Um "cântico" é Testemunha de Jeová


 

Atualizada em 31/01/2009


Um “Cântico” é Testemunha de Jeová?

Quando mencionamos o termo “Testemunhas de Jeová” sempre o associamos a  pessoas, face ao próprio significado da expressão “testemunha”.

Entretanto, o próprio Criador usou durante séculos um “cântico” como sua testemunha contra um povo. Contra o “meu servo a quem escolhi”. O povo ainda estava no sopé do monte Sinai quando o Criador profetizou o comportamento mau e egoísta do seu povo escolhido e a conseqüente punição final dada pelo próprio Criador.

A terra que eles herdariam, a que "manava leite e mel",  ficaria desolada por 70 anos, enquanto os "remanescentes" do povo passariam 70 anos (uma geração) como “escravos” longe de suas terras. Leia Levítico 26:34-46

Moisés ainda estava vivo quando o Criador afirmou: "meu povo me desrespeitará"; “meu povo violará meu pacto”. (Deuteronômio 31:16) 16 Jeová disse então a Moisés: “Eis que te estás deitando com os teus antepassados; e este povo certamente se levantará e terá relações imorais com deuses estrangeiros da terra à qual vão, no seu próprio meio, e certamente me abandonarão e violarão meu pacto que concluí com eles. (Deuteronômio 31:20) 20 Pois eu os levarei ao solo que jurei aos seus antepassados, que mana leite e mel, e certamente comerão e se fartarão, e engordarão e se virarão para outros deuses, e deveras os servirão e me tratarão com desrespeito, e violarão meu pacto.

Para evitar que o povo esquecesse este fato futuro a respeito deles próprios (violação do pacto, desrespeito e abandono a Jeová), o Criador providenciou e lhes concedeu uma “testemunha” que tinha a função de lembrar-lhes diariamente este detalhe futuro.

Assim falou o Criador: (Deuteronômio 31:19) 19 “E agora, escrevei para vós ESTE CÂNTICO e ensinai-o aos filhos de Israel. Ponde-o nas suas bocas, PARA QUE ESTE CÂNTICO SIRVA COMO MINHA TESTEMUNHA contra os filhos de Israel. (Deuteronômio 31:21) 21 E tem de dar-se que, vindo sobre eles muitas calamidades e aflições, então ESTE CÂNTICO tem de responder diante deles COMO TESTEMUNHA , pois não deve ser esquecido pela boca de tua descendência, porque bem sei a sua inclinação que hoje estão desenvolvendo antes de eu os introduzir na terra que lhes jurei.”

