível e que pode ser observado de uma forma ou de outra.

Se o pai sempre conceder o perdão e não usar a punição, o que acontece??

O perdoado jamais se dá conta de seu erro.

Por vezes o perdoado tem opinião oposta à opinião do Pai, logo, ele precisa perceber que existe erro em suas palavras ou ações.

Havendo uma punição, e sabendo este humano, que a punição vem do Pai, de uma forma ou de outra, este humano vai parar para refletir sobre seus caminhos.

Quando o humano não percebe o perdão recebido, ele permanece jurando que está certo naquilo que faz, embora tenha ouvido falar que tal coisa seria errada.

Vemos assim que a punição é um instrumento imprescindível usado pelo Pai, e que tem um nobre objetivo.


SE HÁ "PUNIÇÃO" E HÁ "PERDÃO", ENTÃO HÁ O "DEPOIS DA PUNIÇÃO". SERÁ QUE O CRIADOR FALA SOBRE O "DEPOIS DA PUNIÇÃO"??

Afinal de contas, qual é o papel da punição do ponto de vista do Pai??

A afirmação acima, de Jeová a respeito de Si mesmo e a afirmação acima, de Jesus a respeito Dele ratificam (confirmam) a seguinte verdade a respeito de Jeová: O Pai não julga a ninguém.
Individualmente, aceito esta verdade a respeito de Jeová?? A afirmação “o Pai não julga a ninguém” saiu da boca de Jesus.


Depois de Jesus, quem afirmar que Jeová já julgou Sodoma à morte eterna estará afirmando que Jesus é mentiroso.

Depois de Jesus, quem afirmar que Jeová já julgou os mortos no dilúvio à morte eterna estará afirmando que Jesus é mentiroso.

Depois de Jesus, quem afirmar que qualquer das pessoas que morreram na destruição de Jerusalém em 70 EC, está julgada à morte eterna, estará afirmando que Jesus é mentiroso.

Depois de Jesus, quem afirmar que aqueles que ouvem e não obedecem as palavras de Jesus estão julgados com morte eterna, estará afirmando que Jesus é mentiroso.


Jeová, o Pai, não julga a ninguém. O Filho, Jesus, não julga a ninguém. Tal Pai, tal filho. A ordem de Jesus aos seus aprendizes foi: Parai de julgar; parai de condenar; não julgueis; não condeneis. Façam como eu faço: não julguem a ninguém, não condenem ninguém. Os discípulos copiavam a Jesus que por sua vez copiava O Pai. Jesus nunca pediu a alguém para fazer algo que ele mesmo ainda não estivesse fazendo. Jesus não fez nada que seu Pai já não tivesse feito.

Jesus sabia do grande amor que seu Pai sentia pelos filhos desobedientes, filhos que ofendiam diariamente ao Pai, logo, como poderia condenar àqueles que o Pai tanto ama??
Jesus disse: Eu não o julgo. Jesus não quis usurpar este DIREITO EXCLUSIVO do Pai, muito embora o Pai lhe tenha oferecido.


Desta forma, Jesus decidiu copiar o Pai em não julgar (condenar) nenhum humano.

Jeová já havia feito uma pergunta similar a um humano:

(Ezequiel 20:1-4) 20 Sucedeu então, no sétimo ano, no quinto [mês], no décimo [dia] do mês, [que] entraram homens dos idosos de Israel para consultar a Jeová, e eles passaram a assentar-se na minha frente. 2 Então veio a haver para mim a palavra de Jeová, dizendo: 3 “Filho do homem, fala com os idosos de Israel, e tens de dizer-lhes: ‘Assim disse o Soberano Senhor Jeová: “É para consultar a mim que estais chegando? ‘Assim como vivo, não serei consultado por vós’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.”’ 4 “JULGÁ-LOS-ÁS TU? JULGÁ-LOS-ÁS TU, Ó FILHO DO HOMEM? Faze-os saber as coisas detestáveis dos seus antepassados.


Terás a coragem de julgá-los, ó filho do homem? Tens a CAPACIDADE necessária para julgá-los?? Terás coragem de condená-los, ó filho do homem??


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 20:2-4) 2 Veio a mim a palavra de Jeová, dizendo: 3 Filho do homem, fala aos anciãos de Israel, e dize-lhes: Assim diz o Senhor Jeová: Acaso sois vós vindos a consultar-me? Pela minha vida, diz o Senhor Jeová, não me deixarei ser consultado de vós. 4 Acaso os julgarás, filho do homem, acaso os julgarás? faze-os conhecer as abominações de seus pais;


Não era para condenar; era para fazê-los conhecer suas abominações, era para fazê-los ver os erros de seus pais. Informe a eles sobre os seus erros e sobre os erros dos antepassados. Não julgue, apenas informe.


Houve punição, mas, não foi a punição PREVISTA e prometida para o caso. Muito tempo depois da morte de Moisés, Jeová passa a contar para Ezequiel, a história do Seu relacionamento com o povo amado. Depois de falar sobre a quantidade de erros do povo amado, as coisas detestáveis das diversas gerações do povo amado e que mesmo assim não os tinha merecidamente exterminado, executando um julgamento definitivo em face das coisas detestáveis feitas, nem mesmo executando uma remoção total sem julgamento definitivo, Jeová ainda disse mais no seu depoimento em 1ª pessoa (Eu):

(Ezequiel 20:8-10) 8 “‘“E eles começaram a rebelar-se contra mim e não quiseram escutar-me. As coisas repugnantes dos seus olhos eles não lançaram fora, individualmente, e não abandonaram os ídolos sórdidos do Egito, de modo que PROMETI derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no meio da terra do Egito. 9 E eu prossegui, agindo em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações entre as quais estavam, porque eu me dera a conhecer a eles perante os seus olhos, fazendo-os sair da terra do Egito. 10 Por isso os fiz sair da terra do Egito e os levei ao ermo.


Ainda no meio da terra do Egito, Eu poderia ter derramado sobre eles o meu furor”.

Fiz sair do Egito e levei ao ermo um povo rebelde que não quis Me escutar, NÃO FOI um povo obediente e fiel. Isto foi o que Jeová falou; foi um depoimento em 1ª pessoa (EU). Quem se apresenta para contestar o que Jeová falou??


Mostrou ser um povo rebelde que mesmo no ermo rejeitaram as minhas decisões judiciais e os meus estatutos.

(Ezequiel 20:13-14) 13 “‘“Mas eles, [os] da casa de Israel, rebelaram-se contra mim no ermo. Não andaram nos meus estatutos e rejeitaram as minhas decisões judiciais, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. E profanaram muitíssimo os meus sábados, de modo que PROMETI derramar sobre eles meu furor no ermo, A FIM DE EXTERMINÁ-LOS. 14 Mas AGI EM PROL DO MEU PRÓPRIO NOMEpara que não fosse profanado perante os olhos das nações, diante de cujos olhos eu os fizera sair.
 (Ezequiel 20:17) 17 “‘“E meu olho começou a TER DÓ deles [para me impedir] de arruiná-los, E NÃO OS EXTERMINEI NO ERMO.


Os filhos dos rebeldes também mostraram ser rebeldes contra Mim por não andarem nas minhas decisões judiciais nem nos meus estatutos.

(Ezequiel 20:21-22) 21 “‘“E OS FILHOS começaram a rebelar-se contra mim. Não andaram nos meus estatutos, e não guardaram as minhas decisões judiciais por cumpri-las, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. Profanaram meus sábados. De modo que PROMETI derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no ermo. 22 E RETIREI A MINHA MÃO e fui agir em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações, diante de cujos olhos eu os fizera sair.

  
 (Ezequiel 20:43-44) 43 E certamente vos LEMBRAREIS ali dos vossos caminhos e de todas as vossas ações com que vos aviltastes, e tereis realmente AVERSÃO às vossas próprias faces por causa de todas as vossas coisas más que fizestes. 44 E tereis de saber que eu sou Jeová, quando eu tomar ação contra vós por causa do meu nome, NÃO SEGUNDO OS VOSSOS CAMINHOS MAUS ou as vossas ações corruptas, ó casa de Israel’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.”


Além do mais, neste mesmo diálogo, Jeová afirmou que escutava tudo aquilo que o povo amado falava CONTRA Ele:  (Ezequiel 20:27) 27 “Portanto, fala à casa de Israel, ó filho do homem, e tens de dizer-lhes: ‘Assim disse o Soberano Senhor Jeová: “Ainda neste respeito vossos antepassados FALARAM DE MIM de modo ultrajante, AGINDO CONTRA MIM com infidelidade.


Jeová, O ofendido, deu o seu depoimento: "É um povo infiel e que ainda blasfema contra Mim".

Não tomei ação contra nenhuma das gerações anteriores segundo as más ações deles, não foi segundo o que vossos antepassados e o que vocês MERECIAM, antes, tomei ações contra eles e contra vós (punições) por causa do meu nome. NÃO FIZ O QUE PROMETI. EU TIVE DÓ DELES. Eu agi com MISERICÓRDIA todo o tempo. Eu sou Clemente. Não cumpri o que Eu prometi. ISTO SIGNIFICA QUE JEOVÁ NÃO TEM PALAVRA?? Ou será que a palavra falada, ou seja, a punição prometida, tinha um OBJETIVO a ser alcançado??


CLEMÊNCIA esta é a definição dada por certo dicionário -

CLEMÊNCIA  s.f. Virtude que consiste em perdoar ou atenuar os CASTIGOS; bondade, indulgência: agir com clemência. / Fig. Doçura: a clemência da temperatura.


Eu agi em prol do Meu nome. Vou continuar a tomar ações contra vós (punições), não segundo as vossas más ações, não será segundo o que vocês merecem, não será a penalidade PREVISTA, mas, novamente será por causa do meu nome. Continuarei a agir em prol do meu nome; continuarei tendo dó, continuarei agindo com misericórdia. Continuarei sendo clemente. DEPOIS DA MINHA PUNIÇÃO, vocês rebeldes SE LEMBRARÃO das suas más ações e TEREIS AVERSÃO às vossas próprias faces; a vergonha será de vocês. DEPOIS DA MINHA PUNIÇÃO, vocês finalmente me conhecerão. Infelizmente, será SÓ DEPOIS da minha punição, que vocês RECONHECERÃO seus próprios erros e finalmente me conhecerão. Aí está o grandioso papel da punição, que Jeová não abre mão. É UMA PUNIÇÃO MISERICORDIOSA. Minha punição tem objetivo definido, tem o propósito de ajudar o punido. Tem o misericordioso objetivo de ajudar o punido a refletir sobre seus pecados (erros).
Não agi segundo o que prometi; não fiz aquilo que havia prometido fazer. Onde cabe aqui a
teoria de julgamento definitivo pelos pecados cometidos?? Onde está o mérito?? Onde está a morte eterna para os rebeldes?? Rebelde não é aquele que ouve e não obedece?? Sim, isto mesmo.


Ora, uma coisa ficou bem clara: Jeová não estava agindo como um juiz.


Vocês precisam da punição para se convencerem de que estavam errados.
Filho do homem, se Eu não os julguei
segundo suas coisas detestáveis, segundo suas rebeldias, julgá-los-á tu? Eu não os condenei, condena-los-á tu?? Filho do homem, Eu fui o ofendido e não os julguei pelos seus maus caminhos ou suas más ações; julgá-los-á tu?
Estes, ouviram e não obedeceram a Jeová, se rebelaram contra Jeová, e no entanto, o próprio Pai afirmou que não os julgou. Julgá-los-á tu, ó filho do homem???


O Bom é recompensado com vida eterna e o iníquo é recompensado com morte eterna, de acordo com o merecimento de cada um - onde fica tal regra?? Onde está o relacionamento meritório?? Ao “fiel” dou minha aprovação e ao “infiel” dou a minha condenação. Onde está a irreversível sentença que é fruto do julgamento?? No julgamento, a pessoa é declarada culpada ou inocente em relação a um pecado. Havia alguém que pudesse ser declarado “inocente”??

Confirmando a verdade de que não estava julgando (condenando à morte eterna) seu povo amado, no entanto rebelde e obstinado no coração, assim falou Jeová para e através de seu porta-voz Jeremias: "Depois da punição", lá NA PARTE FINAL DOS DIAS, vós compreendereis. As palavras de Jeová foram:

(Jeremias 23:17-20) 17 Dizem vez após vez aos que são DESRESPEITOSOS para comigo: ‘Jeová falou: “Paz é o que vós ireis ter.”’ E [a] todo aquele que anda na obstinação de seu coração disseram: ‘Nenhuma calamidade virá sobre vós.’ 18 Pois, quem estava de pé no grupo íntimo de Jeová para ver e ouvir a sua palavra? Quem deu atenção à sua palavra para ouvi-la? 19 Eis que certamente sairá o vendaval de Jeová, o próprio furor, sim, uma tormenta rodopiante. Rodopiará sobre a cabeça dos iníquos. 20 A ira de Jeová não recuará até que ele tenha executado e até que tenha realizado as idéias de seu coração. NA PARTE FINAL DOS DIAS dareis a isso vossa consideração com compreensão.


Tratava-se de um coração obstinado ou um bom coração??


Enfatizando o ponto em questão, assim repetiu o Todo Sábio Criador: "Vós iníquos punidos com minha tormenta impetuosa, dareis a isto a vossa consideração, lá na parte final dos dias. O que acontecerá naquele tempo? E quanto a vós, toda a família de Israel, tornar-se-ão meu povo." Os iníquos não compreendiam; os iníquos precisavam compreender; os iníquos finalmente compreenderiam. Assim falou Jeová:

(Jeremias 30:19-31:1) 19 E certamente sairá deles agradecimento e o som dos que estão rindo. E eu vou multiplicá-los e não se tornarão poucos; e vou fazê-los ponderosos em número, e não se tornarão insignificantes. 20 E os filhos dele terão de tornar-se como outrora e a própria assembléia dele ficará firmemente estabelecida perante mim. E vou voltar minha atenção para todos os seus opressores. 21 E seu majestoso certamente virá a proceder dele e do meio dele sairá o seu próprio governante; e vou fazê-lo chegar perto e ele terá de aproximar-se a mim.” “Pois, então, quem é este que deu seu coração em penhor, a fim de se aproximar a mim?” é a pronunciação de Jeová. 22 “E VÓS haveis de tornar-vos meu povo e eu mesmo me tornarei vosso Deus.” 23 Eis que saiu de Jeová um vendaval, o próprio furor, uma tormenta impetuosa. Rodopiará sobre a cabeça dos iníquos. 24 A ira ardente de Jeová não recuará até que ele tenha executado e até que tenha realizado as idéias de seu coração. NA PARTE FINAL DOS DIAS VÓS LHE DAREIS A VOSSA CONSIDERAÇÃO. 31 “Naquele tempo”, é a pronunciação de Jeová, “tornar-me-ei Deus para TODAS as famílias de Israel; e quanto a eles, tornar-se-ão meu povo”.


Assim verte a Tradução Brasileira:


(Jeremias 30:23-24) 23 Eis que a tempestade de Jeová, seu furor, já saiu, sim uma tempestade varredeira; descarregar-se-á sobre a cabeça dos iníquos. 24 Não retrocederá o ardor da ira de Jeová, até que ele tenha executado, e até que tenha cumprido os desígnios do seu coração. Nos últimos dias entendereis isso.



A quem falava Jeová tais palavras?? Quem eram os iníquos a serem punidos? Alguém deixou de ser punido? Fome, espada, pestilências, feras da terra, morte e serem retirados à força da terra que mana leite e mel, serem dispersados para um período de exílio em outras terras. Será que alguém escapou de tais punições? Não houve nenhuma exceção. Nem um único homem deixou de receber punição. Havia algum inocente, ou seja, que não fosse culpado de pecado?? Toda aquela geração iníqua sofreu a punição. Jeová havia dito: “Se houver um único homem que pratique a justiça…. Eu não destruirei a cidade”.

(Jeremias 5:1-2) 5 Percorrei as ruas de Jerusalém e vede, pois, e sabei e procurai vós mesmos nas suas praças públicas se podeis achar UM HOMEM, se existe ALGUÉM que pratique a justiça, ALGUÉM que procure a fidelidade, E EU PERDOAREI A ELA. 2 Mesmo que dissessem: “Por Jeová que vive!” estariam com isso jurando pura falsidade.