O cântico que descreve de forma antecipada a trajetória iníqua do povo escolhido e os atos punitivos de Jeová está transcrito em Deuteronômio 32:1-43. (Deuteronômio 31:30-32:47) 30 E Moisés passou a falar aos ouvidos de toda a congregação de Israel as palavras DESTE CÂNTICO na sua inteireza: 32 "Dai ouvidos, ó céus, e fale eu; E ouça a terra as declarações da minha boca.  2 Meu ensinamento gotejará como a chuva, Minha declaração pingará como o orvalho, Como chuvas suaves sobre a relva, E como chuvas copiosas sobre a vegetação.  3 Pois declararei o nome de Jeová. Atribuí deveras grandeza ao nosso Deus!  4 A Rocha, perfeita é a sua atuação, Pois todos os seus caminhos são justiça. Deus de fidelidade e sem injustiça; Justo e reto é ele.  5 Agiram ruinosamente da sua parte; Não são seus filhos, o defeito é deles. Geração pervertida e deturpada!  6 É a Jeová que persistis em fazer assim, Ó povo estúpido e nada sábio? Não é ele teu Pai que te produziu, Aquele que te fez e passou a dar-te estabilidade?  7 Lembra-te dos dias da antiguidade, Considerai os anos atrás, de geração a geração; Pergunta a teu pai, e ele te poderá contar; A teus homens idosos, e eles to poderão dizer.  8 Quando o Altíssimo deu às nações uma herança, Quando separou uns dos outros os filhos de Adão, Passou a fixar o termo dos povos Com respeito ao número dos filhos de Israel.  9 Pois o quinhão de Jeová é seu povo; Jacó é o lote que ele herda. 10 Veio a achá-lo numa terra erma E num deserto vago, uivante. Começou a cercá-lo, a tomar conta dele, Para resguardá-lo como a menina de seu olho. 11 Assim como a águia remexe seu ninho, Paira sobre os seus filhotes, Estende as suas asas, toma-os, Carrega-os nas suas plumas, 12 Somente Jeová o guiava, E não havia deus estrangeiro com ele. 13 Fazia-o cavalgar sobre os altos da terra, De modo que comia os produtos do campo. E fazia-o sugar mel dum rochedo E azeite duma rocha de pederneira; 14 Manteiga da manada e leite do rebanho, Junto com a gordura de carneiros, E cordeiros, a raça de Basã, e cabritos, Junto com a gordura de rins do trigo; E bebias o sangue da uva como vinho. 15 Quando Jesurum começou a engordar, então deu coice. Engordaste, engrossaste, ficaste empanturrado. De modo que abandonou a Deus, que o fez, E desprezou a Rocha da sua salvação. 16 Com deuses estranhos começaram a provocá-lo ao ciúme; Ofendiam-no com coisas detestáveis. 17 Foram oferecer sacrifícios a demônios, não a Deus, A deuses que não conheciam, Novos, que entraram recentemente, Com os quais os vossos antepassados não estavam familiarizados. 18 Passaste a esquecer-te da Rocha que te gerou, E começaste a excluir Deus da memória, Aquele que te produziu com dores de parto. 19 Quando Jeová o viu, então veio a desrespeitá-los, Pelo vexame causado por seus filhos e suas filhas. 20 Portanto, ele disse: ‘Esconda eu deles a minha face, Veja eu qual será seu fim posterior. Pois são uma geração de perversidade, Filhos em que não há fidelidade. 21 Eles, da sua parte, me provocaram ao ciúme com aquilo que não é deus; Vexaram-me com os seus ídolos vãos; E eu, da minha parte, os provocarei ao ciúme com aquilo que não é povo; Ofendê-los-ei com uma nação estúpida. 22 Pois, na minha ira acendeu-se um fogo, E ele arderá até o Seol, o lugar mais baixo, E consumirá a terra e a sua produção, E incendiará os alicerces dos montes. 23 Aumentarei calamidades sobre eles; Gastarei neles as minhas flechas. 24 Ficarão exaustos de fome e consumidos pela febre ardente, E pela destruição amarga. E enviarei sobre eles os dentes de animais Com peçonha de répteis do pó. 25 Portas afora a espada os privará, E portas adentro, o horror, Tanto do jovem como da virgem, Da criança de peito junto com o homem grisalho. 26 Eu devia ter dito: "Dispersá-los-ei, Vou fazer cessar a menção deles entre os mortais", 27 Se não fosse que eu temesse um vexame da parte do inimigo, Que seus adversários o entendessem mal, Que dissessem: "Nossa mão se mostrou superior, E não foi Jeová quem realizou tudo isso." 28 Porque são uma nação em que perece o conselho, E entre eles não há entendimento. 29 Se tão-somente fossem sábios! Então ponderariam isso. Considerariam seu fim posterior. 30 Como poderia um perseguir mil E dois pôr dez mil em fuga? Não sem que sua Rocha os tivesse vendido E Jeová os tivesse entregado. 31 Pois a rocha deles não é como a nossa Rocha, Mesmo sendo os nossos inimigos os que decidem. 32 Pois a sua videira é da videira de Sodoma E dos socalcos de Gomorra. Suas uvas são uvas venenosas, Seus cachos são amargos. 33 Seu vinho é a peçonha de cobras grandes E o veneno cruel de najas. 34 Não está guardado comigo Com um selo aposto, no meu depósito? 35 Minha é a vingança e a retribuição. No tempo designado cambaleará seu pé, Porque está perto o dia do seu desastre E se apressam os eventos que os aguardam.’ 36 Pois, Jeová julgará seu povo E terá lástima dos seus servos, Porque verá que desapareceu o apoio E há apenas o incapacitado e o rejeitado. 37 E certamente dirá: ‘Onde estão os seus deuses, A rocha em que procuraram refugiar-se, 38 Que comiam a gordura dos seus sacrifícios, Bebendo o vinho das suas ofertas de bebida? Levantem-se e vos ajudem. Tornem-se para vós esconderijo. 39 Vede agora que eu — eu é que o sou, E não há [outros] deuses comigo. Eu entrego à morte e eu vivifico. Feri seriamente, e eu — eu vou curar, E não há quem arrebata da minha mão. 40 Levanto minha mão para o céu [em juramento] E digo deveras: "Assim como vivo por tempo indefinido", 41 Se eu deveras afiar minha espada lampejante, E minha mão se apoderar do julgamento, Pagarei de volta vingança aos meus adversários, E retribuirei aos que me odeiam intensamente. 42 Embriagarei as minhas flechas com sangue, Ao passo que minha espada comerá carne, Com o sangue dos que foram mortos e dos cativos, Com [o das] cabeças dos líderes do inimigo.’ 43 Alegrai-vos, ó nações, com o seu povo, Pois vingará o sangue dos seus servos, E pagará de volta vingança aos seus adversários, E fará deveras expiação pelo solo do seu povo." 44 Assim, Moisés veio e falou todas as palavras deste cântico aos ouvidos do povo, ele e Oséias, filho de Num. 45 Depois de Moisés ter acabado de falar todas estas palavras a todo o Israel, 46 prosseguiu, dizendo-lhes: "Aplicai vossos corações a todas as palavras que hoje vos falo como advertência, para que ordeneis aos vossos filhos que cuidem em cumprir todas as palavras desta lei. 47 . . .

Usufruindo da liberdade de escolha, o livre arbítrio, mesmo diariamente avisados sobre seus atos egoístas, o povo não conseguiu evitar o cumprimento de tais profecias. Qual o motivo?

Certamente não foi o destino; não estavam presos, escravizados a um destino pré-definido pelo Criador do qual não havia saída.

Entretanto, o Criador que "nunca erra" afirmou: “certamenteme abandonarão e violarão o meu pacto, me tratarão com desrespeito e violarão meu pacto.

A certeza do Criador era fruto de sua inesgotável sabedoria. A “motivação pactuada” para obedecerem ao Criador, "medo de punição e o interesse por bênçãos", não era a mais sábia motivação, logo, o povo reagiria como o previsto pelo Todo Sábio Criador, o esperado para tal "motivação".

O Todo Sábio Criador também afirmou que embora o povo violasse o pacto, Ele continuaria fiel e não exterminaria o povo. Assim falou o Fiel Criador: (Levítico 26:44-45) 44 E apesar de tudo isso, enquanto continuarem na terra dos seus inimigos, certamente não os rejeitarei, nem os abominarei a ponto de exterminá-los , para violar meu pacto com eles; pois eu sou Jeová, seu Deus. 45 E vou lembrar-me, em seu benefício, do pacto dos antecessores que fiz sair da terra do Egito sob os olhares das nações, para mostrar-me seu Deus. Eu sou Jeová.’”

Certa parte do pacto dizia: (Êxodo 20:5-6) 5 Não te deves curvar diante delas, nem ser induzido a servi-las, porque eu, Jeová, teu Deus, sou um Deus que exige devoção exclusiva, trazendo punição pelo erro dos pais sobre os filhos, sobre a terceira geração e sobre a quarta geração no caso dos que me odeiam, 6 mas usando de benevolência para com a milésima geração no caso dos que me amam e que guardam os meus mandamentos.