Não havia NENHUM homem que praticasse a justiça?? Na “cidade santa” habitada por um “povo santo”, não havia um único homem que praticasse a justiça?? Todos eram iníquos?? Nem mesmo Jeremias ou Baruque se enquadravam no perfil de “praticante da justiça”?? A afirmação de Jeová foi: “Mesmo que jurassem pelo Meu nome, estariam jurando pura falsidade”. Havia iníquos que juravam que não eram iníquos. Será que a completa destruição da cidade e do templo e o exílio de toda aquela geração forneceram a devida resposta?? Não ter perdoado a cidade e seus habitantes, ou seja, não ter deixado de executar a punição anunciada, representou um definitivo julgamento para aquela geração?? Será que Jeová exterminou aquela geração?? Jeová afirmou para estes, que somente na parte final dos dias é que eles compreenderiam, somente nos últimos dias. Ficariam eles vivos até os “últimos dias”?? Morreram todos, não morreram?? Neste caso, o perdão representava deixar de cumprir aquilo que Ele havia prometido fazer contra aquela geração, como já havia acontecido em ocasiões anteriores. Neste caso, Jeová deixaria de destruir a cidade de Jerusalém e o templo, tão idolatrados por aqueles humanos.


Depois desta destruição total e exílio total (escravos ou não), quem afirmar que havia praticantes da justiça na cidade, estará chamando a Jeová de iníquo, aquele que puniu praticantes da justiça. Assim, os “praticantes da justiça” estavam sendo punidos só por estarem junto com os iníquos?? Se Jeová descreveu a todos como sendo iníquos, quem ousaria desmentir a Jeová??


JUSTO NÃO RECEBE PUNIÇÃO. PUNIR UM JUSTO É PRATICAR UMA INIQUIDADE.


A cidade e o templo, tão venerados e idolatrados por eles, foram totalmente destruídos.
Afinal, para quem estava Jeová falando tais palavras acima? Não estava falando exatamente para aqueles que já estavam
sendo punidos por Ele?

Realmente, não estavam sendo definitivamente julgados; estavam APENAS sendo PUNIDOS com a morte. Toda aquela geração estava recebendo punição, exatamente como aquela geração lá no ermo, embora não estivessem recebendo aquilo que mereciam. HAVERÁ O "DEPOIS DA PUNIÇÃO", foi o que garantiu Jeová. Haverá o "depois da punição". Haverá compreensão. Eles tornar-se-ão meu povo. Eles, quem? Os rebeldes punidos, todas as gerações de punidos. Não afirmavam ser o povo de Deus?? Quem pode desafiar a decisão de Jeová??


"DEPOIS DA PUNIÇÃO QUE EU ESTIPULAR, VOU PERDOAR-LHES TODOS OS PECADOS COM QUE PECARAM CONTRA MIM". Eles já haviam pecado e estavam sendo punidos. Outros já estavam mortos, já tinham sido golpeados. Mortos não se arrependem, não lamentam, não mudam de opinião. Estas foram palavras saídas da boca de Jeová. Assim falou Jeová:

(Jeremias 33:4-9) 4 “Pois assim disse Jeová, o Deus de Israel, a respeito das casas desta cidade e a respeito das casas dos reis de Judá, que estão demolidas por causa dos aterros de sítio e por causa da espada; 5 [a respeito] dos que estão chegando para lutar contra os caldeus e para encher espaços com os cadáveres dos homens que golpeei na minha ira e no meu furor, e por cuja maldade toda eu escondi minha face desta cidade: 6 ‘Eis que suscito para ela restabelecimento e saúde; e eu VOU SARÁ-LOS e revelar-lhes uma abundância de paz e de verdade. 7 E VOU TRAZER DE VOLTA OS CATIVOS de Judá e os cativos de Israel, e VOU EDIFICÁ-LOS assim como no princípio. 8 E eu vou purificá-los de todo o seu erro com que pecaram contra mim e VOU PERDOAR-LHES TODOS OS ERROS COM QUE PECARAM CONTRA MIM e com que transgrediram contra mim. 9 E ela certamente se tornará para mim um nome de exultação, louvor e beleza para com todas as nações da terra, que ouvirão [falar] de toda a bondade que eu lhes faço. E certamente ficarão apavorados e agitados por causa de toda a BONDADE e por causa de toda a paz que faço [vir] a ela.’”


Os que recebiam punição eram aqueles que seriam perdoados de todos os erros. Ora, se seriam perdoados, então porque seriam punidos??? A punição não era fruto do julgamento de um juiz??


Eles precisavam admitir que estavam cometendo iniquidades, precisavam admitir que eram iníquos.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 33: 8-9) 8 Purificá-los-ei de toda a sua iniqüidade, em que pecaram contra mim; e lhes perdoarei TODAS as suas iniqüidades, com que pecaram contra mim, e com que transgrediram contra mim. 9 Esta cidade me servirá de nome, de gozo, de louvor e de glória, diante de todas as nações da terra, que ouvirem todo o bem que eu lhes estou fazendo, e que temerem e tremerem por causa de todo o bem e por causa de toda a paz que eu lhes estou proporcionando.


Não se tratava de perdoar erro dos futuros judeus (descendentes) que voltariam para reconstruir Jerusalém, antes, tratava-se de pecados já cometidos, transgressões já cometidas contra Jeová. "Pecaram" e "transgrediram" são expressões de tempo passado em relação ao momento da pronúncia, isto é, já havia acontecido. Jeová fala em cadáveres dos homens que ele já havia golpeado. Ele, o ofendido, afirma naquele momento: Vou sará-los, vou edificá-los, VOU PERDOAR-LHES TODOS OS PECADOS. Está apavorado com tamanha bondade?? Esta é a bondade de Jeová.


NÃO VOU CONDENÁ-LOS” por seus pecados;

VOU PERDOAR-LHES” TODOS OS PECADOS.


Houve punição acompanhada de perdão, logo, não houve condenação. Condenação é o resultado de um julgamento.


Muitos desejam uma punição definitiva. No entanto, o que isto revela?? Não revela a existência de um ressentimento eterno??


Precisavam de cura, precisavam ser curados; não precisavam de julgamento condenatório; não precisavam de morte eterna. A “morte eterna” para estes homens representaria que “guardou-se ressentimento” destes homens. Na visão de Jeová, estes eram homens doentes, filhos doentes. O coração destes homens estava doente.

Jeová falou: Eu sou aquele que OBLITERA as tuas transgressões POR MINHA PRÓPRIA CAUSA. O que é obliterar?

(Isaías 43:22-25) 22 “Mas tu não me invocaste, ó Jacó, porque te fatigaste de mim, ó Israel. 23 Não me trouxeste o ovídeo do teu holocausto e não me glorificaste com os teus sacrifícios. Não te compeli a servir-me com um presente, nem te fatiguei com olíbano. 24 Não compraste para mim nenhuma cana [doce] com dinheiro; e não me saturaste com a gordura dos teus sacrifícios. Na realidade, tu me compeliste a servir, por causa dos teus pecados; fatigaste-me com os teus erros. 25 Eu é que sou Aquele que OBLITERA as tuas transgressões POR MINHA PRÓPRIA CAUSA, e não me lembrarei dos teus pecados.

POR MINHA PRÓPRIA CAUSA – ONDE ESTÁ O “MÉRITO” DE QUEM É PERDOADO??


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Isaías 43:25) 25 Eu, eu mesmo sou o que APAGO as tuas transgressões por amor de mim; não me lembrarei dos teus pecados.


A definição dada por certo dicionário para o termo obliterar. Trata-se de apagar. Não havia mérito da parte do beneficiado. "É de minha própria vontade que Eu apago tuas transgressões". Eu me esqueço delas; Eu não guardo ressentimento.


OBLITERAR v.t. Apagar, destruir progressivamente com o uso; suprimir. / Fig. Fazer esquecer, ficar esquecido. / Medicina - Obstruir (um vaso, um conduto, uma cavidade); fechar pouco a pouco, por aderência das paredes ou por qualquer outra causa.

Alguém ainda pode argumentar: Se a punição não foi a PROMETIDA para o caso, então o mérito está naquele que recebeu uma outra punição. Este argumento desvaloriza a ação daquele que é ofendido e puni (Jeová), para exaltar aquele que recebeu a punição (o humano). De novo, outra ofensa contra Jeová.

A VOLTA DE SAMARIAUMA PROVA DE QUE EXISTE O “DEPOIS DA PUNIÇÃO” DE UM INÍQUO COM A MORTE.

Alguns anos depois de punir o reino de Samaria (Efraim), Jeová assim falou para Jeremias:

(Jeremias 31:18-20) 18 “Ouvi positivamente Efraim lastimar-se:Corrigiste-me, para que eu ficasse corrigido, como o bezerro que não foi treinado. Faze-me voltar e eu voltarei prontamente, porque tu és Jeová, meu Deus. 19 Pois, APÓS A MINHA VOLTA senti lástima; e depois que se me fez saber bati na coxa. Fiquei envergonhado e senti-me também humilhado, porque eu levara o vitupério da minha mocidade.’” 20 “É Efraim para mim um filho precioso ou um menino tratado com mimo? Pois, ao ponto de eu falar contra ele, sem falta ME LEMBRAREI DELE AINDA MAIS. Por isso é que as minhas entranhas ficaram turbulentas por ele. Decididamente terei piedade dele”, é a pronunciação de Jeová.

EU NÃO GUARDO RESSENTIMENTO.

SEM FALTA ME LEMBRAREI DELE AINDA MAIS – lembrar-se de um filho iníquo que teve de ser punido com a morte?? Trazer de volta este filho?? Não se trata de um julgamento definitivo de um filho rebelde?? Revela haver alguma espécie de “ressentimento” em Jeová?? Qual é o insistente “objetivo” de Jeová??

Assim verte a Tradução Almeida:

(Jeremias 31:18-20) 18 Bem ouvi eu que Efraim se queixava, dizendo: Castigaste-me e fui castigado, como novilho ainda não domado; restaura-me, para que eu seja restaurado, pois tu és o Senhor meu Deus. 19 Na verdade depois que me desviei, arrependi-me; e depois que fui instruído, bati na minha coxa; fiquei confundido e envergonhado, porque suportei o opróbrio da minha mocidade. 20 Não é Efraim meu filho querido? filhinho em quem me deleito? Pois quantas vezes falo contra ele, tantas vezes me lembro dele solicitamente; por isso se comovem por ele as minhas entranhas; deveras me compadecerei dele, diz o Senhor.



O QUE FARÁ JEOVÁ POR AQUELE QUE PRATICOU “COISAS RUINS”?? Efraim (Samaria) destacou-se por praticar coisas ruins e foi punida por praticar coisas ruins, no entanto, o que Jeová afirmou que ELE fará em benefício dela??? (Oséias 13:12-14) 12 “O erro de Efraim está embrulhado, seu pecado está entesourado. 13 O que virá a ele são as dores agudas de parto da parturiente. Ele é filho que não é sábio, pois na época não ficará parado por ocasião do irrompimento dos filhos [da madre]. 14 “DA MÃO DO SEOL OS REMIREI; DA MORTE OS RECUPERAREI. Onde estão os teus aguilhões, ó Morte? Onde está a tua qualidade destrutiva, ó Seol? A própria compaixão ficará escondida dos meus olhos.

Os que praticaram coisas ruins serão recuperados da morte. Jeová afirmou que ELE fará isto. Alguém pode impedir que Jeová faça a Sua vontade?? Todos os que praticaram coisas ruins serão ressuscitados.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Oséias 13:14) 14 Eu os REMIREI do poder do Seol, e os RESGATAREI da morte. Onde estão, ó morte, as tuas pragas? Onde está, ó Seol, a tua destruição? A compaixão está escondida de meus olhos.



JEOVÁ NÃO É UM DESTRUIDOR – ELE É UM RECUPERADOR.

JEOVÁ DEIXOU DE DAR A PUNIÇÃO MERECIDA E PROMETIDA, PARA DAR UMA LEVE PUNIÇÃO, UMA OUTRA, CUJO TAMANHO E OBJETIVO, FORAM DEFINIDOS POR JEOVÁ, ALÉM DE APAGAR TODO O ERRO COMETIDO. “EU SOU CLEMENTE” – AFIRMOU JEOVÁ.

NÃO FOI EXATAMENTE ASSIM QUE JEOVÁ HAVIA AGIDO COM AQUELE HUMANO QUE MOSTROU SER MAIS INÍQUO QUE TODOS OS SEUS ANTECESSORES??

Houve extrema iniquidade, avisos, desconsideração dos avisos, punição e o "DEPOIS DA PUNIÇÃO". Houve o cancelamento da grandiosa dívida. Manassés, o mais iníquo que todos os amorreus que haviam habitado na terra que mana leite e mel, foi assim tratado por Jeová:

(2 Crônicas 33:1-16) 33 MANASSÉS tinha doze anos de idade quando começou a reinar e reinou por cinqüenta e cinco anos em Jerusalém. 2 E ele passou a fazer o que era mau aos olhos de Jeová, segundo as coisas detestáveis das nações que Jeová tinha desalojado de diante dos filhos de Israel. 3 De modo que reconstruiu os altos que Ezequias, seu pai, tinha demolido, e erigiu altares aos Baalins e fez postes sagrados, e começou a curvar-se diante de todo o exército dos céus e a servi-los. 4 E construiu altares na casa de Jeová, referente à qual Jeová dissera: “Em Jerusalém mostrará estar meu nome por tempo indefinido.” 5 E foi construir altares a todo o exército dos céus em dois pátios da casa de Jeová. 6 E ele mesmo FEZ OS SEUS PRÓPRIOS FILHOS PASSAR PELO FOGO no vale do filho de Hinom, e praticou a magia, e fez uso da adivinhação, e praticou a feitiçaria, e constituiu médiuns espíritas e prognosticadores profissionais de eventos. Fez em grande escala o que era mau aos olhos de Jeová para o ofender. 7 Além disso, a imagem esculpida que fizera ele colocou na casa do [verdadeiro] Deus, a respeito da qual Deus dissera a Davi e a Salomão, seu filho: “Nesta casa e em Jerusalém, que escolhi dentre todas as tribos de Israel, porei meu nome por tempo indefinido. 8 E não removerei mais o pé de Israel do solo que designei aos seus antepassados, se tão-somente cuidarem de fazer tudo o que lhes ordenei referente a toda a lei, e aos regulamentos, e às decisões judiciais, pela mão de Moisés.” 9 E Manassés continuou a seduzir Judá e os habitantes de Jerusalém para fazerem pior do que as nações que Jeová aniquilara de diante dos filhos de Israel. 10 E JEOVÁ FALAVA A MANASSÉS e a seu povo, mas eles não prestavam atenção. 11 Por fim, Jeová trouxe contra eles os chefes do exército que pertencia ao rei da Assíria E ELES CAPTURARAM, POIS, A MANASSÉS nos recessos e prenderam-no com dois grilhões de cobre, E LEVARAM-NO A BABILÔNIA. 12  E ASSIM QUE ISTO LHE CAUSOU AFLIÇÃO, ABRANDOU A FACE DE JEOVÁ , seu Deus, e continuou a humilhar-se grandemente por causa do Deus de seus antepassados. 13 E orava a Ele, de modo que se deixou suplicar por ele e OUVIU seu pedido de favor, e RESTAUROU-O a Jerusalém AO SEU REINADO; e Manassés VEIO A SABER QUE Jeová é o [verdadeiro] Deus. 14 E depois construiu uma muralha externa para a Cidade de Davi, ao oeste de Giom, no vale da torrente e até o Portão do Peixe, e [a] fez dar volta até Ofel e passou a fazê-la muito alta. Além disso, pôs chefes da força militar em todas as cidades fortificadas de Judá. 15 E PASSOU A REMOVER da casa de Jeová os deuses estrangeiros e o ídolo, bem como todos os altares que tinha construído no monte da casa de Jeová e em Jerusalém, e então os fez lançar fora da cidade. 16 Outrossim, preparou o altar de Jeová e começou a sacrificar sobre ele sacrifícios de participação em comum e sacrifícios de agradecimento, e prosseguiu, dizendo a Judá que servisse a Jeová, o Deus de Israel.. . . (2 Reis 21:10-11) 10 E Jeová continuou a falar por meio dos seus servos, os profetas, dizendo: 11 “Visto que Manassés, rei de Judá, fez estas coisas detestáveis, ELE AGIU DE MODO MAIS INÍQUO DO QUE TODOS 'OS AMORREUS ANTES DELE, e passou a fazer até mesmo Judá pecar com os seus ídolos sórdidos. . .