Cumprindo esta parte do pacto (benevolência para com a milésima geração ...), o Criador previu, em benefício dos remanescentes, lembrar-se do pacto dos antecessores, feito sob os olhares das nações. 

Embora não houvesse qualquer mérito do povo, em face de terem violado o pacto, apesar de avisados antecipadamente sobre suas más ações, o Criador se manteria fiel ao pacto e ainda providenciaria um outro pacto melhor que o primeiro. Também perdoaria o erro da casa de Israel e da casa de Judá.

Sobre este pacto melhor assim falou o Criador: (Jeremias 31:31-34) 31 “Eis que vêm dias”, é a pronunciação de Jeová, “e eu vou concluir um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; 32 não um igual ao pacto que concluí com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, ‘pacto meu que eles próprios violaram, embora eu mesmo tivesse a posse marital deles’, é a pronunciação de Jeová”. 33 “Pois este é o pacto que concluirei com a casa de Israel depois daqueles dias”, é a pronunciação de Jeová. Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.” 34 “E não mais ensinarão, cada um ao seu companheiro e cada um ao seu irmão, dizendo: ‘Conhecei a Jeová!’ porque todos eles me conhecerão, desde o menor deles até o maior deles”, é a pronunciação de Jeová. “Porque perdoarei seu erro e não me lembrarei mais do seu pecado.”

Tempos depois de Moisés, quando estava bem próximo da punição prevista de exílio de 70 anos para os remanescentes, o restante, o resto, os que sobrarem do povo, etc., exatamente nos dias de Isaías , o Sábio Criador chama a estes (o meu servo a quem escolhi) de "suas testemunhas", para as novas coisas que Ele estava introduzindo, novos detalhes.

Pelo fato de terem cometido muita iniqüidade, era um povo pelo qual o Criador estava dando o Egito, Etiópia e Sebá como resgate em lugar de suas almas, exatamente como no caso de Davi, logo, um povo especial e muito amado – estas foram as palavras do Criador: (Isaías 43:3-4) 3 Porque eu sou Jeová, teu Deus, o Santo de Israel, teu Salvador. Dei o Egito como resgate por ti, a Etiópia e Sebá, em lugar de ti. 4 Devido ao fato de que tens sido precioso aos meus olhos, foste considerado honroso e eu mesmo te amei. Darei homens em lugar de ti e grupos nacionais em lugar da tua alma .

 

São um povo cego e surdo, mas estes são as “minhas testemunhas”: (Isaías 43:8-11) 8 “Faze sair um povo cego, embora existam os próprios olhos, e os surdos, embora tenham ouvidos. 9 Sejam reunidas todas as nações num só lugar e sejam ajuntados os grupos nacionais. Quem dentre eles pode contar isso? Ou podem fazer-nos ouvir mesmo as primeiras coisas? Forneçam as suas testemunhas, para que sejam declarados justos, ou ouçam e digam: ‘É verdade!’” 10 Vós sois as minhas testemunhas”, é a pronunciação de Jeová, sim, meu servo a quem escolhi, para que saibais e tenhais fé em mim, e para que entendais que eu sou o Mesmo. Antes de mim não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum. 11 Eu é que sou Jeová, e além de mim não há salvador.”

Era um povo desobediente e cheio de  pecados, que haviam se cansado, se fatigado de Jeová: (Isaías 43:22-24) 22 “Mas tu não me invocaste, ó Jacó, porque te fatigaste de mim , ó Israel. 23 Não me trouxeste o ovídeo do teu holocausto e não me glorificaste com os teus sacrifícios. Não te compeli a servir-me com um presente, nem te fatiguei com olíbano. 24 Não compraste para mim nenhuma cana [doce] com dinheiro; e não me saturaste com a gordura dos teus sacrifícios. Na realidade, tu me compeliste a servir, por causa dos teus pecados; fatigaste-me com os teus erros.