O humano que age desta forma tem um bom coração??

Manassés foi tratado com muita bondade, com a “bondade de Jeová”. Por todos estes "crassos" pecados cometidos durante tanto tempo, Jeová ficou satisfeito em APENAS causar aflição a Manassés. APENAS perder uma batalha e ser levado cativo. Jeová não o puniu segundo suas más ações; ele não recebeu o que ele merecia. A punição tinha um nobre objetivo. JEOVÁ COMPROVOU SER CLEMENTE. O sangue dos seus inocentes filhos também clamavam a Jeová desde o solo. Depois de todas estas coisas más praticadas junto com a desconsideração dos diversos avisos, Jeová ainda lhe restituiu a condição anterior de rei? Sim. Não foi rebaixado? Não, não foi. Sua grande dívida foi simplesmente cancelada. Como prova de que estava realmente cancelada toda a sua dívida, Manassés foi restituído a sua condição anterior. Podemos dizer que estava zero a zero. A dívida foi apagada. JEOVÁ NÃO GUARDOU RESSENTIMENTO. Quanta bondade! Quanta bondade!! Quanta bondade para com o "mais iníquo que todos os amorreus antes dele". Um ato unilateral de Jeová.
Tinha Manassés um "bom coração" para MERECER tal tratamento bondoso?? Muitos afirmam que sim. Muitos afirmam que isto seria um pré-requisito indispensável. Jesus responde a esta pergunta:

(Mateus 15:18-19) 18 No entanto, as coisas procedentes da boca saem do coração, e estas coisas aviltam o homem. 19 Por exemplo, do coração vêm raciocínios iníquos, assassínios, adultérios, fornicações, ladroagens, falsos testemunhos, blasfêmias. (Marcos 7:20-23) 20 Outrossim, ele disse: “O que sai do homem é o que avilta o homem; 21 pois, de dentro, dos corações dos homens, saem raciocínios prejudiciais: fornicações, ladroagens, assassínios, 22 adultérios, cobiças, atos de iniqüidade, fraude, conduta desenfreada e um olho invejoso, blasfêmia, soberba, irracionalidade. 23 Todas estas coisas iníquas SAEM DE DENTRO e aviltam o homem.”

Bom coração tem aquele que não possui nenhuma destas coisas em seu coração. Revelando não possuir nenhuma iniquidade no coração, ele não praticará nenhuma destas iniquidades.

Esta afirmação de Jesus deixa claro que o pecado praticado REVELA o que há no coração daquele que praticou tal pecado. Primeiro o coração fica doente e depois, só depois é que a doença é revelada aos demais humanos através da palavra e através das ações do doente. Quem ousa discordar de Jesus??? Discordar de Jesus é o mesmo que discordar de Jeová, não é mesmo?? Afinal, Jesus só repetia as palavras do Pai, aquele que o ensinava.

Estas outras AFIRMAÇÕES de Jesus nos ajudam a entender o ponto em questão:

(Mateus 5:27-28) 27 “Ouvistes que se disse: ‘Não deves cometer adultério.’ 28 Mas eu vos digo que todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela, já COMETEU NO CORAÇÃO adultério com ela.

O pecado já aconteceu no coração; primeiro o pecado acontece no coração. Para Jeová, aquele homem já cometeu o pecado, muito embora o pecado ainda não tenha sido materializado à vista de outros humanos. O coração se torna iníquo muito antes do pecado ser materializado em palavras ou ações. O fato do coração ter se tornado iníquo já coloca tal pessoa sob a sentença de morte, pois PARA JEOVÁ este homem já é culpado de pecado. Neste exato momento, somente Jeová sabe do pecado. Somente Jeová sabe da condição iníqua daquele coração. O que Jeová falou para Caim, antes deste tornar visível o seu pecado??

(Gênesis 4:5-7) . . .. 6 Então Jeová disse a Caim: “Por que se acendeu a tua ira e por que descaiu o teu semblante? 7 Se te voltares para fazer o bem, não haverá enaltecimento? Mas, se não te voltares para fazer o bem, HÁ O PECADO AGACHADO À ENTRADA e tem desejo ardente de ti; e conseguirás tu dominá-lo?”


O coração de Caim começou a experimentar tais sentimentos iníquos, e, apesar da admoestação de Jeová, tornou-se iníquo. Depois, a ação iníqua foi externada, isto é, foi praticado aquilo que foi decidido no coração iníquo. Um coração bom não planeja e não admite praticar uma ação iníqua.

Caim continuou furioso com seu irmão. Continuar furioso já é pecado?? A afirmação de Jesus, no Sermão do Monte, responde a esta pergunta:

(Mateus 5:21-22) 21 “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar; mas quem cometer um assassínio terá de prestar contas ao tribunal de justiça.’ 22 No entanto, digo-vos que TODO AQUELE QUE CONTINUAR FURIOSO COM SEU IRMÃO TERÁ DE PRESTAR CONTAS AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA; mas, quem se dirigir a seu irmão com uma palavra imprópria de desprezo terá de prestar contas ao Supremo Tribunal; ao passo que quem disser: ‘Tolo desprezível!’, estará sujeito à Geena ardente.


Continuar furioso com alguém é tão pecado quanto tirar a vida de alguém. Continuar furioso ocorre no coração.

A sentença para cada pecado é a morte, independente da QUANTIDADE; a sentença para todo e qualquer pecado é a morte, independente do TIPO de pecado. Para que o morto volte a viver, ele tem de ser perdoado por Aquele a quem o morto ofendeu, isto é, Jeová. NÃO GUARDAR RESSENTIMENTO É A PROVA DE QUE OCORREU O PERDÃO, e vice-versa.


Davi guardou ressentimento de Simei durante muitos anos, apesar da afirmação de tê-lo perdoado. Assim, estando perto da morte, Davi solicitou a seu filho Salomão que encontrasse uma maneira de matar Simei. Não deixe de matá-lo, pediu Davi. Que espécie de perdão ocorreu??

(1 Reis 2:8-9) 8 “E eis que há contigo Simei, filho de Gera, benjaminita de Baurim, e foi ele quem invocou o mal sobre mim com uma penosa invocação do mal, no dia em que fui a Maanaim; e foi ele quem desceu ao meu encontro até o Jordão, de modo que lhe jurei por Jeová, dizendo: ‘Não te entregarei à morte pela espada.’ 9 E agora, não o deixes impune, porque és homem sábio e sabes muito bem o que lhe deves fazer, E TERÁS DE FAZER OS SEUS CABELOS GRISALHOS DESCER COM SANGUE AO SEOL.”


GUARDAR RESSENTIMENTO É PECADO?? Sim, o próprio Jeová, sabiamente, assim o determinou para Moisés:

(Levítico 19:18) 18 “‘NÃO DEVES TOMAR VINGANÇA NEM TER RESSENTIMENTO contra os filhos do teu povo; e tens de amar o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou Jeová.


Se tivesse havido perdão, não teria havido ressentimento e não teria havido uma ação de inimizade de Davi contra Simei através de Salomão.


As ações praticadas REVELAM o tipo de coração que pessoa tem, afirmou Jesus. Primeiro, o coração fica iníquo e somente DEPOIS é que aparece o ato iníquo. Acredito no que Jesus falou?? Também é inédito. Aceito como "verdade" esta afirmação de Jesus?? Uma verdade não permite exceção. Neste caso, usando a verdade falada por Jesus como base, Manassés não tinha um "bom coração". Ademais, se o próprio Jeová afirmou que Manassés ERA mais iníquo que TODOS os amorreus antes dele, então, Manassés era o mais iníquo. A palavra falada por Jeová é a VERDADE, sempre. Quem se atreve a chamar Jeová de mentiroso??


Em relação a todo o seu povo, a todas as gerações do povo escolhido, Jeová afirmou que eles tinham um mau coração. Certamente havia uma grave doença no coração destes homens. Assim falou Jeová no momento de punição:

(Jeremias 16:10-13) 10 E terá de acontecer que, quando contares a este povo todas estas palavras e eles realmente te disserem: ‘Por que razão proferiu Jeová contra nós toda esta grande calamidade, e qual é nosso erro e qual é nosso pecado com que pecamos contra Jeová, nosso Deus?’, 11 então terás de dizer-lhes: ‘“Pelo fato de que os vossos pais me abandonaram”, é a pronunciação de Jeová, “e seguiram andando atrás de outros deuses, e continuaram a servi-los e a curvar-se diante deles. Mas a mim me deixaram, e a minha lei não guardaram. 12 E vós mesmos agistes PIOR do que vossos pais, naquilo que fizestes, e eis que estais andando, CADA UM, atrás da obstinação de seu MAU CORAÇÃO, não me obedecendo. 13 E eu vou arremessar-vos para fora desta terra, para uma terra que não conhecestes, nem vós, nem vossos pais, e lá tereis de servir a outros deuses, dia e noite, porque não vos concederei nenhum favor.”’


Aquele que pratica iniquidade é porque tem um mau coração – afirmação de Jeová.


A afirmação de Jeová em relação ao coração de todo o seu povo foi: “Fizeram seu coração tão duro quanto pedra de esmeril”. Não obedeceram as palavras que Jeová enviava através dos profetas, exatamente por terem um coração tão duro quanto pedra de esmeril. Destes, Manassés foi o principal, foi aquele que mais se destacou.

(Zacarias 7:10-12) . . .’ 11 Mas, persistiram em negar-se a prestar atenção e continuaram a oferecer um ombro obstinado, e fizeram seus ouvidos demasiadamente irresponsivos para ouvir. 12 E TORNARAM SEU CORAÇÃO COMO PEDRA DE ESMERIL para não obedecer à lei e às palavras que Jeová dos exércitos enviara por meio de seu espírito, por intermédio dos profetas anteriores; de modo que ocorreu grande indignação da parte de Jeová dos exércitos.”


ESMERIL - A pedra mais dura que pode ser encontrada.


Assim define certo dicionário:

ESMERIL s.m. Rocha natural que contém cristais de alumina de grande dureza e cujo pó é utilizado como abrasivo. / Pedra de afiar, desbastar ou polir, geralmente de forma circular, acionada por motor ou manivela.


Aquele que não obedece é porque tem um coração duro, duro como o diamante.


Assim verte a Tradução Almeida:

Zacarias 7:10-12) 11 Eles, porém, não quiseram escutar, e me deram o ombro rebelde, e taparam os ouvidos, para que não ouvissem. 12 Sim, fizeram duro como diamante o seu coração, para não ouvirem a lei, nem as palavras que o Senhor dos exércitos enviara pelo seu Espírito mediante os profetas antigos; por isso veio a grande ira do Senhor dos exércitos.



Depois desta afirmação de Jeová, onde se pode encontrar um bom coração no caso de Manassés??


A seqüência correta do que aconteceu no caso de Manassés foi assim retratado por Jesus:

(Lucas 7:40-43) 40 Jesus disse-lhe, porém, em resposta: “Simão, tenho algo para dizer-te.” Ele disse: “Instrutor, dize-o!” 41 “Dois homens eram devedores de certo credor; um devia quinhentos denários, mas o outro, cinqüenta. 42 Quando não tinham com que [lhe] pagar de volta, perdoou liberalmente a ambos. Portanto, qual deles o amará mais?” 43 Em resposta, Simão disse: “Suponho que seja aquele a quem perdoou liberalmente mais.” Disse-lhe ele: “Julgaste corretamente.”


Primeiro ocorreu o perdão sem haver mérito. O ato a ser exaltado é o ato do perdoador. O perdoador agiu com generosidade; ele foi clemente; ele foi misericordioso, afinal, o pecado já havia sido fisicamente praticado.

O ato de generosidade do perdoador incitaria um sentimento no devedor que não tinha como pagar sua dívida - foi o que Jesus quis trazer a atenção, e foi assim entendido por Simão, o fariseu. A pergunta de Jesus chama a atenção para a reação daquele que muito deve, quando PERCEBE que foi liberalmente perdoado. Devemos notar que ele foi liberalmente perdoado, não merecidamente perdoado. A sequência do diálogo de Jesus confirma ser este o objetivo de Jesus. Assim, ficou bem claro que o PERDÃO É UMA SEMENTE a ser semeada no coração do devedor. DESTA SEMENTE NASCERÁ O AMOR do devedor pelo perdoador, quando este PERCEBER que foi tratado com misericórdia sem haver qualquer mérito seu. Quanto maior for a dívida perdoada, maior será o amor do devedor pelo perdoador, quando este admite não haver qualquer mérito seu.

No entanto, se o perdoado achar qualquer MÉRITO SEU em ter sido perdoado, ele SE ENGRANDECERÁ cada vez mais perante os seus semelhantes, passando a vê-los e tratá-los como vasos de Baixo Valor.



Assim é definido o termo liberalidade em certo dicionário:

LIBERALIDADE s.f. Propensão para DAR; generosidade: agir com liberalidade.

Assim é definido o termo liberar em certo dicionário:

LIBERAR v.t. Isentar de qualquer obrigação: liberar alguém de uma dívida. / Pôr em liberdade: liberar um prisioneiro. / Suprimir qualquer limitação: liberar as transações econômicas. / — v.pr. Desobrigar-se.

O ato praticado por aquele que perdoou (Jeová), foi o ato de DAR o perdão; foi um verdadeiro ato de GENEROSIDADE, não foi o de TROCAR o perdão por uma atitude antes tomada pelo ofensor (arrependimento). O Criador TOMOU A INICIATIVA de dar o perdão, tomou a iniciativa em ser GENEROSO.

Afirmar que Jeová perdoou Manassés e cancelou toda a dívida deste, por Manassés ter um bom coração, MINIMIZA, REBAIXA o ato de Misericórdia de Jeová para ENALTECER a Manassés, ALÉM DE CHAMAR A JEOVÁ DE MENTIROSO. Afirmar que, PRIMEIRO Manassés se arrependeu para DEPOIS receber o perdão de Jeová, também MINIMIZA, REBAIXA o ato de Misericórdia de Jeová, INVERTE a ordem dos acontecimentos e CONDICIONA o perdão QUE FOI "DADO" (verbo "dar") por Jeová a um prévio ato do ofensor. É afirmar que houve uma TROCA em detrimento de uma DOAÇÃO.

O perdão só foi dado porque o devedor merecia, por este ou aquele motivo - Tudo isto apenas para EXALTAR o ato do humano e REBAIXAR o ato de Jeová? É afirmar que Jeová não é tão BOM assim, pois PRIMEIRO houve o mérito de Manassés. É afirmar que Jeová só age com misericórdia para com aquele que MERECE. O perdão seria trocado pelo arrependimento. Por exemplo, quando Jeová determinou que no ano do Jubileu, fossem perdoadas TODAS as dívidas e devolvidas todas as terras, QUE MÉRITO tinha de apresentar aquele que tinha sua dívida cancelada, que, além de receber suas terras de volta ainda recebia ajuda para recomeçar?? Não se tratava de um ato de generosidade que independia do motivo que tinha levado tal homem a encontrar-se na situação ou condição de DEVEDOR?? Eram os MERECEDORES que recebiam o perdão de todas as suas dívidas?? O que o devedor tinha de fazer ANTES de receber o perdão para todas as suas dívidas?? Apresentar um bom currículo??


No dia anual do PERDÃO, Jeová perdoava todos os pecados do povo e dos estrangeiros habitantes na terra da promessa. O povo não precisava apresentar o prévio arrependimento, ou será que precisava?? A nação como um todo sequer tinha noção dos pecados que estavam sendo perdoados por Jeová. Jeová simplesmente os declarava limpos, tratando-se de uma ação unilateral. Um detalhe adicional: Foi Jeová aquele que tanto criou este dia como também definiu o que ocorreria nele.

Assim afirmou Jeová:

(Levítico 16:29-31) 29 E isso vos tem de servir de estatuto por tempo indefinido: No sétimo mês, no décimo [dia] do mês, deveis atribular as vossas almas, e não deveis fazer obra alguma, quer o natural quer o residente forasteiro que reside no vosso meio. 30 Pois neste dia se fará expiação por vós, para declarar-vos limpos. Sereis limpos de todos os vossos pecados perante Jeová. 31 É um sábado de completo repouso para vós, e tendes de atribular as vossas almas. É um estatuto por tempo indefinido. . .


Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 16:29-30) 29 Também isto vos será por estatuto perpétuo: no sétimo mês, aos dez do mês, afligireis as vossas almas, e não fareis trabalho algum, nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vos; 30 porque nesse dia se fará expiação por vós, para purificar-vos; de todos os vossos pecados sereis purificados perante o Senhor.