És um povo de “dura cerviz”, um que não se humilha apesar da punição, por isso te contei todas as coisas "antes" que acontecessem a vocês: (Isaías 48:3-7) 3 “Contei as primeiras coisas mesmo desde aquele tempo e saíram da minha própria boca, e eu fazia que fossem ouvidas. Repentinamente agi, e as coisas passaram a entrar. 4 Por eu saber que és duro e que a tua cerviz é um tendão de ferro e que a tua testa é cobre, 5 também eu te informava desde aquele tempo. Antes que pudesse entrar, fiz que [o] ouvisses, para que não dissesses: ‘Meu próprio ídolo as fez, e minha própria imagem esculpida e minha própria imagem fundida as ordenaram.’ 6 Tu ouviste. Observa tudo . Quanto a vós, não [o] contareis? Eu te fiz ouvir coisas novas do tempo atual, sim, coisas mantidas em reserva, que não conhecias. 7 Terão de ser criadas no tempo atual e não desde aquele tempo, sim, coisas de que antes de hoje não ouviste [falar], para que não digas: ‘Eis que eu já as conhecia.’

Era o caso de fidelidade de um povo a Jeová, e como prêmio por esta fidelidade estarem agora sendo declarados "testemunhas de Jeová"?

É isso determinado pelo histórico do povo conforme contado por Jeová? O chamado "contexto" faz qualquer alusão à "fidelidade" deste povo?

O histórico contado por Jeová atesta que este "povo infiel" estava sendo chamado para ser "testemunha" de atos praticados por Jeová, tanto em relação a este mesmo povo, quanto em relação aos demais povos vizinhos. Tu ouviste. Observa tudo.

Era um povo infiel, mas mesmo assim foi chamado para ser Testemunha de Jeová.

Entretanto, outras nações observavam o que Jeová fazia para com este "servo a quem escolhi" e o próprio Criador traz a atenção disso através do seu porta-voz Ezequiel: (Ezequiel 20:8-10) 8 “‘“E eles começaram a rebelar-se contra mim e não quiseram escutar-me. As coisas repugnantes dos seus olhos eles não lançaram fora, individualmente, e não abandonaram os ídolos sórdidos do Egito, de modo que prometi derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no meio da terra do Egito. 9 E eu prossegui, agindo em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações entre as quais estavam, porque eu me dera a conhecer a eles perante os seus olhos , fazendo-os sair da terra do Egito. 10 Por isso os fiz sair da terra do Egito e os levei ao ermo.
(Ezequiel 20:13-14) 13 “‘“Mas eles, [os] da casa de Israel, rebelaram-se contra mim no ermo. Não andaram nos meus estatutos e rejeitaram as minhas decisões judiciais, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. E profanaram muitíssimo os meus sábados, de modo que prometi derramar sobre eles meu furor no ermo, a fim de exterminá-los. 14 Mas agi em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações , diante de cujos olhos eu os fizera sair.
(Ezequiel 20:21-22) 21 “‘“E os filhos começaram a rebelar-se contra mim. Não andaram nos meus estatutos, e não guardaram as minhas decisões judiciais por cumpri-las, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. Profanaram meus sábados. De modo que prometi derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no ermo. 22 E retirei a minha mão e fui agir em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações , diante de cujos olhos eu os fizera sair.
(Ezequiel 20:39-41) 39 “E vós, ó casa de Israel, assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Ide servir, cada um de vós aos seus próprios ídolos sórdidos. E depois, se não me escutardes, não mais profanareis então o meu santo nome com as vossas dádivas e com os vossos ídolos sórdidos.’ 40 “‘Pois, no meu santo monte, no monte da altura de Israel’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘ali é que me servirá toda a casa de Israel, na sua inteireza, no país. Ali é que terei prazer neles, e ali é que exigirei as vossas contribuições e as primícias das vossas apresentações em todas as coisas sagradas. 41 Terei prazer em vós por causa do cheiro repousante, quando eu vos fizer sair dentre os povos e realmente vos reunir das terras às quais fostes espalhados, e eu vou ser santificado em vós perante os olhos das nações.
Todas estas nações também são "testemunhas" dos atos de Jeová em relação a este povo. São testemunhas de que o Criador, protegeu, abençoou, puniu e amou este povo todo o tempo, entretanto, apesar de toda esta atenção e bondade, o povo (todas as gerações) agiu rebeldemente contra o Criador. Na ressurreição, no Dia do Julgamento, a "vergonha e a humilhação" certamente ficarão para o "servo a quem escolhi". Apesar de ensinado e amado, agiu pior que as nações não ensinadas. Não é isto muito vergonhoso e humilhante?