Não resta dúvida. Houve o "depois da punição" para aquele que Jeová considerou como o mais iníquo do que todos os amorreus. O amorreu não era ensinado, enquanto Manassés era ensinado. Este ENSINADO não foi julgado segundo seus atos iníquos; e não lhe faltaram atos iníquos. FOI PREVIAMENTE AVISADO: Para cada ato iníquo havia uma punição prevista. Além de ser avisado, foi-lhe mostrado de forma real e histórica, o que Jeová faria novamente com os que praticassem aqueles mesmos atos iníquos. Onde foram parar todos aqueles crassos pecados, para os quais havia a promessa de ser morto?? Não havia uma penalidade de morte prevista para cada um dos pecados praticados por Manassés?? A penalidade de morte podia ser aplicada um segundo após a prática do primeiro pecado e de cada pecado, pois não existe atenuante, não existe qualquer desculpa, não existe qualquer justificativa para atenuar a penalidade pelo pecado. Mesmo antes do ato iníquo ser materializado, este já havia acontecido no coração de Manassés e só Jeová o sabia. Manassés até mesmo queimou seus próprios filhos em busca de seus desejos egoístas. Não havia sido o amorreu totalmente removido da terra que mana leite e mel por praticar coisas semelhantes?? Assim falou Jeová:

(Amós 2:9-10) 9 “‘Mas eu, por causa deles, tinha aniquilado o amorreu, cuja altura era como a altura dos cedros e que era vigoroso como as árvores maciças; e fui aniquilar seus frutos em cima e suas raízes embaixo. 10 E eu mesmo vos fiz subir da terra do Egito e vos fiz andar através do ermo por quarenta anos, para que tomásseis posse da terra do amorreu.


Quem praticasse tais coisas não poderia continuar na terra que mana leite e mel; tinha de ser removido dela, tinha de ser aniquilado. A imparcialidade assim o exige. O amorreu foi aniquilado por fazer menos do que Manassés.


Toda esta dívida para com Jeová foi simplesmente cancelada; simplesmente cancelada; simplesmente obliterada, apagada; Manassés não tinha como pagar tal enorme dívida. A punição que recebeu não correspondia ao que ele MERECIA, não correspondia ao que fora PREVISTO para cada pecado, mas Jeová o puniu com misericórdia, com clemência e houve o "depois da punição". Foi somente "DEPOIS da punição", que Manassés veio a saber que Jeová é o verdadeiro Deus. O Pai tinha um OBJETIVO para o "depois da punição" de Manassés. Assim, no lugar do MERECIDO julgamento definitivo, houve o perdão. Em lugar da cobrança da alta dívida, houve o CANCELAMENTO de toda a dívida. DEPOIS do perdão, também houve vergonha e humilhação. Depois da "LEVE" punição (ato de clemência) houve também o arrependimento. Depois da leve punição (ato de clemência), também houve sentimento de amor de Manassés para com Jeová. Embora lhe informassem que era errado, Manassés precisou ser punido para RECONHECER que estava praticando o erro e dar meia volta. A leve punição serviu para Manassés perceber que ele havia sido perdoado de muitos pecados. O OBJETIVO de Jeová foi alcançado.


Pode-se perceber claramente tanto a necessidade quanto o objetivo da punição dada por Jeová, o Pai, para todo e qualquer filho.

Ficou bem claro que Jeová não estava agindo como Juiz. Ficou claro que Jeová estava agindo como Ajudador. Embora tivesse todos os motivos para condenar, Ele não condenou. Todos os motivos dados por Manassés, aos olhos de Jeová eram motivos para que Ele passasse a agir como um Ajudador de Manassés. O objetivo do Ajudador era que Manassés admitisse seu erro e mudasse de caminho.



Jeová afirmou que faria o mesmo para com "todo" seu ensinado povo iníquo. Se Jeová agiu assim (clemência) com Manassés, O MAIS INÍQUO do que todos os amorreus, fica no ar a seguinte pergunta: Sendo Jeová um Deus imparcial, como agiria Ele com os amorreus, aqueles que Ele mesmo considerou como menos iníquos, ISTO É, como mais justos do que Manassés?? Agiria Jeová de forma diferente?? Definitivamente, não. Certamente, Jeová perdoou (cancelou) todos os crassos pecados dos amorreus, os não ensinados, ASSIM COMO perdoou (cancelou) todos os crassos pecados de Manassés, aquele que foi ensinado. Para o iníquo amorreu também haverá o "depois da punição".


Simplesmente cancelar tais dívidas, não levar em conta tais ofensas feitas diretamente na face, apesar dos diversos avisos, perdoar o ofensor e ainda restituí-lo a sua condição anterior; ninguém pode fazer isto sem que tenha um GRANDIOSO SENTIMENTO de Misericórdia (dó) pelo ofensor. Desta forma é que se revela que não guardou-se ressentimento. Toda ação é precedida e comandada por algum sentimento. Fica assim bem claro, que todo ser humano é totalmente DEPENDENTE do sentimento de Misericórdia de Jeová para continuar a viver. Não é a integridade do humano que o mantém vivo. Fica bem claro, também, o grau de importância que este ofensor praticante de coisas detestáveis, o pior dos ofensores, tem para Jeová. Só se tem misericórdia por quem se ama; por quem se tem ALTA estima. AINDA QUER CONDENAR A ESTE QUE JEOVÁ PERDOOU, FILHO DO HOMEM??

NÃO CONDENE ÀQUELE QUE O PAI JÁ PERDOOU

Alguém que ainda duvide das palavras de Jesus, certamente dirá: Jeová julgou e condenou Sodoma à morte eterna.

Se você ainda duvida de Jesus, se você ainda não tem fé NAS PALAVRAS de Jesus, nesta frase de Jesus, nesta afirmação de Jesus, se você ainda não acredita em Jesus, leia com atenção as palavras saídas da boca de Jeová, referente ao futuro que Ele afirmou que dará, que Ele, JEOVÁ, dará para Sodoma. Assim deu Jeová o SEU depoimento novamente na 1ª pessoa (Eu):

(Ezequiel 16:53-57) 53 “‘E EU VOU RECOLHER os seus cativos, OS CATIVOS DE SODOMA e das suas aldeias dependentes, e os cativos de Samaria e das suas aldeias dependentes; vou recolher também os teus cativos no seu meio, 54 PARA QUE carregues a tua humilhação; E TERÁS DE sentir-te humilhada em vista de tudo o que fizeste, sendo que tu as consolaste. 55 E tuas próprias irmãs, Sodoma e suas aldeias dependentes, RETORNARÃO AO SEU ESTADO ANTERIOR, e Samaria e suas aldeias dependentes retornarão ao seu estado anterior, e tu mesma e tuas aldeias dependentes RETORNAREIS AO VOSSO ESTADO ANTERIOR. 56 E Sodoma, tua irmã, não se mostrou algo digno de se ouvir tua boca [mencionar] no dia do teu orgulho, 57 antes que a tua própria maldade chegasse a ser exposta, assim como no tempo do vitupério das filhas da Síria e de todas ao redor dela, as filhas dos filisteus, as que te menosprezam, por todos os lados.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 16:53-57) 53 Farei voltar o cativeiro delas, o cativeiro de Sodoma e de suas filhas, e o cativeiro de Samaria e de suas filhas, e o cativeiro dos teus cativos no meio delas: 54 para que leves a tua vergonha e sejas envergonhada por causa de tudo o que tens feito, servindo-lhes de conforto. 55 Tuas irmãs, Sodoma e suas filhas, tornarão ao seu estado primitivo, e Samaria e suas filhas tornarão ao seu estado primitivo, e tu e tuas filhas tornareis ao vosso estado primitivo. 56 Pois tua irmã Sodoma não foi mencionada pela tua boca no dia da tua soberba, 57 antes que fosse descoberta a tua maldade, como ela o foi no tempo do opróbrio das filhas da Síria e de todos os que estão ao redor dela, isto é, das filhas dos filisteus, que te desprezam.



O futuro de Sodoma dado por Jeová, será esta RETORNAR ao seu "estado anterior". Quem eram e onde estavam os "cativos" de Sodoma centenas de anos depois da punição dada por Jeová? Seguramente, todos os habitantes de Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim foram mortos, foram removidos por Jeová, como o próprio Jeová afirmou. Quando Jeová falou estas palavras para Ezequiel, já fazia bastante tempo que todos estes homens estavam mortos; não havia geração sobrevivente. Todos estavam cativos na morte, todos estavam aprisionados no Seol. Os cativos de Sodoma estavam todos aprisionados no Seol. É o próprio Jeová quem afirma: "Eu vou recolher os cativos de Sodoma". De onde?? Do Seol, obviamente.
Por que Sodoma RETORNARIA a seu "estado anterior"?? Que "estado anterior" era este?? Na hora em que esta frase foi dita por Jeová, Sodoma estava morta (estado de morta); seu "estado", sua condição anterior era exatamente quando ela estava viva. Assim define certo dicionário a palavra "retornar" - voltar para o ponto onde estava antes, regressar.

RETORNAR v.i. Regressar, voltar (para o ponto de onde se partiu): retornar à casa paterna. / Ir novamente, voltar: retornar várias vezes ao médico. / — V.t. Fazer voltar, restituir, devolver.

Aquela que se comportou de forma mais iníqua também retornaria junto com Sodoma e Samaria. Para que?? Para que leves a tua vergonha e para que sejas envergonhada por causa de tudo o que tens feito, servindo-lhes de conforto. Samaria e Sodoma encontrariam conforto e face das ações iníquas de Jerusalém.

Jeová comparou as ações de Manassés com as ações dos amorreus. Qual era mais justo?? Jeová deu a resposta. Agora, Jeová compara as ações de Jerusalém com as ações da punida Samaria. Ao mesmo tempo compara as ações de Jerusalém com as ações da punida Sodoma. Destas comparações, qual foi o resultado visto por Jeová??


O próprio Jeová afirma que havia removido Sodoma, assim como Ele viu ser conveniente. Sodoma foi considerada por Jeová como MAIS JUSTA do que Jerusalém. No Seu depoimento em 1ª pessoa (Eu), as palavras saídas da boca de Jeová são:

(Ezequiel 16:46-52) 46 “‘E tua irmã mais velha é a própria Samaria com as suas aldeias dependentes, que mora à tua esquerda, e tua irmã mais moça do que tu, que mora à tua direita, é Sodoma com as suas aldeias dependentes. 47 E não andaste nos seus caminhos, nem fizeste segundo as suas coisas detestáveis. Em pouco tempo COMEÇASTE A AGIR AINDA MAIS RUINOSAMENTE DO QUE ELAS, em TODOS os teus caminhos. 48 Assim como vivo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘SODOMA, tua irmã, ela com as suas aldeias dependentes, NÃO FEZ SEGUNDO O QUE TU FIZESTE, tu e as tuas aldeias dependentes. 49 Eis que este é o que mostrou ser o erro de Sodoma, tua irmã: Orgulho, fartura de pão e a despreocupação do sossego foram [as coisas] que vieram a ser dela e das suas aldeias dependentes, e ela não fortaleceu a mão do atribulado e do pobre. 50 E elas continuaram a ser soberbas e a praticar uma coisa detestável diante de mim, e eu finalmente as removi, assim como vi [ser conveniente]. 51 “‘E quanto a Samaria, ela não cometeu nem a metade dos teus pecados, MAS TU CONTINUASTE A FAZER ABUNDAR AS TUAS COISAS DETESTÁVEIS MAIS DO QUE ELAS, de modo que FIZESTE AS TUAS IRMÃS PARECER JUSTAS por causa de todas as tuas coisas detestáveis que praticaste. 52 Também tu, carrega a tua humilhação ao teres de argumentar a favor de tuas irmãs. Em vista dos teus pecados, nos quais agiste de modo mais detestável do que elas [agiram], ELAS SÃO MAIS JUSTAS DO QUE TU. E também tu, envergonha-te e carrega a tua humilhação por fazeres as tuas irmãs parecer justas.’


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 16:48-50) 48 Pela minha vida, diz o Senhor Jeová, não fez Sodoma, tua irmã, nem ela nem suas filhas, como fizeste tu e tuas filhas. 49 Eis que esta era a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: a soberba, a fartura de pão e a próspera tranqüilidade achavam-se nela e em suas filhas, porém não segurava ela a mão do pobre e do necessitado. 50 Eram arrogantes, e cometeram abominações diante de mim; portanto, ao ver isto, as removi do seu lugar.

O que Jeová via?? Jeová via os habitantes de Jerusalém como mais iníquos do que os habitantes de Sodoma.

Ratificando (confirmando) que o povo escolhido era o MAIS iníquo entre os povos, assim falou Jeová para a mesma geração à qual Ele falou as palavras acima, dando mais um depoimento em 1ª pessoa (Eu):

(Ezequiel 5:5-9) 5 “Assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Esta é Jerusalém. Coloquei-a no meio das nações, com terras ao seu redor. 6 E ela passou a comportar-se rebeldemente contra as minhas decisões judiciais, em iniqüidade MAIOR DO QUE as nações, e contra os meus estatutos, MAIS DO QUE as terras ao seu redor, pois rejeitaram as minhas decisões judiciais, e quanto aos meus estatutos, não andaram neles.’ 7 “Portanto, assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Visto que fostes MAIS tumultuosos DO QUE as nações ao vosso redor, não andastes nos meus estatutos e não executastes as minhas decisões judiciais — mas, porventura não agistes segundo as decisões judiciais das nações ao vosso redor? — 8 portanto, assim disse o Soberano Senhor Jeová: “Eis que sou contra ti, [ó cidade,] sim, eu, e vou executar no teu meio decisões judiciais aos olhos das nações. 9 E vou fazer em ti o que não fiz e como não mais farei, por causa de todas as tuas coisas detestáveis.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 5:5-9) 5 Assim diz o Senhor Jeová: Esta é Jerusalém. No meio das nações a pus, e ao redor dela estão os países. 6 Ela se rebelou contra os meus juízos, praticando iniqüidade MAIS DO QUE as nações, e transgredindo os meus estatutos MAIS DO QUE os países que estão ao redor dela; pois os seus habitantes rejeitaram os meus estatutos, e quanto aos meus estatutos, neles não andaram. 7 Portanto assim diz o Senhor Jeová: Porque sois mais turbulentos do que as nações que estão ao redor de vós, e não tendes andado nos meus estatutos, nem guardado os meus juízos, nem procedido segundo as ordenanças das nações que estão ao redor de vós; 8 por isso assim diz o Senhor Jeová: Eis que eu, eu sou contra ti; executarei juízos no meio de ti à vista das nações.



As afirmações de Jeová sobre seu amado povo escolhido, em relação aos não escolhidos, são plenamente IMPARCIAIS. "Meu povo escolhido e ensinado é mais iníquo que os demais". Mesmo assim, o mais iníquo entre os povos não foi definitivamente julgado segundo suas ações iníquas. As ações do amado povo escolhido colocaram Sodoma na condição de "justa". As ações de Jerusalém (tribo de Judá) colocaram Samaria (demais tribos) e Sodoma na condição de justas diante de Jeová, assim como as ações de Manassés colocava os amorreus na condição de mais justos. Quem pode negar tais palavras?? Quem se atreveria a chamar Jeová de MENTIROSO??

O DEPOIS DA PUNIÇÃO - Todas as frases pronunciadas por Jeová, coerentemente levam para o "depois da punição". ”Para que carregues a tua humilhação”. “Terás de sentir-te humilhada em vista de tudo o que fizeste, sendo que tu as consolastes”. “E também tu, envergonha-te e carrega a tua humilhação por fazeres as tuas irmãs parecer justas”. O ensinado estava agindo pior do que todos os não ensinados; vergonhoso, vergonhoso, muito vergonhoso. De tanta vergonha, vocês terão aversão das vossas próprias faces, foi outra afirmação de Jeová.

O que acontecerá com a mais iníqua que Sodoma?? Assim afirmou o próprio Criador (Versões Paulinas):

Ezequiel 16:61 61 Então você se lembrará do seu comportamento e se envergonhará, quando você acolher suas irmãs mais velhas e mais novas, pois vou dá-las a você como cidades dependentes, mesmo que isso não faça parte da aliança que fiz com você. 62 Eu mesmo farei aliança com você, e você ficará sabendo que eu sou Javé. 63 Isso para que se lembre e se envergonhe e, humilhada, já nem queira mais falar, QUANDO EU A PERDOAR DE TUDO O QUE VOCÊ PRATICOU - oráculo do Senhor Javé».