Assim via o Criador a Jerusalém, por volta de 607 AEC, como resultado de anos e anos de ensinamento e exortação: (Ezequiel 5:5-6) 5 "Assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Esta é Jerusalém. Coloquei-a no meio das nações, com terras ao seu redor. 6 E ela passou a comportar-se rebeldemente contra as minhas decisões judiciais, em iniqüidade maior do que as nações, e contra os meus estatutos, mais do que as terras ao seu redor, pois rejeitaram as minhas decisões judiciais, e quanto aos meus estatutos, não andaram neles.’  (Ezequiel 16:46-48) 46 "‘E tua irmã mais velha é a própria Samaria com as suas aldeias dependentes, que mora à tua esquerda, e tua irmã mais moça do que tu, que mora à tua direita, é Sodoma com as suas aldeias dependentes. 47 E não andaste nos seus caminhos, nem fizeste segundo as suas coisas detestáveis. Em pouco tempo começaste a agir ainda mais ruinosamente do que elas, em todos os teus caminhos. 48 Assim como vivo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘Sodoma, tua irmã, ela com as suas aldeias dependentes, não fez segundo o que tu fizeste, tu e as tuas aldeias dependentes.

Apesar de ensinada, agiu pior que Samaria que acabara de ser punida sob seus olhares. Apesar de ensinada, agiu pior que Sodoma da qual tinha nojo até de mencionar o nome .

 

Esta é a promessa de Jeová para o "servo a quem escolhi": (Ezequiel 16:53-58) 53 “‘E eu vou recolher os seus cativos , os cativos de Sodoma e das suas aldeias dependentes, e os cativos de Samaria e das suas aldeias dependentes; vou recolher também os teus cativos no seu meio, 54 para que carregues a tua humilhação; e terás de sentir-te humilhada em vista de tudo o que fizeste, sendo que tu as consolaste. 55 E tuas próprias irmãs, Sodoma e suas aldeias dependentes, retornarão ao seu estado anterior, e Samaria e suas aldeias dependentes retornarão ao seu estado anterior, e tu mesma e tuas aldeias dependentes retornareis ao vosso estado anterior . 56 E Sodoma, tua irmã, não se mostrou algo digno de se ouvir tua boca [mencionar] no dia do teu orgulho, 57 antes que a tua própria maldade chegasse a ser exposta, assim como no tempo do vitupério das filhas da Síria e de todas ao redor dela, as filhas dos filisteus, as que te menosprezam, por todos os lados. 58 A tua conduta desenfreada e as tuas coisas detestáveis, tu mesma terás de carregá-las’ , é a pronunciação de Jeová.”

Após o recolhimento de "todos" os cativos e o retorno de todos ao "estado anterior", o "servo a quem escolhi" sentirá vergonha e humilhação perante as nações iníquas, por carregar suas próprias coisas detestáveis e conduta desenfreada. Ele é o único povo que estava pactuado e que foi ensinado, entretanto, agiu pior que todos os outros. Haverá pleno perdão, mas, as ações não ficarão escondidas, ninguém se esquecerá delas. O caso de Caim, a exposição permanente de seu pecado a todos, certamente serve de espelho.