Assim verte a Tradução Almeida:

(Ezequiel 16:63) 63 para que te lembres, e te envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, QUANDO EU TE PERDOAR TUDO QUANTO FIZESTE, diz o Senhor Deus.


Jerusalém, a mais iníqua do que Sodoma receberá o perdão de TODAS as suas iniquidades. O Pai afirmou: “Você é mais iníqua que Sodoma; EU vou perdoar tudo o que você praticou”. Confirma-se que Sodoma, aquela que foi considerada “mais justa”, também receberá o perdão por tudo. Confirma-se que o “mais iníquo” não foi julgado e condenado a morte eterna. Não se guardou ressentimento do mais iníquo.


Aquele que afirma que Sodoma foi julgada e condenada a morte eterna, ao ler estas palavras saídas da MENTE e boca de Jeová, o que ainda dirá? Será que dirá: E daí?? Dirá ainda mais: Eu continuo acreditando que Sodoma foi condenada à morte eterna?? Continuará chamando a Jeová de mentiroso?? Não representa isto muita coragem?? Não estará este humano fazendo tal afirmação contra Sodoma em face do seu próprio sentimento ou o sentimento de um antepassado que ele admira?? Se um antepassado externou um sentimento oposto ao sentimento externado por Jeová, a quem devo admirar?? Não se esqueça do profeta sem nome que decidiu acreditar na palavra de outro profeta, quando esta palavra rivalizava com a palavra de Jeová.
Jeová, para e através do mesmo porta-voz, afirmou que não julgou seu povo amado, não julgou Jerusalém, não a julgou segundo as suas coisas detestáveis, não julgou a nenhuma de suas gerações. Agora o próprio Jeová afirma que Sodoma
foi mais justa do que Jerusalém. De forma imparcial, COMO aquele que afirma que Sodoma foi condenada a morte eterna explicaria o fato de Jerusalém não ser condenada à morte eterna, (ser perdoada por tudo) embora vista POR JEOVÁ como mais iníqua??


Onde entraria aqui a teoria de um bom coração??


No entanto, DE FORMA IMPARCIAL, o que Jeová afirma é que Sodoma retornará ASSIM COMO Samaria retornará, ASSIM COMO Jerusalém retornará. Os moradores de Sodoma fizeram o perfil da cidade, assim como os moradores de Samaria fizeram o perfil dela, assim como também os moradores de Jerusalém fizeram o perfil dela por externarem os sentimentos existentes em seus corações de pedra.
Jesus estava presente e ouviu muito bem estas palavras saídas da boca de Seu Pai, no exato momento em que foram faladas PARA Ezequiel.
Para Jesus, as palavras saídas da boca de seu Pai eram a "VERDADE". Assim falou Jesus em relação às palavras saídas da boca de Jeová:

(João 17:17) 17 Santifica-os por meio da verdade; a TUA palavra é a VERDADE. (Mateus 4:3-4) . . .” 4 Mas ele disse em resposta: “Está escrito: ‘O homem tem de viver, não somente de pão, mas de cada pronunciação PROCEDENTE DA BOCA de Jeová.’”


O QUE O HUMANO TEM DE FAZER COM O PECADOR??


O PERIGO DE CONDENAR CAIM À MORTE ETERNA

Como Jeová agiu com Caim?? Avisou-lhe antes do pecado. Caim desconsiderou o conselho e praticou o pecado. O sangue de seu irmão clamava por vingança, foi o que Jeová afirmou. Que punição merecia Caim?? Sendo vida por vida, certamente Caim merecia a morte. Jeová estava cuidando pessoalmente do caso. No entanto, que punição lhe foi dada por Jeová. Assim lemos o registro histórico:

(Gênesis 4:8-16) 8 Depois, Caim disse a Abel, seu irmão: [“Vamos ao campo.”] Sucedeu, pois, enquanto estavam no campo, que Caim passou a atacar Abel, seu irmão, e o matou. 9 Mais tarde, Jeová disse a Caim: “Onde está Abel, teu irmão?”, e ele disse: “Não sei. Sou eu guardião de meu irmão?” 10 A isto ele disse: “Que fizeste? Escuta! O sangue de teu irmão ESTÁ CLAMANDO A MIM desde o solo. 11 E agora, maldito és, banido do solo, o qual abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue de teu irmão. 12 Quando lavrares o solo, não te dará de volta seu poder. Tornar-te-ás errante e fugitivo na terra.” 13 A isto Caim disse a Jeová: “Minha punição pelo erro é grande demais para suportar. 14 Eis que neste dia realmente me expulsas da superfície do solo e ficarei escondido da tua face; e tenho de tornar-me errante e fugitivo na terra, e é certo que quem me achar me matará.” 15 Então Jeová lhe disse: “Por esta causa, quem matar a Caim TERÁ DE SOFRER VINGANÇA SETE VEZES.” E Jeová estabeleceu assim um sinal para Caim, A FIM DE QUE NÃO FOSSE GOLPEADO por aquele que o achasse. 16 Com isso, Caim foi embora de diante da face de Jeová e foi morar na terra da Fuga, ao leste do Éden.


Assim, Jeová deixou bem claro que é prerrogativa EXCLUSIVA Dele, legislar, julgar e punir humanos.
Jeová estipulou e determinou uma punição para Caim em face de seu pecado. A punição dada pelo próprio Jeová, foi uma leve punição (clemência). Além disso, Jeová, garantindo a manutenção da vida de Caim, colocou um sinal em Caim. Ninguém poderá julgar Caim, ninguém poderá condenar Caim, ninguém poderá punir Caim. Ninguém poderia querer vingar Abel, porque o próprio Jeová se colocou como o vingador de Abel. Nenhum humano poderia interferir neste caso. Jeová disse: "O sangue do seu irmão está clamando a Mim". Nenhum humano deveria usurpar esta posição que é só do Pai. Jeová já tinha dado a punição que Ele achava ser a ideal para este caso. Jeová determinou que nenhum humano poderia interferir na Sua maneira de fazer as coisas no caso de Caim, nenhum humano tinha o direito de agir neste caso.


No entanto, no que acreditava Caim?? O que esperava Caim que seus irmãos fizessem com ele em face do seu pecado?? Caim expôs para Jeová a sua crença. Ele supunha que os demais também tivessem a mesma crença. Ele acreditava que qualquer um que o encontrasse estava livre para tirar a sua vida.

Quais foram as palavras de Caim??



É certo que quem me achar me matará??

Ora, por que Caim raciocinava desta maneira??

Será que Jeová havia dado algum mandamento em relação a uma situação como esta??

Obviamente que não. Esta situação mostrava ser uma coisa inédita.

Caim estava revelando a sua expectativa em relação ao que seus irmãos poderiam fazer a partir daquele instante.


Muito embora Caim achasse que isto fosse o normal a ser feito por qualquer um que o encontrasse, o que falou Jeová para ele??


Exatamente por isso, Jeová assim determinou: "Quem matar a Caim terá de sofrer vingança sete vezes". Quem tentar se vingar por Abel terá de sofrer vingança sete vezes; quem o fizer se mostrará ser um USURPADOR. Que pesada penalidade pela interferência!!


Ficou bem claro que, embora Caim temesse por sua vida, em face de tornar-se culpado de matar seu irmão, Jeová não havia liberado nenhum humano para agir qual vingador de qualquer outro humano morto.


O que providenciou Jeová??


É como se Jeová houvesse afirmado para Caim, depois deste ter revelado seu medo de ser morto: "Este é um caso em que Eu já dei Minha decisão e você está sob MINHA PROTEÇÃO e este é o sinal que ponho em você. Você não precisa viver como um fugitivo e com medo das pessoas. Pelo menos de Mim você não precisa ter medo. Não quero interferência". Depois da decisão de Jeová, quando Adão ainda estava vivo, o caso Caim devia estar definitivamente encerrado, afinal quem deseja competir com Jeová??

A história revela que os contemporâneos de Caim repeitaram a decisão de Jeová.

E DEPOIS DA MORTE DE CAIM? Há alguém que queira reabrir o caso já encerrado por Jeová?? Há alguém que deseje contestar a forma como Jeová cuidou do caso?? Há alguém que queira dar uma decisão diferente desta?? Isto revelaria ser uma grande falta de respeito pelo Criador. Nem mesmo estar ciente da pesada punição, impediu tal humano de desafiar o Criador??

Se algum humano assim o fez, corre o risco de sofrer vingança sete vezes.

Jeová mostrou como Ele age ao tomar vingança. Sua punição foi com misericórdia, com clemência, SEMPRE objetivando o benefício do punido.


Decerto que um justiceiro ficaria com aquela sensação de impunidade.

O justiceiro diria: “Ora, Abel foi morto e este Caim continuou a viver, ficando impune, pois embora tenha se tornado errante e fugitivo na terra, continuava com sua liberdade de ir e vir, não sendo visível nenhuma punição dada a ele”.

Neste caso, o justiceiro estava revelando a sensação de impunidade que tomava conta do seu coração. O que daria esta sensação de impunidade?? Seria a falta de ter satisfeito o seu desejo de punição para Caim. Ele desejava ver Caim pagar pelo seu pecado.


Tempos mais tarde, Jeová reafirma que o humano não tem o direito de tomar vingança. Assim afirmou Jeová para o povo que Ele escolheu para ensinar:

(Levítico 19:18) 18 “‘NÃO DEVES TOMAR VINGANÇA nem ter ressentimento contra os filhos do teu povo; e tens de amar o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou Jeová.

(Deuteronômio 32:35-36) 35 
MINHA É A VINGANÇA E A RETRIBUIÇÃO. No tempo designado cambaleará seu pé, Porque está perto o dia do seu desastre E se apressam os eventos que os aguardam.’ 36 Pois, Jeová julgará seu povo E terá lástima dos seus servos, Porque verá que desapareceu o apoio E há apenas o incapacitado e o rejeitado.

Assim como o “comer o fruto da árvore que estava no meio do jardim” era uma PROIBIÇÃO para Adão, sentir e executar vingança é uma PROIBIÇÃO para cada ser humano, assim como também o é, o guardar ressentimento.

Quando o humano passa a agir com vingança, será que também usa de misericórdia, copiando ao Pai Misericordioso, aplicando leves punições (clemência)?? Dificilmente. Nosso histórico comprova que o humano até então não tem sido misericordioso. Afinal, qual é o objetivo do humano ao tomar vingança?? Qual é o objetivo de Jeová ao tomar vingança?? Exatamente como no caso de Caim, foi deixado bem claro que VINGANÇA também é PRERROGATIVA EXCLUSIVA do Pai.


VOCÊ CONDENARIA A HUMANIDADE?

Lembra-se do que Jeová afirmou para Jerusalém?? Ele afirmou: Sodoma, tua irmã; Samaria, tua irmã; fizestes as tuas irmãs parecer justas. Jerusalém era filha de quem?? De quem afirmavam ser filhos?? Sodoma era filha de quem?? Eram todas irmãs, companheiras de iniquidades. Jeová revelou-lhes o que Ele, como Pai, estava vendo, fazendo, sentindo e o que ainda iria fazer. Devemos respeitar o livre-arbítrio do Pai, não devemos??


Agora, se o Pai desse a VOCÊ a oportunidade para julgar a humanidade, você teria coragem de julgar e condenar a alguém que você já sabe que não foi julgado pelo Pai, apesar de tudo de mal que venha a ter feito?? Não se esqueça que Jeová é que foi o ofendido. Não se esqueça o quanto o Pai ama àquele que Ele pediu para você julgar. Não se esqueça que Ele cancelou todas as dívidas do filho MAIS rebelde. Não se esqueça também de que o Pai quer ver o filho punido sentir a vergonha de ter praticado coisas detestáveis. Não se esqueça que a vingança do Pai tem um nobre objetivo. Não se esqueça de que o Pai não guarda ressentimento. Então, de forma sábia, faça exatamente assim como Jesus fez. Diga simplesmente: Eu não o julgo. Não interfira na vontade do Pai. Simplesmente acompanhe a vontade do Pai. Será que Jeová poderia confiar em sair e deixar os meus demais irmãos que Ele tanto AMA sob os meus cuidados??
Condenar definitivamente qualquer humano, vivo ou morto, é colocar-se
acima de Jeová. É afrontar a Jeová, aquele que tinha todo o direito, mas que não condenou. É desafiar a Jeová e ao Seu sentimento para com o iníquo. É desafiar a vontade de Jeová. Em lugar disso, devemos dizer: Pai, seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus.

Se você for pai de muitos filhos, tendo muitos destes agido contra você, mas, você não levou em conta; você perdoou a todos os seus filhos e não guardou ressentimento, PORQUE você ama a seus filhos e quer vê-los recuperados. Àquele filho que ficou com você, o mais velho, você oferece a ele a oportunidade de julgar os irmãos. O que você espera dele?? Não espera que ele faça exatamente assim como você já fez?? Não espera que ele como filho reconheça que a prerrogativa de julgar e punir filhos é exclusiva do Pai e que ele continua como um irmão?? Esta lição é uma lição de amor. Na verdade, você quer medir o grau de amor que seu filho mais velho tem pelos demais irmãos assim como também o amor que este sente pelo pai. Será que o filho mais velho respeitará os SENTIMENTOS que o Pai tem por seus irmãos menores??

No caso da ilustração do filho pródigo, contada por Jesus, será que o filho mais velho correria para abraçar seu jovem irmão e assim como o Pai, faria uma festa para comemorar sua volta?? Dificilmente.


O Pai não julga a ninguém - Aceitar como "verdade" tal afirmação, DEPOSITAR FÉ em Jesus, em Jesus, acarretará em obedecer a ordem dada por Jesus no Sermão do Monte:

(Mateus 7:1-2) 7 “PARAI DE JULGAR, para que não sejais julgados; 2 pois, com o julgamento com que julgais, vós sereis julgados; e com a medida com que medis, medirão a vós. (Lucas 6:37) 37 “Além disso, PARAI DE JULGAR, e de modo algum sereis julgados; e PARAI DE CONDENAR, e de modo algum sereis condenados. PERSISTI EM LIVRAR, e sereis livrados.

Assim como o “comer o fruto da árvore que estava no meio do jardim” era uma PROIBIÇÃO para Adão, “julgar alguém” é uma PROIBIÇÃO para cada ser humano.


Com a medida que medis, medirão a vós em trocaisto significa que o que o meu olho vê e o meu coração sente por outro humano qualquer, também será visto e sentido pelo Criador em relação a mim. Ainda mais, se eu o vejo como alguém indigno da minha estima e atenção, também serei visto por Jeová como alguém indigno de Sua estima e atenção. Com o julgamento com julgais, vós sereis julgadosisto significa que se eu digo no meu íntimo, se eu desejo que “A” ou “B”, qualquer humano vivo ou morto, estejam condenados à morte eterna sem ressurreição, também estou desejando este mesmo fim para mim mesmo.

Na mesma ocasião Jesus fez a afirmação abaixo, confirmando o desejo do Pai de que Seus filhos se perdoassem entre si e que ninguém condenasse ninguém. O Pai colocou um condicionamento no Seu relacionamento com qualquer filho. Revelando a importância que o Pai dá ao perdão, as palavras do Pai retransmitidas pelo Filho são:

(Mateus 6:14-15) 14 “Pois, SE perdoardes aos homens as suas falhas, também o vosso Pai celestial vos perdoará; 15 ao passo que, SE NÃO perdoardes aos homens as suas falhas, tampouco o vosso Pai vos perdoará as vossas falhas.

O que o humano tem de fazer com aquele outro humano que cometeu pecado??



É somente Jeová quem pode perdoar todos os humanos, pois somente Ele conhece o coração do humano”. Esta afirmação é fruto do conceito de que o perdão é dado exclusivamente àquele que MERECE e que somente Jeová sabe quem realmente merece ser perdoado. No entanto, enquanto os humanos afirmam que só Deus pode perdoar pecados, JESUS AFIRMA: “O humano não pode deixar de perdoar”. Onde entra aqui o mérito como condição prévia ao perdão??

Esta ordem (mandamento) de Jesus faz parte da "verdadeira vida" que foi vivida de forma prática por Jesus. Não foi exatamente assim que Jesus agiu?? Ele não nos pediu para fazer algo que ele mesmo já não estivesse fazendo. Vejam, aqui está a nova lei e aqui está a maneira correta de cumpri-la. Ele estava dando o exemplo correto em obedecer à "nova lei" dada por Jeová, que ele mesmo retransmitiu, ali, no chamado "Sermão do Monte. Jesus é um CONFIÁVEL porta voz de Jeová. Até aquele momento, eles, os adoradores de Jeová, julgavam e sentenciavam pessoas à morte através de apedrejamento ou outros métodos, pessoas que cometiam pecados por violarem a lei de Deus retransmitida por Moisés. O costume transmitido por Moisés era julgar, condenar e executar o pecador, havendo este cometido um pecado que merecesse a sentença de morte. Assim foi ordenado por Moisés:

(Deuteronômio 21:18-23) 18 “Caso um homem tenha um filho obstinado e rebelde, que não escuta a voz de seu pai nem a voz de sua mãe, e eles o tenham corrigido, porém, ele não os queira escutar, 19 então seu pai e sua mãe têm de pegar nele e trazê-lo para fora aos anciãos da cidade dele e ao portão do seu lugar, 20 e têm de dizer aos anciãos da sua cidade: ‘Este filho nosso é obstinado e rebelde; não escuta a nossa voz, sendo glutão e beberrão.’ 21 Então todos os homens da sua cidade têm de atirar nele pedras e ele tem de morrer. Assim tens de eliminar o mal do teu meio, e todo o Israel ouvirá e deveras ficará com medo. 22 “E caso venha a haver num homem um pecado que MEREÇA a sentença de morte, e ele tenha sido morto e tu o tenhas pendurado num madeiro, 23 seu cadáver não deve ficar toda a noite no madeiro; mas deves terminantemente enterrá-lo naquele dia, pois o pendurado é algo amaldiçoado por Deus; e não deves aviltar teu solo que Jeová, teu Deus, te dá por herança.


E assim, o humano determinava quais eram os pecados pelos quais se mereceria uma sentença de morte. Julgar e matar pecadores era uma ordem dada por Moisés e fielmente obedecida pelo povo, no entanto, Jesus afirmou e explicou que isto era errado, que era um pecado, estabelecendo um novo costume. Certamente, os discípulos de Moisés questionariam Jesus, pois confiavam em Moisés.


A partir daquele instante, a partir do Sermão do Monte, julgar e condenar outros era violar a NOVA LEI de Jeová retransmitida por Jesus. Este é um dos artigos da lei, que os súditos dos reino dos céus já se submetem. Assim, os obedientes já demonstram que realmente são súditos. Se não obedecem é porque ainda não são súditos, ainda não entraram no reino dos céus. Também podem ser súditos rebeldes. Assim como cometer adultério no coração já é pecado, julgar no coração também é pecado. Um novo pacto, uma nova lei e um novo mediador.
Se o Pai não julga a ninguém, isto significa que eu não posso julgar àquele que o Pai não julga. Se a lei me proíbe de julgar, então, se eu julgar alguém estarei
usurpando a posição que não é minha. Não me foi dado este direito, esta posição e esta autoridade. Falta-me também a capacidade. Não sei o que se passa no coração do outro humano.

É PRERROGATIVA EXCLUSIVA do Pai julgar e punir seus filhos. É PRERROGATIVA EXCLUSIVA do Pai legislar sobre todos os assuntos, inclusive sobre os pecados que mereçam penalidade de morte, pois todos os pecados têm a morte como sentença.

E por falar nisto, tempos depois de Moisés, o Pai legislou sobre os pecados que merecem sentença de morte. Relembrando o que Ele já havia falado para Moisés, em certa parte desta legislação assim determinou o Legislador:

(Ezequiel 18:4) 4 Eis que todas as almas — a mim me pertencem. Como a alma do pai, assim também a alma do filho — a mim me pertencem. A alma QUE PECARela é que morrerá.


No lugar de certos pecados merecerem a sentença de morte, o Legislador determinou que para todos os pecados está estipulada a mesma sentença de morte. Aliás, Jeová já havia falado para Moisés que as coisas eram assim.




Ao cometer qualquer pecado, o humano passa a encontrar-se sob a sentença de morte. AUTOMATICAMENTE, ELE ESTÁ SENTENCIADO. Não existe justificativa para o cometimento de pecado, afinal, o humano possui o livre arbítrio. Neste momento, não se discute o “PORQUE” do cometimento do pecado. Independente do motivo, ele pecou, logo, está sentenciado à morte. Neste caso, QUANDO se deve executar a sentença de morte?? Em qualquer momento após O Criador detectar o pecado, já que o pecado ocorre primeiro no coração. Assim, para cada pecado, uma sentença. No entanto, apenas o Criador tem a prerrogativa exclusiva de executar a sentença.


Quem é que tem a PRERROGATIVA EXCLUSIVA de legislar?? Ficou bem claro?? Assim, qualquer humano que apressadamente venha a legislar sobre qualquer assunto, revelará ser um usurpador do cargo de legislador. No mínimo, estará avançando presunçosamente. O Legislador determinou que avançar presunçosamente também é pecado, e todo pecado tem a mesmíssima sentença de morte.

USURPAR v.t. Apoderar-se de (alguma coisa), mediante emprego de violência ou de artifício: usurpou a parte do sócio; usurpar o trono ao verdadeiro rei.

USURPADOR adj. e s.m. Que, ou o que usurpa: poder usurpador. / Que, ou aquele que se apodera da autoridade soberana por meios ilícitos.

TODOS os outros pastores, antes de Jesus, viviam de forma diferente e ensinavam de forma diferente. Assim, Jesus ESTAVA SÓ nesta INÉDITA forma de viver a vida. Jesus falava e fazia de um jeito e TODOS os demais falavam e faziam diferente. Era um ensino e uma forma de viver a vida radicalmente contrários ao que se considerava certo até aquele momento. Seria Jesus um rebelde, um apóstata?? Isto dependeria de que ângulo você estivesse olhando para Jesus. Olhado do ângulo dos defensores do "velho ensino" transmitido pelos antepassados, Jesus era um rebelde. Os discípulos de Moisés consideraram apóstatas, tanto a Jesus como aos discípulos de Jesus:

(Atos 6:9-14) 9 Mas, levantaram-se certos homens da chamada Sinagoga dos Libertos, e dos cireneus e alexandrinos, e dos de Cilícia e Ásia, para discutirem com Estêvão; 10 contudo, não podiam fazer face à sabedoria e ao espírito com que ele falava. 11 Induziram então secretamente uns homens a dizer: “Nós o ouvimos falar declarações blasfemas contra Moisés e Deus.” 12 E atiçaram o povo, e os anciãos, e os escribas, e, vindo contra ele repentinamente, tomaram-no à força e o conduziram ao Sinédrio. 13 E apresentaram testemunhas falsas, que diziam: “Este homem não pára de falar coisas contra este santo lugar e contra a Lei. 14 Por exemplo, nós o ouvimos dizer que esse Jesus, o nazareno, derrubará este lugar e mudará os costumes que Moisés nos transmitiu.”

Os sacerdotes e os fariseus afirmavam: Apenas quem não conhecesse a Lei é que seguiria a Jesus.


No entanto, Jesus só estava repetindo as palavras do Pai.


Olhado do ângulo de Jeová, Jesus era o Filho aprovado, o ÚNICO filho que Ele chamou de "aprovado".
NÃO PODEM EXISTIR DUAS VERDADES SOBRE O MESMO ASSUNTO.
Ou o Pai não julga a NINGUÉM ou o Pai julga a TODOS com a mesmíssima imparcialidade, dando a cada um segundo suas ações, TODO o tempo. O "escolhido" e o "não escolhido" são tratados com a mesmíssima imparcialidade. Como o próprio Jeová afirmou para seu povo amado, que Ele não os julgava segundo o que eles tinham feito de ruim e que Ele misericordiosamente continuaria a puni-los segundo o Seu nome, e que ao final, os punidos teriam aversão as suas próprias faces, ESTÁ o Pai julgando a TODOS os humanos com a mesmíssima imparcialidade, dando a cada um segundo suas ações OU NÃO ESTÁ???

Os que não aceitam o julgar, o condenar e o punir como prerrogativas exclusivas do Pai, e gostam de julgar e condenar outros a morte eterna, afirmam que sim, que Jeová está julgando à morte eterna os humanos que eles vêm (julgam) como desobedientes. Obviamente, estes se acham diferentes; estes se acham justos e bons, não merecendo o mesmo julgamento, não merecendo a mesma condenação que eles dão para os outros. São os que afirmam no íntimo: "Obrigado meu Deus, por eu não ser como o resto dos homens, estes homens iníquos". Muitos, sem pensar, apenas repetem o que outros humanos falaram, no entanto, também estão revelando o que existe em seus corações.

Os que desejam e/ou estipulam sentença de morte eterna para quaisquer iníquos vivos ou mortos esquecem da outra afirmação de Jesus: “O mesmo julgamento que deres para outros pecadores, estás dando para ti mesmo”. Assim, o mesmo julgamento que desejares para outros pecadores, estás desejando para ti mesmo.

Afinal de conta, com quem está a "verdade"?? A longa espada de dois gumes que sai da boca de Jesus é a "VERDADE". É a palavra saída da boca de Jesus, as frases ditas por Jesus, as afirmações de Jesus, A VERDADE, que julgará O HUMANO, no último dia.

(Revelação 1:16-18) 16 E ele tinha na sua mão direita sete estrelas, e DA SUA BOCA se estendia uma longa espada afiada de dois gumes, e o seu semblante era como o sol quando brilha no seu poder. 17 E quando o vi, caí como que morto aos seus pés. E ele pôs a sua mão direita sobre mim e disse: “Não temas. Eu sou o Primeiro e o Último, 18 e o vivente; e fiquei morto, mas, eis que vivo para todo o sempre, e tenho as chaves da morte e do Hades.


Jeová afirmou que não está julgando (condenando a uma morte eterna), Jesus afirmou que o Pai não julga a ninguém e também afirmou que ele, Jesus, não julga a ninguém. Será que tanto Jeová como Jesus estão mentindo ou será que são os humanos é que estão mentindo??
E quanto a você, individualmente?? Em quem você deposita sua confiança?? Nas palavras de quem, você deposita sua fé??? Não podemos esquecer do profeta sem nome.

EMBORA FAÇAMOS PARTE DE UM GRANDE GRUPO, TODOS SEREMOS ANALISADOS INDIVIDUALMENTE. Isto significa que não haverá intermediários entre a ovelha e Jesus.
(Revelação 2:23) 23 E matarei os filhos dela com praga mortífera, de modo que todas as congregações saberão que sou eu quem pesquisa os rins e os corações, e eu vos darei INDIVIDUALMENTE segundo as vossas ações.  (Revelação 20:13) 13 E o mar entregou os mortos nele, e a morte e o Hades entregaram os mortos neles, e foram julgados INDIVIDUALMENTE segundo as suas ações.


E quanto às palavras que eu falei, não haverá unanimidade em relação a elas. Antes, haverá grande discussão até mesmo entre os mais íntimos. As frases exatas faladas por Jesus são as seguintes:

(Lucas 12:49-53) 49 “Eu vim dar início a um fogo na terra, e que mais hei de desejar, se já foi aceso? 50 Deveras, tenho um batismo com que [devo] ser batizado, e como estou aflito até que termine! 51 Imaginais que vim dar paz na terra? Deveras, eu vos digo que não, mas antes divisão. 52 Pois, doravante haverá cinco divididos numa casa, três contra dois e dois contra três. 53 Estarão divididos, pai contra filho e filho contra pai, mãe contra filha e filha contra [sua] mãe, sogra contra sua nora e nora contra [sua] sogra.


Não é este o caso, em relação a estas frases de Jesus aqui analisadas??

Quem me desconsiderar e não receber as minhas declarações, tem quem o julgue. A PALAVRA que eu tenho falado é que o julgará no último dia;


O julgamento foi entregue ao filho

22 Porque o pai não julga a ninguém, mas tem confiado todo o julgamento ao Filho,



O que acontece agora que o todo o julgamento foi entregue ao Filho?? Será que o Filho passará a agir qual juiz e condenará algum pecador?? Será que o Filho passará a agir qual justiceiro, estabelecendo a justiça do justiceiro, isto é, dando a cada um aquilo que cada um merece, colocando assim um ponto final na iniquidade daquele pecador??

O Filho veio como Ajudador e estava agindo como um ajudador, oferecendo sua ajuda a todos os da casa de Jacó.

Será que, dependendo das circunstâncias, o Filho deixaria de ser um ajudador e passaria a ser um juiz, condenando aquele que não estivesse disposto a ser ajudado por ele??

O que ele mesmo disse??

eu vim como luz ao mundo, a fim de que todo aquele que depositar fé em mim não permaneça na escuridão. 47 Mas, se alguém ouvir as minhas declarações e não as guardar, eu não o julgo; pois não vim julgar o mundo, mas salvar o mundo.

As palavras de Jesus são bem claras: Eu não vim julgar o mundo; eu vim salvar o mundo.

Mesmo tendo autoridade para julgar, eu não julgo.

Mesmo o Pai tendo me entregue o julgamento, eu não condeno ninguém, pois eu sou um “ajudador”.

O que percebemos??

Percebemos que o ajudador continuará a ser ajudador independente das circunstâncias.

Ora, se o Pai já se revelou um Ajudador independente das circunstâncias, tendo revelado seu amor incondicional ao filho pecador, é óbvio que Jesus não iria fazer aquilo que o Pai não havia feito.

Se o Pai, mesmo todo o motivo do mundo para condenar o filho pecador, mas não o condenou, por que o Filho o faria??

Não foi o próprio Pai quem enviou o Filho para servir de ajudador para os pecadores, apesar de tudo o que tais pecadores já tinham feito??

Não estava o Pai revelando o Seu alto grau de preocupação em relação ao filho insistentemente pecador??

Seria a última tentativa??

Ora, se eles não ouvirem desta vez, eu os condenarei.

Será que este era a intenção do Pai ao enviar Jesus??

As palavras e as ações de Jesus deixam bem claro que ele continuaria a ser um ajudador para a casa rebelde de Jacó, independente das circunstâncias.

O Filho revelou que permaneceria ajudador independente das circunstâncias.

Ora, se o Pai não julga ninguém e se o Filho não julga ninguém, então quem é que julga??

Quem é que vai julgar??


"A PALAVRA" QUE EU TENHO FALADO É QUE O JULGARÁ NO ÚLTIMO DIA. Analisemos a expressão de Jesus de FORMA COMPLETA. A expressão completa de Jesus é:

(João 12:44-50) 44 No entanto, Jesus clamou e disse: “Quem DEPOSITAR FÉ EM MIM, deposita fé, não [somente] em mim, mas [também] naquele que me enviou; 45 e quem me observar, observa [também] aquele que me enviou. 46 Eu vim como luz ao mundo, a fim de que todo aquele que DEPOSITAR FÉ EM MIM não permaneça na escuridão. 47 Mas, se alguém ouvir as minhas declarações e não as guardar, eu não o julgo; pois não vim julgar o mundo, mas salvar o mundo. 48 Quem me desconsiderar e NÃO RECEBER MINHAS DECLARAÇÕES, tem quem o julgue. A PALAVRA QUE EU TENHO FALADO é que o julgará no último dia; 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar. 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, assim como o Pai mas disse, assim [as] falo.”

É a palavra falada por Jesus que vai julgar.

Como isto acontece e o que isto significará para o humano??

Trata-se de uma diferença de opinião sobre diversos assuntos. A sabedoria da verdade se provará verdadeira com o tempo. Neste caso, o que acontecerá??

(Jeremias 31:18-19) 18 Ouvi positivamente Efraim lastimar-se: ‘Corrigiste-me, para que eu ficasse corrigido, como o bezerro que não foi treinado. Faze-me voltar e eu voltarei prontamente, porque tu és Jeová, meu Deus. 19 Pois, após a minha volta senti lástima; e depois que se me fez saber bati na coxa. Fiquei envergonhado e senti-me também humilhado, porque eu levara o vitupério da minha mocidade.’”



Ocorre o reconhecimento do erro em relação a palavra falada.

Aquele que teimosamente se negava a aceitar, ficará totalmente sem argumentos. Ele ficará assim sem mais opções, exceto, lamentar não ter entendido tal coisa logo no início. Daí, ele ficará envergonhado e humilhado em face de estar levando o vitupério de sua mocidade.