Pecado é pecado, seja praticado pelo queridinho, o ensinado, ou por qualquer outro.

Jeová não é parcial. Jeová é 100% fiel, 100% justo, 100% sábio, 100% santo, 100% reto, é perfeito em toda a sua atuação.

Quais os sentimentos que se afloram por um Deus como este?  Espanto por tamanha sabedoria. Espanto por tamanha bondade.

O primeiro pacto, aquele firmado no monte Sinai, tinha como um de seus artigos, a previsão de trazer punição sobre o filho e sobre o neto no lugar de se punir o pai. O pai comete o erro e a geração seguinte recebe a punição. Isto é exercer justiça?

Outro artigo do pacto previa a bênção até a milésima geração. O pai agiu de forma justa e as gerações seguintes até mesmo de forma imerecida receberiam bênçãos. Isto é exercer justiça?   

Este pacto não se baseia na "justiça". As bases do relacionamento foram definidas pelo próprio Criador que afirmou a respeito de si mesmo neste relacionamento: Êxodo 34:6,7 6 E Jeová ia passando diante da sua face e declarando: “Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade, 7 preservando a benevolência para com milhares, perdoando o erro, e a transgressão, e o pecado, mas de modo algum isentará da punição , trazendo punição pelo erro dos pais sobre os filhos e sobre os netos, sobre a terceira geração e sobre a quarta geração.”
Em nenhum momento o Criador afirmou que usaria de justiça neste relacionamento. Ele usaria de misericórdia, clemência, seria vagaroso em irar-se, seria abundante em benevolência, abundante em verdade, seria perdoador entretanto, não abriria mão da punição.
Justiça não é mencionada. Nem poderia. Como poderia agir com plena justiça, se o próprio Criador afirmou que iria PERDOAR. Perdoar é abrir mão da “justiça”. Que espécie de relação é esta??

Neste pacto está envolvido o "ensinar amorosamente os filhos".

Este assunto está sendo pesquisado em:  punição ou julgamento definitivo?


Uma nova nação que também  está sob os olhares das nações


Em relação aos discípulos de Cristo, a nova nação, instituída e ensinada por Jesus, também estavam sendo observados pelos demais povos não ensinados. O perfeito Instrutor lhes informa um dos motivos de estarem serem ensinados, a saber: 1) Os demais homens da humanidade deviam ver nos discípulos, as obras excelentes ensinadas e praticadas por Jesus. 2) Os demais homens da humanidade deveriam dar glória a Jeová ao verem as obras excelentes praticadas pelos discípulos.

Assim falou o perfeito Instrutor com autoridade de Instrutor: (Mateus 5:13-16) 13 "Vós sois o sal da terra; mas, se o sal perder a sua força, como se lhe restabelecerá a sua salinidade? Não presta mais para nada, senão para ser lançado fora, a fim de ser pisado pelos homens. 14 "Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte. 15 As pessoas acendem uma lâmpada e a colocam, não debaixo do cesto de medida, mas no velador, e ela brilha sobre todos na casa. 16 Do mesmo modo, deixai brilhar a vossa luz perante os homens, para que vejam as vossas obras excelentes e dêem glória ao vosso Pai, que está nos céus.

O que os olhos das nações, os não ensinados, têem visto nos discípulos de Cristo? Estão dando glória a Jeová por causa das obras excelentes dos discípulos de Cristo? O que estão fazendo tais discípulos para as pessoas das nações darem glória a Deus?

O início da nação cumpriu fielmente as expectativas. Todos glorificaram a Deus ao verem as obras excelentes desta primícia. As nações são "testemunhas" em relação aos atos praticados pelo povo ensinado, os discípulos de Cristo.

Topo desta página