Apesar da humilhação e da vergonha por teimosamente percorrer um caminho agora aceito como errado, este humano recebe a vida para poder percorrer o caminho da vergonha, do arrependimento e para poder praticar o oposto do que fazia.

Todo o povo de Jeová estava em escuridão. Só Jesus era a luz. A palavra saída da boca de Jesus era a luz. A palavra falada por Jesus, quando aceita, é que tirava a pessoa da escuridão. Somente quem acreditasse nas declarações saídas da boca de Jesus é que poderá sair da escuridão. Tinham de exercer fé na luz.

(João 8:12) 12 Portanto, Jesus falou-lhes novamente, dizendo: “EU SOU A LUZ do mundo. Quem me segue, de modo algum andará na escuridão, mas possuirá a luz da vida.. . . (João 9:5) 5 Enquanto eu estiver no mundo, SOU A LUZ do mundo.”. . . (João 12:35-36) 35 Jesus disse-lhes, portanto: “A LUZ ESTARÁ ENTRE VÓS POR MAIS UM POUCO de tempo. Andai enquanto tendes a luz, para que não vos vença a escuridão; e, quem anda na escuridão, não sabe para onde vai. 36 ENQUANTO TENDES A LUZ, EXERCEI FÉ NA LUZ, a fim de que vos torneis filhos da luz.” Jesus falou estas coisas e foi embora, e escondeu-se deles.

Como exercer fé na luz?? Decerto, se e somente se acreditar nas palavras saídas da boca de Jesus.

DEPOSITAR FÉ em alguém "A" é acreditar naquilo que este alguém "A" falou; não é simplesmente afirmar que tem certeza que "A" falou isto ou aquilo, é depositar fé na palavra falada por "A", é aceitar o que "A" falou como uma VERDADE. Se outro alguém "B" falar algo diferente, você permanece depositando fé em "A", depositando fé na palavra falada por "A"; não aceita a palavra de "B" como verdade. Ao final, é a palavra falada por "A" que se provará ser a VERDADE. No último dia, a palavra falada por "A" comprovará que é a VERDADE.

Quando "A" retornar de sua viagem, me encontrará repetindo a palavra falada por ele ou a palavra falada por "B"?? Me encontrará repetindo as afirmações de "A" ou as afirmações de "B"?? Aí acontece o julgamento; aí ocorre o questionamento. Neste momento, "A" dirá: Você não depositou fé (acreditou) nas minhas palavras; como pôde você ter aceito e acreditado (depositado fé) nas palavras faladas por "B"?? "A" ainda dirá: Na sua opinião, eu não estava falando a VERDADE, é isto? Então, você passou todo este tempo me chamando de mentiroso?

Não podemos esquecer que "A" estava apenas repetindo a palavra que saiu da boca de Jeová. Exatamente por isso, "A" disse mais: Quem depositar fé (acreditar) em mim estará depositando fé (acreditando) naquele que me enviou. Não podemos esquecer também, que seria não só acreditar no que "A" falou, mas também observar o que "A" FEZ. Também não podemos esquecer que "A" estava fazendo SOMENTE o que o Pai fazia. No último dia, Jeová poderá me perguntar: Por que você não depositou fé nas Minhas palavras que foram repetidas por "A"?? Jeová poderá me perguntar ainda mais: Por que você não está fazendo ASSIM COMO "A" fez?? Direi em reposta: Pai, eu preferi acreditar em "B" porque ele me disse que era assim e ele "B" fazia assim? "A serpente me enganou, por isso comi".

A história se repetindo com personagens diferentes. O Pai finalmente dirá: Filho querido, você não devia se rebelar contra MIM; Eu sou o único que você não deve se rebelar; filhinho querido, se rebelar contra minha palavra, qualquer palavra que sai da minha boca, é se rebelar contra MIM. Filhinho querido, você não "depositou fé" em "A", aquele que Eu aprovei. Meu querido filho, Eu sou exatamente assim como "A" me descreveu, "A" me conhece perfeitamente; "B" me descreveu de forma errada, "B" ainda não me conhece. Meu querido filho, quando "A" afirmou que, "quem me observa também está observando aquele que me enviou", era a pura verdade, pois "A" agiu (se comportou) exatamente assim como Eu agiria; os atos de "A" foram uma cópia exata dos Meus atos. Meu amado filho, se você preferiu acreditar em "B", certamente é porque você ama mais "B" do que ama "A".


Quando eu sair deste "
julgamento", deste questionamento, o que sobrará para mim exceto a vergonha e a humilhação?? Jesus disse: A "palavra" que eu tenho falado é que "o julgará", lá no último dia. NÃO SE PODE FUGIR DA VERDADE. No último dia serei "avaliado" segundo a "verdade" falada por Jesus. Depositei fé, acreditei em toda a "verdade" falada por Jesus?? Se não acreditei, haverá vergonha e humilhação para mim, pois constatarei que acreditei em uma "mentira". Se eu realmente depositei fé em todas as palavras faladas por Jesus, neste caso eu não entro em avaliação (julgamento). Simplesmente, eu continuo a viver a vida de um súdito do reino dos céus, como ensinada por Jesus, pois esta é a verdadeira vida.


Quem foi escolhido, foi escolhido; não se pode julgar o escolhido. O escolhido é amado pelo Pai, muito amado.
O "povo escolhido", continuou sendo o "povo escolhido", apesar de demonstrar ser o "mais iníquo dos povos". Apesar desta terrível condição, Jeová continuou a amá-los. Julgá-los-á tu, julgá-los-á tu, ó filho do homem??
Nem o "
escolhido" tem o direito de julgar o "não escolhido", assim como o "não escolhido" também não tem o direito de julgar o "escolhido". Nenhum "humano" tem o direito de julgar outro "humano"; nenhuma "criatura" tem o direito de julgar outra "criatura". Apenas o CRIADOR tem o direito de julgar suas criaturas. É prerrogativa EXCLUSIVA do Criador julgar suas criaturas.
Assim falou Jeová com os sacerdotes e com os levitas depois de puni-los por seus pecados:

(Ezequiel 44:10-16) 10 “‘Mas, no que se refere aos levitas que se afastaram para longe de mim quando Israel, que se transviou de mim, andou perdido atrás dos seus ídolos sórdidos, também terão de levar seu erro. 11 E terão de tornar-se ministros no meu santuário, em postos de supervisão sobre os portões da Casa, e ministros na Casa. Eles mesmos abaterão o holocausto e o sacrifício para o povo, e eles mesmos estarão de pé perante eles para ministrar-lhes. 12 Visto que lhes ministravam perante os seus ídolos sórdidos e se tornaram para a casa de Israel uma pedra de tropeço para [cair no] erro, por isso levantei a minha mão contra eles’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘e terão de levar seu erro. 13 E não se aproximarão de mim para atuarem para mim como sacerdotes ou para se aproximarem de quaisquer das minhas coisas sagradas, das coisas santíssimas, e terão de levar sua humilhação e as coisas detestáveis que fizeram. 14 E eu certamente farei deles guardiães da obrigação para com a Casa, com respeito a todo o seu serviço e com respeito a tudo o que se deve fazer nela.’ 15 “‘E no que se refere aos sacerdotes levíticos, os filhos de Zadoque, que cuidavam da obrigação para com o meu santuário quando os filhos de Israel se transviaram de mim, eles é que se chegarão a mim para ministrar-me e terão de ficar de pé diante de mim para apresentar-me a gordura e o sangue’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová. 16 ‘Eles é que serão os que entrarão no meu santuário e eles é que se chegarão à minha mesa para ministrar-me, e terão de cuidar da obrigação para comigo.


Depois da punição, os levitas CONTINUARÃO meus ministros em relação a Casa e os sacerdotes levíticos descendentes de Zadoque CONTINUARÃO com o sacerdócio. Levarão seu erro, sua humilhação e todas as coisas detestáveis que fizeram. Assim falou e fez Jeová. A história já registrou.
Se é o próprio Jeová quem decidiu continuar a usá-los apesar de tudo, que atitude devemos ter? Esta cena já aconteceu em relação a Jerusalém e aos sacerdotes.

Assim nos é contada:

(Zacarias 3:1-4) 3 E ele passou a mostrar-me Josué, o sumo sacerdote, de pé perante o anjo de Jeová, e Satanás de pé à sua direita para se lhe opor. 2 [O anjo de] Jeová disse então a Satanás: “Jeová te censure, ó Satanás, sim, censure-te Jeová, aquele que escolhe Jerusalém! Não é este um tição arrancado do fogo?” 3 Ora, quanto a Josué, aconteceu que estava vestido de vestes imundas e estava de pé perante o anjo. 4 Então ele respondeu e disse aos que estavam de pé perante ele: “Removei dele as vestes imundas.” E prosseguiu, dizendo-lhe: “Vê, fiz que passasse de ti o teu erro, e és vestido de trajes de gala.”


Não se tornar um “ACUSADORde reais pecadores - este é um dos frutos produzidos pelo coração daquele que aceita como verdadeira a “palavra” falada por Jesus.

Foi dito para o acusador: É prerrogativa EXCLUSIVA de Jeová julgar estes humanos pecadores. O mais iníquo dos povos foi punido, mas, não segundo suas ações iníquas. Teve-se dó dele; foi tratado com muita bondade. Estava vestido com vestes imundas, não sendo digno de prestar serviço. No entanto, Jeová determinou que fosse removido dele as roupas imundas e se lhe fosse dado trajes de gala. Foi dito:" Vê, fiz que passasse de ti o teu erro; vê, você está perdoado de todos os teus erros". "Sua dívida está totalmente cancelada; você está limpo". Satanás estava presente para se opor, para apresentar protesto em face da condição imunda do sumo sacerdote; e ele apresentou seu protesto, apresentou sua acusação de que este não estava em condições de ser usado, não merecia ser usado. Jeová passou a dizer ao imundo pecador: Eu cancelei toda a sua dívida, pra mim você está limpo, logo, pode recomeçar. Cancelar a dívida foi e continua sendo um ato unilateral da parte de Jeová, um ato de Misericórdia, de Generosidade, de dó para com quem não tem a menor condição de pagar sua dívida. A acusação de que o sumo sacerdote estava coberto de pecados era verdadeira e o sumo sacerdote precisava dar-se conta da sua condição e da ação perdoadora de Jeová apesar da sua imundice. A semente do perdão foi lançada por Jeová no coração do sumo sacerdote. Para dar o fruto do amor, primeiro precisava germinar. Nota-se assim que o escolhido é alguém amado por Jeová e não deixará de ser amado por estar imundo ou cheio de iniquidade. No entanto, o "escolhido" precisa saber e entender duas coisas, que ele não foi escolhido em face de haver qualquer mérito seu e que TODOS os demais filhos também são TÃO amados pelo Pai QUANTO ele o é. O "não escolhido" também é filho, filho AMADO.

Quanta bondade! Quanta bondade! É a Bondade de Jeová.

O humano precisa reconhecer que necessita do “conhecimento” existente na mente do Pai. O homem tem de viver de cada palavra que sai da boca de Jeová, logo, a continuidade da “vida” do humano está diretamente relacionada com a quantidade de conhecimento que ele se permite receber do Pai. A “VIDA” é algo extremamente valioso, no entanto, o CONHECIMENTO que está na mente do Pai, ainda é mais valioso. O Pai não se nega a transmitir tal conhecimento. Moisés ainda estava vivo quando Jeová assim falou:

(Deuteronômio 32:1-2) 32 “Dai ouvidos, ó céus, e fale eu; E ouça a terra as declarações da minha boca.  2 Meu ensinamento gotejará como a chuva, Minha declaração pingará como o orvalho, Como chuvas suaves sobre a relva, E como chuvas copiosas sobre a vegetação.

A “palavra” é uma semente; ela é plantada no coração e precisa produzir os efeitos necessários em cada coração. Em cada coração ela provocará uma ação diferente.

As informações transmitidas pelo Pai tem como objetivo, ENSINAR OS FILHOS A COMO USAR E PROTEGER O TESOURO MAIS VALIOSO QUE ELE DEU AO HOMEM, isto é, a “vida”. Logo, as regras transmitidas pelo Pai, são regras que nos revelam como “viver” a vida de forma segura, por não colocar qualquer “vida” em risco, independente das circunstâncias. Estas regras quando agrupadas e escritas em um livro, formam o que podemos chamar de “rolo da vida”, ou “livro da vida”. O “rolo da vida” revela ser a BASE tanto para o humano analisar as suas ações passadas, como para este projetar as suas ações futuras. As regras de conduta que foram transmitidas por Jesus encontram-se agrupadas no chamado “Sermão do Monte”.

O que Jesus falou a respeito das palavras faladas por ele?? Ele afirmou que “a palavra” falada por ele é que julgaria o humano lá no “último dia”. As palavras exatas foram estas:

(João 12:48-50) 48 Quem me desconsiderar e não receber as minhas declarações, tem quem o julgue. A PALAVRA QUE EU TENHO FALADO é que o julgará NO ÚLTIMO DIA; 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar. 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, assim como o Pai mas disse, assim [as] falo.”

Os mandamentos do Pai significam vida; protegem a “vida”; ensinam a proteger a “vida”; ensinam a amar a “vida”. Que espécie de mandamentos poderiam sair da FONTE da vida?? Decerto, unicamente mandamentos que protegessem a “vida”. No entanto, se aparecer um mandamento que não protege a “vida”, colocando outras coisas como mais valiosas do que a “vida” e que outorga a uma vida o direito de colocar “vidas” em risco ou o de destruir outra “vida”, será que este mandamento poderia ter saído da FONTE da vida??

O que Jesus Mostrou ser?

(Mateus 12:20-21) 20 Não esmagará nenhuma cana machucada, tampouco extinguirá qualquer mecha fumegante, até enviar a justiça com bom êxito. 21 Deveras, em seu nome esperarão as nações.”

Mostrou ser aquele que valorizou a “chama da vida”. Mostrou ser aquele que amava toda “chama de vida”. As palavras e as ações de Jesus revelaram quanto valor ele atribuía a toda chama de vida.

Ame ao próximo como a ti mesmo. Ame as demais “chamas de vida” assim como amas a tua “chama de vida”. Aquele que valoriza sua “chama de vida”, certamente também valorizará outras “chamas de vida”. Aquele que percebe o Alto valor das outras “chamas de vida” jamais tomará qualquer atitude que ponha em risco qualquer “chama de vida”.

Estas afirmações de Jesus foram confirmadas pelo Pai, quando o “futuro” foi revelado para nosso amado irmão João através da revelação:

(Revelação 20:11-13) 11 E eu vi um grande trono branco e o que estava sentado nele. De diante dele fugiam a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. 12 E eu vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono, e abriram-se rolos. Mas outro rolo foi aberto; É O ROLO DA VIDA. E os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações. 13 E o mar entregou os mortos nele, e a morte e o Hades entregaram os mortos neles, e foram julgados individualmente segundo as suas ações.. . .

As coisas escritas no rolo da vida é que serviriam de parâmetro para o julgamento das pessoas. Depois de ressuscitadas, as pessoas comparariam suas ações e teriam suas ações comparadas com as “coisas escritas no rolo da vida”. Exatamente assim como falado por Jesus, a palavra falada por ele é que julgaria o humano lá no Último dia. Não seria a palavra falada por nenhum humano considerado como sábio, que tivesse apresentado uma forma de viver a vida, diferente da forma apresentada e vivida por Jesus. Jesus estava sendo questionado pelos humanos com respeito às suas palavras e suas ações. Suas palavras e suas ações estavam sendo comparadas e questionadas, tendo como base de questionamento, as palavras faladas por outros humanos e registradas nas “Escrituras”. Jesus foi julgado e condenado segundo tais palavras, palavras faladas por humanos e registradas nas “Escrituras”. Exatamente por causa da palavra falada e das ações coerentes com estas palavras, é que Jesus foi rejeitado pelos judeus como “Libertador” (Cristo) dos judeus.



Bem, e quanto àqueles humanos que mataram Jesus? Serão ressuscitados?? Sim. E quanto àqueles humanos, adoradores de Jeová, que mataram outros humanos, imaginando que estavam agradando a Deus, será que também serão ressuscitados?? Sim, também serão ressuscitados. E quanto aos discípulos de Jesus que fizeram esta mesma coisa, será que também serão ressuscitados?? Sim, também serão ressuscitados. A iníqua Sodoma será ressuscitada?? Sim, foi garantido por Jeová e por Jesus. E quanto àqueles que, com suas ações, fizeram Sodoma parecer justa, também serão ressuscitados?? Sim, também serão ressuscitados para a sua própria vergonha. Isto também foi garantido por Jeová e por Jesus. Exatamente por terem sido perdoados de todos os seus pecados é que estes humanos serão ressuscitados. Será que há algum ressentimento da parte do Pai em relação a qualquer dos filhos que Ele fará retornar à vida?? O Pai não guarda ressentimento. Ele afirmou que perdoa todos os pecados praticados contra Ele e que COMPROVARÁ ISTO trazendo de volta à vida, todos os pecadores, e isto por meio da ressurreição. Desta forma, estes homens perceberão que todas as suas dívidas foram canceladas. No entanto, as ações praticadas por estes humanos serão comparadas com o que está escrito no rolo da vida e serão individualmente questionados quanto a seu comportamento. Neste momento, aqueles humanos que praticaram ações violentas contra outros humanos imaginando que estavam agradando a Jeová, finalmente perceberão o seu grande equívoco. Certamente será para a vergonha e humilhação de todos estes. Aqueles que mataram Jesus, certamente compreenderão o grande equívoco que cometeram, também para a sua grande vergonha e humilhação. Será dito para tais humanos: “Notem os teus erros”. E como todos nós temos muitos erros, será um dia de questionamento para cada um de nós. Decerto, será um dia em que finalmente percebermos e reconheceremos não haver qualquer mérito em nós. Reconheceremos que somente Jeová é quem merece a gloria, a honra e o agradecimento.

(Revelação 5:13-14) 13 E toda criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e no mar, e todas as coisas neles, eu ouvi dizer: “Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro seja a bênção, e a honra, e a glória, e o poderio para todo o sempre.” 14 E as quatro criaturas viventes diziam: “Amém!” e os anciãos prostraram-se e adoraram. (Revelação 7:11-12) 11 E todos os anjos estavam em pé ao redor do trono e dos anciãos, e das quatro criaturas viventes, e prostraram-se sobre os seus rostos diante do trono e adoraram a Deus, 12 dizendo: “Amém! A bênção, e a glória, e a sabedoria, e o agradecimento, e a honra, e o poder, e a força [sejam] ao nosso Deus para todo o sempre. Amém.”

O Dia da Expiação, que era o Dia do Perdão, também era o dia para cada israelita atribular sua alma. “Você continuará vivo, porque você está sendo perdoado”. Aquele que se sentirCULPADOde pecado, certamente se envergonhará. Para este é um dia de vergonha e humilhação.

(Levítico 16:29-31) 29 “E isso vos tem de servir de estatuto por tempo indefinido: No sétimo mês, no décimo [dia] do mês, deveis atribular as vossas almas, e não deveis fazer obra alguma, quer o natural quer o residente forasteiro que reside no vosso meio. 30 POIS NESTE DIA SE FARÁ EXPIAÇÃO POR VÓS, PARA DECLARAR-VOS LIMPOS. SEREIS LIMPOS DE TODOS OS VOSSOS PECADOS PERANTE JEOVÁ. 31 É um sábado de completo repouso para vós, e tendes de atribular as vossas almas. É um estatuto por tempo indefinido.

Aquele que está sendo perdoado deve vangloriar-se e achar-se melhor do que outros pecadores ou deve se conscientizar de que é culpado de pecado?? O humano precisa assumir a culpa pelo seu pecado, deve sentir-se culpado. Deve envergonhar-se por ter cometido aquele pecado. Não deve minimizar o fato de ter cometido um pecado só porque foi perdoado. Não deve procurar e encontra uma desculpa por ter pecado. Esta desculpa sempre recairá em outros. Assim, o humano estará retirando de si a culpa pelo pecado. Ter sido perdoado não o coloca como menos culpado do que outros pecadores. Ter sido declarado limpo não me transforma em um homem limpo, pois eu precisei do perdão para poder ser declarado limpo.

O que Jeová vê naquele que cometeu um pecado?? Será que Ele vê um culpado de pecado?? Ora, mesmo aquele que sequer tem consciência de estar pecando, é considerado como culpado de pecado perante Jeová. Neste caso, Jeová deixa bem claro que não existe atenuante para o cometimento do pecado. Assim falou Jeová:

(Levítico 5:17) 17 “E se uma alma pecar por fazer uma de todas as coisas que Jeová manda que não se façam, embora não o soubesse, ainda assim ele ficou culpado e terá de responder pelo seu erro....

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 5:17) 17 Se alguém pecar, e fizer qualquer uma de todas as coisas que Jeová ordenou que se não fizessem; embora não o soubesse, contudo é culpado, e levará a sua iniqüidade.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 5:17) 17 Se alguém pecar, fazendo qualquer de todas as coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, ainda que não o soubesse, contudo será ele culpado, e levará a sua iniqüidade;

Jeová está informando que o humano é culpado, no entanto, o humano precisa sentir-se culpado. Quando ele estiver consciente de que praticou um pecado mesmo na ignorância, ele precisa admitir que é culpado, sentir-se culpado e declarar-se culpado. Ele deve assumir a culpa. Assumir inteiramente a culpa pelo pecado cometido.

Não é para colocar a culpa em ninguém, é para assumir a culpa, é para envergonhar-se, é para sentir vergonha. Isto é o que Jeová fica esperando que faça aquele que comete qualquer pecado, afinal, este pecador tem o livre-arbítrio e Jeová respeita o livre-arbítrio.

A vergonha é um sentimento.

VERGONHA – Esta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss):

vergonha Datação: sXIII

n substantivo feminino

1 desonra que ultraja, humilha; opróbio

Ex.: a v. de um insulto

2 o sentimento desse ultraje, dessa desonra ou humilhação; opróbio

Ex.: redimiu sua v. com um duelo

3 sentimento penoso causado pela inferioridade, indecência ou indignidade

Exs.: tinha v. de pedir

a v. de estar nu

expulso, quase morreu de v.

4 sentimento de insegurança causado por medo do ridículo e do julgamento dos outros; timidez, acanhamento, recato, decoro

Exs.: v. de cantar

v. de errar

5 sentimento da própria honra, dignidade, honestidade; brio

Ex.: o homem que tem v. não age como um crápula

6 atitude ou situação indecorosa ou vexatória

Exs.: roubar é uma v.

passei uma v. no ônibus

7 Rubrica: angiospermas.

m.q. dormideira (Mimosa pudica)


vergonhas

n substantivo feminino plural

8 órgãos sexuais humanos



Exatamente como o sentimento de vergonha por estar nu diante de pessoas vestidas.

Ora, Jeová fica esperando que a pessoa tome consciência que praticou um pecado?? Sim, Ele fica. Vejamos este caso. Se toda a nação cometer um pecado, qualquer pecado, o que acontece?? Quando eles ficassem convencidos de que haviam cometido um pecado, os anciãos, representando toda a nação apresentariam um único novilho para ser morto diante de Jeová. Bem, e enquanto o povo não ficasse convencido de que haviam cometido o tal pecado?? Ele não iriam oferecer um novilho para ser morto diante de Jeová, enquanto não admitissem que havia um pecado, ou será que iriam?? :

(Levítico 4:13-15) 13 “‘Ora, se a assembléia inteira de Israel cometeu um engano e o assunto ficou oculto dos olhos da congregação, tendo eles feito uma de todas as coisas que Jeová manda que não se façam e assim se tornaram culpados, 14 e o pecado que cometeram contra ela ficou conhecido, ENTÃO a congregação tem de apresentar um novilho como sacrifício pelo pecado e tem de levá-lo diante da tenda de reunião. 15 E os anciãos da assembléia têm de pôr suas mãos sobre a cabeça do novilho, perante Jeová, e o novilho tem de ser abatido perante Jeová.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 4:13-15) 13 Se a congregação toda de Israel errar, e isso for oculto aos olhos da assembléia, e tiverem feito alguma de todas as coisas que Jeová ordenou que se não fizessem, e se tornarem culpados; 14 QUANDO o pecado em que pecaram for conhecido, a assembléia oferecerá um novilho como uma oferta pelo pecado, e o trará diante da tenda da revelação. 15 Os anciãos da congregação porão as mãos sobre a cabeça do novilho na presença de Jeová; e será morto o novilho diante de Jeová.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 4:13-15) 13 Se toda a congregação de Israel errar, sendo isso oculto aos olhos da assembléia, e eles tiverem feito qualquer de todas as coisas que o Senhor ordenou que não se fizessem, assim tornando-se culpados; 14 QUANDO o pecado que cometeram for conhecido, a assembléia oferecerá um novilho como oferta pelo pecado, e o trará diante da tenda da revelação. 15 Os anciãos da congregação porão as mãos sobre a cabeça do novilho perante o Senhor; e imolar-se-á o novilho perante o Senhor.

QUANDO é que a assembleia ofereceria um novilho?? Somente QUANDO o pecado ficasse conhecido a eles, obviamente. Teriam de admitir que se tratava de um pecado, não é verdade??

Até então eles se declarariam isentos deste pecado, não é verdade?? No entanto, para Jeová eles eram culpados de pecado.

Em quem deveriam colocar a culpa por terem cometido este pecado?? Em si mesmos, mesmo que tivessem sido enganados por outrem.

Neste caso, onde fica o IMPARCIAL relacionamento meritório?? Onde se encaixa aqui o IMPARCIAL julgamento definitivo??

Depois de tudo isto, o que sempre ocorria em relação a tais pecadores?? Que atitude sempre tomava Jeová em relação a tais pecados?? Jeová sempre perdoava, sempre perdoava.

(Levítico 4:20) 20 E terá de fazer com o novilho assim como fez com o outro novilho da oferta pelo pecado. É assim que fará com ele; e o sacerdote tem de fazer expiação por eles, e assim lhes tem de ser perdoado.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 4:20) 20 Assim fará com o novilho; como fez com o novilho da oferta do pecado, assim fará com este. O sacerdote fará expiação por eles, e eles serão perdoados.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 4:20) 20 Assim fará com o novilho; como fez ao novilho da oferta pelo pecado, assim fará a este; e o sacerdote fará expiação por eles, e eles serão perdoados.

Você tomou ciência de que você pecou?? Você concorda que é um pecado?? Se concordar, venha até a Minha presença na entrada da tenda de reunião. Não tenha medo. Veja, você é culpado de pecado. Você está perdoado deste pecado.

Incrível, não é??

Quando outros humanos tiveram o julgamento nas suas mãos.

Como reagiram outros humanos quando receberam o julgamento??

Em um caso bastante conhecido, Jeová entrega a um humano um julgamento. O que deve ser feito com um humano que fizer tal coisa abominável??

O humano a quem foi entregue tal julgamento foi rápido em dar o seu veredicto.

Assim está registrado:

(2 Samuel 12:1-6) 12 E Jeová passou a enviar Natã a Davi. Portanto, entrou até ele e disse-lhe: “Sucedeu que havia dois homens numa cidade, um deles rico e o outro de poucos meios. 2 Acontece que o rico tinha muitíssimas ovelhas e gado vacum; 3 mas o homem de poucos meios não tinha senão uma só cordeira, uma pequena, que havia comprado. E conservava-a viva, e ela crescia com ele e com seus filhos, todos juntos. Comia do seu bocado e bebia do seu copo, e deitava-se no seu regaço, e veio a ser para ele como uma filha. 4 Depois de algum tempo chegou um visitante ao homem rico, mas este evitou tomar de suas próprias ovelhas e do seu próprio gado para aprontá-los para o viajante que chegara a ele. Tomou, portanto, a cordeira do homem de poucos meios e a aprontou para o homem que chegara a ele.” 5 Nisso se acendeu grandemente a ira de Davi contra o homem, de modo que ele disse a Natã: “Por Jeová que vive, o homem que fez isso merece morrer! 6 E quanto à cordeira, deve compensá-la com quatro, em conseqüência do fato de ter feito tal coisa e por não ter tido compaixão.”



Infelizmente, Davi não sabia que ele estava dando uma sentença contra si mesmo. Se ele estivesse na posição de juiz, era exatamente isto o que ele faria com tal pecador.

O que foi revelado a Davi??

(2 Samuel 12:7) 7 Então disse Natã a Davi: “Tu mesmo és o homem! Assim disse Jeová, o Deus de Israel: ‘Eu mesmo te ungi rei sobre Israel e eu mesmo te livrei da mão de Saul.



Jeová revelou a Davi a Sua decisão em relação a este caso.

(2 Samuel 12:13) 13 Davi disse então a Natã: “Pequei contra Jeová.” A isto Natã disse a Davi: “Jeová, por sua vez, deixa passar o teu pecado. Não morrerás.



Este humano precisava de muita ajuda. Não era ele o escolhido e abençoado??

Será que este humano não estava além de ajuda??

O Pai não via desta forma. O Pai insistia em agir qual Ajudador para Davi.



Em outra ocasião, Jeová avisou a seu rebelde povo que entregaria o julgamento deles nas mãos de humanos como eles e que eles veriam e sentiriam o resultado disto.

(Ezequiel 23:22-24) 22 Portanto, ó Oolibá, assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Eis que suscito contra ti os que te amam apaixonadamente, aqueles de quem a tua alma se apartou em desgosto, e vou trazê-los contra ti por todos os lados, 23 os filhos de Babilônia e todos os caldeus, Pecode e Soa, e Coa, todos os filhos da Assíria com eles, jovens desejáveis, governadores e delegados governantes todos eles, guerreiros e convocados, montados em cavalos, todos eles. 24 E terão de chegar contra ti com estrondo de carros de guerra e de rodas, e com uma congregação de povos, com escudo grande e com broquel e capacete. Eles se porão contra ti em todo o redor e eu vou entregar-lhes o julgamento, e terão de julgar-te com os seus julgamentos.



O que fariam estes que receberam a autoridade para julgar Oolibá??

(Ezequiel 23:25-29) 25 E vou expressar meu fervor contra ti, e eles terão de tomar ação contra ti em furor. Removerão teu nariz e tuas orelhas, e o que restar de ti cairá mesmo à espada. Eles mesmos tomarão teus filhos e tuas filhas, e o que restar de ti será devorado pelo fogo. 26 E hão de despir-te de tuas vestes e tirar-te os teus objetos de beleza. 27 E eu vou realmente fazer cessar em ti a tua conduta desenfreada e a tua prostituição [trazida] desde a terra do Egito; e não levantarás [mais] os teus olhos para eles e não te lembrarás mais do Egito.’ 28 Pois assim disse o Soberano Senhor Jeová: Eis que te entrego na mão dos que odiaste, na mão daqueles de quem a tua alma se apartou em desgosto. 29 E terão de tomar ação contra ti em ódio e tirar-te todo o fruto da tua labuta, e deixar-te nua e despida; e terá de expor-se a nudez dos teus atos de fornicação, e a tua conduta desenfreada, e teus atos de prostituição.



Eles vão tomar ação contra ti em furor e terão de tomar ação contra ti em ódio.

Eram as mesmas ações que Oolibá tomava em relação a outras nações dentro da terra de Canaã; eram os mesmos sentimentos expressados por Oolibá para com os demais povos da terra de Canaã.

Vejam o que acontece quando Eu entrego nas mãos de outros humanos o direito de ti julgarem.

O que devo fazer se Jeová colocar em minhas mãos o julgamento de pecadores??

Tendo como objetivo único ser um com o Pai, devo abster-me de condenar tais pecadores e de ser e manter-me como um ajudador para qualquer pecador, independente das circunstâncias.

Esta é a lição que o Pai dará a cada um de nós que temos por objetivo ser um com Ele.

O ajudador não deve deixar de ser um ajudador em face das circunstâncias daquele que ele está ajudando, ou mesmo, em face de qualquer coisa que este venha a fazer contra o ajudador. O ajudador deve permanecer firme na sua posição de ajudador, provando assim ser um autêntico ajudador, ou seja, um confiável ajudador.

Neste caso, Jeová e Jesus provaram ser uma fonte de ajuda. Fonte plenamente confiável.

A fonte é o local confiável para onde se desloca todo aquele que dela necessita.

Será que a fonte de ajuda deveria se transformar em uma fonte de morte?? Será que a fonte de vida deveria se transformar em fonte de condenação e morte??

Como filho que sou, devo reconhecer a minha condição de filho. O Pai tem a capacidade de matar e de vivificar. Esta é uma prerrogativa de Pai.

O filho deve reconhecer o seu lugar de filho e agir como um filho.

Os filhos devem agir como o Filho agiu.

 





Topo desta página